quarta-feira, 2 de novembro de 2011

PMDB monta circo para blindar Milton Martini

    Com um circo montado no plenarinho da Assembléia Legislativa, próceres do PMDB tentam blindar o secretário Milton Martini de denúncias de corrupção e favorecimento dentro da Secretaria da Administração.

    Martini, há semanas, encontra-se sob ataques da imprensa de oposicionistas na Assembléia Legislativa e da justiça, por conta de dois contratos altamente suspeitos e eivados de ilegalidades denunciados por blogs de Florianópolis. A imprensa tradicional, leia-se RBS, frente a popularidade dos blogs, hoje, acabou repercutindo as denúncias à reboque. 
    Vieram à tona os dois casos (existem outros) mais escabrosos de corrupção acontecidos na pasta de Milton Martini: o contrato da Secretaria da Administração com o Consórcio Santa Catarina, para gerenciar o plano de saúde de mais de 180 mil funcionários públicos e a contratação de uma obscura empresa de informática para colocar no ar o Diário Oficial Eletrônico de SC.
    Martini estava para ser convocado pela oposição para esclacrecer as denúncias, mas o líder do governo, o conhecido Eliseu Mattos (envolvido em casos de negócios em Itajaí com carros da Alesc e SCGÁS), antecipou-se à convocação e convidou o correligionário para comparecer à uma sessão especial no plenarinho da Alesc e explicar as pesadas denúncias que pesam contra si.

Oposição despreparada
      No circo montado por Eliseu Mattos, não faltaram as tradicionais artimanhas de defesa, uma delas a desqualificação dos denunciantes, tirando o foco do assunto central. Mas sem dúvida, o despreparo do líder do PT na Alesc, deputado Dirceu Dresch, visivelmente desentrosado e confuso em relação ao assunto, embora municiado com vários documentos, ajudou em parte a defesa do preparado Martini. Foi salvo pelos colegas Ana Paula e Jailson Lima que se mostraram mais por dentro do assunto. Mesmo assim, do outro lado estava gente preparada como o deputado Marcos vieira e Darci Mattos que fez o papel de advogado de defesa de Martini.
     
Mentiras de Martini
Sem oponentes à altura, Milton Martini, ficou à vontade para deitar e rolar. Podia mentir que ninguém teria conhecimento suficiente do processo para desmenti-lo. Na tentativa de desqualificar a acusadora, afirmou que a empresa Gendata, que entrou com processo para sustar a contratação da Knoware, havia recebido mais de R$ 2.800 milhões em um ano, em trabalho semelhante -feito no Mato Grosso - ao da contratada Knoware.
     Na verdade a Gendata recebeu R$ 1.800 milhão em 6 anos: R$ 198mil em 2005, R$ 297 em 2007, R$ 361 em 2008, R$ 240 mil em 2009, R$ 255 em 2010 e R$ 212 mil em 2011. Ou seja: R$ 1.804 milhão em 72 meses. Ninguém contestou.

 O deboche
    Martini ao contrário do que afirmou o deputado Elizeu Mattos na TV, não respondeu todas as perguntas.  
Perguntado por Ana Paula Lima (PT) se não era muita coincidência de a Knoware ficar 10 anos com capital social R$ 3 mil, e 3 meses antes da licitação aumenta o capital para R$ 1.200 milhão? 
    Martini respondeu com deboche:  - O Steve Jobs começou numa garagem e morreu milionário! Estava à vontade, inclusive para bricar com coisa séria.

    Recidiva   
    Sobre esse assunto, aconteceu o mesmo com Irene Minikoviski Hahn, proprietária da empresa SAÚDE SUPLEMENTAR SOLUÇÕES EM GESTÃO DE CONSULTORIA E TREINAMENTO, que ganhou fraudulentamente o pregão eletrônico para gerir o plano de saúde dos funcionários do estado. 
    Da noite para o dia, às vésperas do ilegal pregão, Irene, o marido e dois filhos menores, aumentaram o capital da empresa de R$ 50 mil para R$ 500 mil reais. 

    Tiro no pé
    Outra pergunta sem resposta foi se a Knoware tinha experiência em Diário Oficial Eletrônico em outros estados. Martini disse que não poderia falar sobre isso pois não tinha conhecimento.
    Sobre experiências anteriores (que não tem) da Knoware, semana passada o presidente da empresa, Rubens Rampelotti, mandou publicar no DC uma declaração da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (ASSESPRO/SC), na tentativa de dar qualificação à Knoware.
    Foi um tiro no pé! Além de não comprovar experiência anterior exigida pelo edital da administração, a nota da ASSESPRO-SC, atesta apenas que "a Knoware possui todas as condições técnicas necessárias para desenvolver os sistemas e prestar os serviços requeridos pelo edital “Pregão Presencial nO 009/2011” da Secretaria de Estado da Administração do Governo de Santa Catarina".

    Ou seja, a própria declaração que arrumaram para dar credibilidade deixa claro que a Knoware não tinha o sistema pronto e acabado como exigia o edital. É claro que a ASSESPRO-SC não se meteria em roubada. Ficou no "tem condições técnicas para desenvolver..."

    E assim vai a coisa queridos leitores!  É corrupção em todos os cantos do governo. A criação do Diario Oficial Eletrônico está igual a restauração da Ponte Hercílio luz. "Eles" agora ganham nos projetos. Não precisa mais roubar na obra. Quantos projetos já foram feitos para restaurar a ponte Hercílio Luz? 
    O DOE é a mesma coisa. Desde 2001 estão roubando dinheiro do estado para implantar o Diário Oficial e a coisa não sai do projeto. Veja a outra roubalheira sobre o mesmo assunto feito pela Secretaria da Educação na contratação da mesma empresa Knoware. Leia aqui no Tijoladas.

2 comentários:

Anônimo disse...

É os envolvidos devem estar soltando foguetes. Lá vai o povo deixar mais uns e outros milhonários, é revoltante, viver no Brasil é isso mesmo, é triste demais saber que o povo está na mão dessas pessoas.

Anônimo disse...

#Curiosidade: Um cálculo preliminar realizado pelo Tribunal de Contas do Estado concluiu que os gastos na Agronômica e no gabinete do governador Raimundo Colombo são infinitamente inferiores aos efetuados no governo Luiz Henrique da Silveira. #