quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Luiz Carlos comenta:

Do twitter da Julinha: @juliazanatta
"Jornalistas precisam ter ética. Não devem causar polêmica com fofocas de mau gosto e tendenciosas".
Viu, só fofocas de bom gosto! Enquanto isto vou ver como estão as inscrições do Garota Molhada.

renato deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Luiz Carlos comenta:": Julia Zanatta,ética é não usufruir do dinheiro público em passeios europeus conseguidos por "favores"ao namorado.Namorado que é da direção da Celesc e éticamente a indicou para uma boquinha na estatal

Aline Graziela deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Luiz Carlos comenta:": Cansamos de repetir que os nossos políticos e administradores não são comprometidos com o melhor para a sociedade. Mais uma prova desta falta de comprometimento é a "boquinha" oferecida para esta jornalista. Os pseudo-gestores públicos não estão preocupados com o que é melhor para a empresa, para a secretaria, para a população. Estão apenas pensando em como tirar vantagem de tudo, em como apadrinhar seus amiguinhos. Não há um pingo de vergonha em contratar a namorada de fulano, a filha de ciclano, o primo de beltrano, o neto, o irmão, o cunhado... Não os escolhem pelo profissionalismo, mas pelo simples parentesco ou amizade. Sinceramente, se eu fosse abrir uma empresa hoje, não necessariamente contrataria meus melhores amigos. Não que eu seja cruel com eles, mas simplismente pq eles são ótimos amigos, mas podem não ser os profissionais que eu gostaria, podem não ser os negociantes que eu preciso para a minha empresa. Uma coisa é o negócio, outra é a amizade. As coisas não se confundem. Claro que existem parcerias. Se penso isso na minha empresa, não poderia pensar diferente em uma empresa pública. Minha mãe me ensinou desde pequena que eu deveria cuidar do que era dos outros com mais zelo do que do que era meu, pq se alguém me emprestava algo, é pq confiava que eu cuidaria. E assim o fiz e faço até hoje, na vida e no trabalho. Assim tb deveriam ser nossos políticos. Cuidar do que é do povo com mais zelo do que cuidam de seu patrimônio, já que para isso recebram votos. Não é isso que se vê diariamente... infelizmente. Não tem vergonha aquele que apadrinha, e não tem vergonha o apadrinhado.

3 comentários:

renato disse...

Julia Zanatta,ética é não usufruir do dinheiro público em passeios europeus conseguidos por "favores"ao namorado.Namorado que é da direção da Celesc e éticamente a indicou para uma boquinha na estatal.

Anônimo disse...

É verdade, povo, essa mulher foi largada de um avião - provavelmente da comitiva "européia" - e caiu na Celesc de páraquedas cor-de-rosa, fresquíssima e sem entender o mínimo do ue acontece dentro da nossa maior empresa, com um megassalário! Enquanto isso, os empregados mortais comem o pão que o diabo amassou diariamente nos corredores da empresa. Baita sacanagem...e ela ainda vem falar em ética..ora, me poupe, garotinha!

Aline Graziela disse...

Cansamos de repetir que os nossos políticos e administradores não são comprometidos com o melhor para a sociedade. Mais uma prova desta falta de comprometimento é a "boquinha" oferecida para esta jornalista. Os pseudo-gestores públicos não estão preocupados com o que é melhor para a empresa, para a secretaria, para a população. Estão apenas pensando em como tirar vantagem de tudo, em como apadrinhar seus amiguinhos. Não há um pingo de vergonha em contratar a namorada de fulano, a filha de ciclano, o primo de beltrano, o neto, o irmão, o cunhado... Não os escolhem pelo profissionalismo, mas pelo simples parentesco ou amizade. Sinceramente, se eu fosse abrir uma empresa hoje, não necessariamente contrataria meus melhores amigos. Não que eu seja cruel com eles, mas simplismente pq eles são ótimos amigos, mas podem não ser os profissionais que eu gostaria, podem não ser os negociantes que eu preciso para a minha empresa. Uma coisa é o negócio, outra é a amizade. As coisas não se confundem. Claro que existem parcerias. Se penso isso na minha empresa, não poderia pensar diferente em uma empresa pública. Minha mãe me ensinou desde pequena que eu deveria cuidar do que era dos outros com mais zelo do que do que era meu, pq se alguém me emprestava algo, é pq confiava que eu cuidaria. E assim o fiz e faço até hoje, na vida e no trabalho. Assim tb deveriam ser nossos políticos. Cuidar do que é do povo com mais zelo do que cuidam de seu patrimônio, já que para isso recebram votos. Não é isso que se vê diariamente... infelizmente. Não tem vergonha aquele que apadrinha, e não tem vergonha o apadrinhado.