sábado, 23 de abril de 2011

Política e imprensa

Por Marcos Bayer

Em todos os lugares, a qualquer tempo, temos governos melhores e piores. Em Santa
Catarina não é diferente. O que é engraçado é o papel da imprensa local.

No início da década de 70 do século passado, o então deputado Nelson Pedrini
foi procurado por alguns dirigentes das estações de TV e rádio em operação, na
presidência da Assembléia Legislativa, em plena ditadura, para aumentar a “cota” de
divulgação daquele parlamento nos referidos meios de comunicação. Ele serviu água a
todos e disse que se houvesse alguém a pagar alguma coisa, eram eles, os homens da
imprensa, pois a matéria prima da notícia política era gerada naquela instituição.

Atitude rara, porém correta.

De lá para cá, houve a cooptação geral dos poderes políticos estaduais em relação
a muita gente, inclusive à imprensa. As leis estaduais 5.089 e 5.516, ambas de
1975, aumentam a estrutura administrativa estadual, criando novos órgãos
públicos e conseqüentemente mais cargos e salários. Todos preenchidos por
critérios “fraternais”. Somente em 1988, com a Constituição, são introduzidos os
concursos públicos para provimento das estruturas públicas.

Muitos jornalistas aceitaram favores governamentais, ganharam uma “boquinha”,
outros uma boca um pouco maior e passaram a falar as “verdades” que imaginavam
ser verdadeiras.
Tornou-se fato comum vermos jornalistas tecerem loas aos governantes em exercício
e logo após suas substituições, passarem à posição de críticos revisionistas quase
sinceros e pouco radicais.

Assim, refugiados nos “blogs” e no exercício da análise e da crítica, sem pagamento
oficial e ou empresarial, outros jornalistas cumprem dignamente suas funções.
Uma terra tão diversa na sua capacidade produtiva, em qualquer dos setores da
economia, deveria ter uma imprensa e mais políticos representativos da dignidade do
homem catarinense.

Afinal, o roubo e a bajulação na esfera política são hábitos das cortes monárquicas do
século XVIII.


R.S. deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Política e imprensa": É verdade !!!! A prova de tudo o estás dizendo é o que estamos presenciando. Uma importante rede de televisão (se quiseres divulgar a Globo), vem apresentando agora reportagens "seríssimas" sobre o caos na saúde pública do Brasil. Será que essa trajédia ocorreu em apenas três ou quatro meses do Governo Dilma ? Porque as reportagens não foram ao ar antes, durante o Governo Lula ? Porque não era possível ! O Governo precisava eleger o seu sucessor, e a grande imprensa tinha que ajudar, senão ?!?!?! Essa é a verdade! Uma verdadeira farsa! Durante o Governo Lula tudo era perfeito, o homem era o Cara. Criaram 82 % de aprovação, com as pessoas morrendo nas filas das emergencias dos hospitais. O esgôto correndo a céu aberto. Parabens aos grandes jornalistas, o resultado é este que estamos prestes a ver: o caos.
Engº Roberto Scalabrin
Publicar 

Um comentário:

Anônimo disse...

É verdade !!!! A prova de tudo o estás dizendo é o que estamos presenciando. Uma importante rede de televisão (se quiseres divulgar a Globo), vem apresentando agora reportagens "seríssimas" sobre o caos na saúde pública do Brasil. Será que essa trajédia ocorreu em apenas três ou quatro meses do Governo Dilma ? Porque as reportagens não foram ao ar antes, durante o Governo Lula ? Porque não era possível ! O Governo precisava eleger o seu sucessor, e a grande imprensa tinha que ajudar, senão ?!?!?! Essa é a verdade! Uma verdadeira farsa! Durante o Governo Lula tudo era perfeito, o homem era o Cara. Criaram 82 % de aprovação, com as pessoas morrendo nas filas das emergencias dos hospitais. O esgôto correndo a céu aberto. Parabens aos grandes jornalistas, o resultado é este que estamos prestes a ver: o caos.
Engº Roberto Scalabrin