domingo, 22 de janeiro de 2012

O cotidiano em New York


    William Ear Long*
     direto do Central Park, com o bluetooth ligado.
    
    Depois de anos vivendo entre celebridades aqui em New Yok e London, entrevistando políticos, atores e atrizes, football players e também baseball players, devo declarar aos meus novos leitores aí do Brasil, através do Cangablog, que cansei. Cansei porque descobri que as pessoas comuns são mais originais e engraçadas em suas rotinas. Aos domingos costumo passear pelo Central Park - walking around - dizemos aqui. Casais com seus filhos, gente de todos os naipes - different people.
     Nós americanos somos um povo muito estranho. Gostamos de batas fritas com ketchup. Fried potatos. Bebemos muita Coca-Cola, conhecida por Coke.
     Esta bebida foi inventada aqui. Era um xarope morno horroroso. Quando inventamos o gelo, tentamos o Ice Coke. Foi uma maravilha, pois a bebida mudou o sabor e virou uma mania nacional.
    Nunca estive no Brasil, mas presumo que vocês também bebam Coca-Cola. O gelo é uma das formas, neste caso sólida, da molécula de H2O. Explico isto porque nós americanos pouco sabemos sobre a America Latina. Achávamos que Montevideo era a capital da Argentina até a eleição do Evo Morales para a Casa Rosada.
    Observo ainda muitas pessoas comendo pop corn, conhecida por pipoca pelos brasileiros. Também temos muito hot dog.
    Embora a tradução signifique cachorro quente, nós fabricamos as salsichas com carne de porco. O nome correto deveria hot pig, porco quente em português, mas o universo semântico e epistemológico é um complexo gráfico fonético indecifrável. Mesmo com muito estudo, ainda me perco nos meandros dos idiomas.
    Mas, observo as pessoas e suas atitudes. A grande maioria gosta de fotografar (take a picture). Usam os telefones para tanto.
    Domingo passado vi um senhor tentando telefonar através de uma Nikon 240 com zoom. Acho que algumas pessoas ficam confusas com estas mudanças tecnológicas.
    Outro hábito é o download. Na América, especialmente aqui em New York, todos fazem pelo menos um download por dia.
    Nos meus tempos da Princeton University, em 1952, download era feito no bwc (bath water closet). Mas, a tecnologia é irreversível.
    Os new yorkers, novaiorquinos aí no Brasil, são muito complexos e competitivos. Nossa praia é o Central Park. Mesmo no inverno.
    Espero ter proporcionado uma visão sociológica e gastronômica desta Ilha, Manhattan, tão fantástica quanto a Ilha de vocês. Sobre os museus, restaurantes, boates, bancos e shows, escreverei outro dia.
    Talvez passe aí na TV brasileira um programa chamado Manhattan Connection. Aqui é sempre aos domingos. Muitas vezes eles mostram matérias minhas.
    Gravei ontem uma especial com Cassius Clay, o Mohamed Ali. Ele foi um grande boxeador aqui nos USA.
    Bom domingo para todos vocês.

P.S. Se, eventualmente, algum amigo do Canga aí de Florianópolis viajar para New York e precisar de alguma coisa, estou à disposição.
Moro no Plaza, no apto 402. Foto. Fica na esquina da 5th Ave com a Central Park South. Se eu não estiver em casa, deixe recado com o Steve ou com a Jane, no balcão central.Meu celular, infelizmente, não posso fornecer.

*William Ear Long é formado na Princeton University no curso de jornalismo dinâmico, pós graduado na Boston University e doutorado na Alabama University.
Foi durante 29 anos colunista social do New York Times. Trabalhou também no The Sunday de Londres, como "foca" no início da carreira.
É amigo de Bob Woodward e Carl Bernstein. Ajudou na cobertura do caso Watergate, em 1973.
É o mais novo colaborador do Canga Blog.
 
Joaquim deixou um novo comentário sobre a sua postagem "O cotidiano em New York": Canga,
Esse tal de William Ear Long, morador do New York Plaza, ganha salário igual ao pessoal da RBS?
Ou lá é outro piso?

Abs, Joaquim Lemos  

Nenhum comentário: