quinta-feira, 3 de maio de 2012

Mercantilismo na USJ

 O caso da professora que trocava nota por dinheiro na Universidade Municipal de São José (leia aqui), na grande Florianópolis, após ser denunciado por um grupo de alunos neste blog, assumiu proporções estratosféricas. O assunto vem sendo discutido entre alunos e professores de todos os cursos causando discussões acaloradas principalmente nas redes sociais (FB). Com a repercussão da denúncia a direção da universidade finalmente se manifestou através de seu Coordenador do Curso de Administração, Prof. Gilson Karkotli, Dr. 

Abaixo e-mail enviado aos alunos:

Prezados Alunos,
A coordenação oficialmente não recebeu nenhum comunicado sobre o assunto, pois nenhuma turma ou aluno entrou com processo via protocolo solicitando algo, então não posso me posicionar como Coordenador do USJ, mas de maneira informal recebi alguns e-mail, no qual de maneira informal já esta tomando algumas providencias para solucionar o problema de comunicação e tentar resolver de vez o assunto.
 
De maneira informal foi conversado com a professora para primeiramente ouvi-la e entender o que estava acontecendo e após os alunos interessados. Todavia de acordo com processo hierárquico primeiro a turma deveria conversar com o professor, caso não tenha solução, com o coordenador e por fim com o SOA com fontes e fatos verídicos e comprovados. O SOA, não toma decisão alguma, somente serve como meio de comunicação entre o USJ e comunidade.
 
Como professor e pessoa, o que me deixou muito preocupado foi com a postura ética e leviana de alguns alunos em alegar dados e fatos publicamente expondo a imagem do USJ, Professores em Geral, da Professora especificamente, dos alunos, pois o diploma estará sempre atrelado a cada aluno do USJ. Sem ao menos preocupar-se com as consequências e verificar a veracidades dos fatos, mas somente querer colocar fogo e polemizar, pergunto: isto é papel e postura de um futuro administrador. Eu entendo que não.
 
Quando melhor a imagem do USJ no mercado, melhor para todos, portanto estes alunos tomaram atitudes, inclusive publicas sem ao menos se preocupar com a fonte da informação, veracidade dos fatos e com o ser humano que esta atrás deste conflito e ainda sem ouvir as partes e desrespeitar a hierarquia organizacional e seu processo que tanto falamos na academia.


Conflitos sempre terão em nossas vidas, seja pessoal, profissional, tanto que é uma das principais teorias da administração, soluções de conflitos, sempre o administrador deverá analisar com dados e fatos concretos, planejar, dirigir, executar e controlar. Razão do aprendizado na sua concepção maior deste problema.


Caros alunos entendo que este episodio servirá como aprendizagem para todos e aprendemos que devemos cuidar com e como falamos , uma vez que tudo tem dois lados e a verdade não é mais absoluta, tanto que a tecnologia pode ser boa como não, irá depende de como será usada e para qual finalidade, vai depender da atitude ética de cada um. Razão pelo qual avaliamos os senhores pelo CHA (conhecimento, habilidade e atitudes).
 
Tenho certeza que estaremos encaminhado para a solução pacifica do conflito e solucionar o problema de comunicação, que de maneira geral para mim foi a questão central do problema.
 
Lembrando que sempre que uma turma (alunos) quando tiverem algum problema de ordem pedagógica ou com professor, primeiro conversar com o professor , sempre melhor é o dialogo, após com a coordenação e caso esta não tenha competência irá enviar para Reitoria (SOA) e demais órgão para solução. Entretanto, sempre por meio de processo via protocolo.
 
Desejo sucesso e caso alguma turma precise de algo favor entrem com processo administrativo interno para a coordenação se posicionar e solucionar o problema de forma sempre amigável. Além, que tudo ficará registrado.
 
Somente para alerta-los, vamos cuidar com assédio moral, pois foi isto que a professora recebeu, inclusive o seu nome esta em um BLOG público.
 
Forte Abraço,

Prof.Gilson Karkotli,Dr.
Coordenador Curso de Administração
Centro Universitário Municipal de São Jose
Telefone(048) 32573002


Tiago
Caro colega MARCELO LENBRUGER,
Concordo com sua opinião em dizer que o correto seria solucionar este problema com a Universidade, porém posso apenas dizer que de minha parte eu tentei fazer isso e não obtive sucesso. Em sala, quando passado esse trabalho tentamos mostrar para a professora que não estava correto dar a nota pelo lucro, ela disse que o roteiro era aquele e não teria como mudar. A turma tentou diversas vezes entrar em acordo com ela mas nenhum pedido de mudança no roteiro foi aceito. Nem o pedido de fazer o trabalho em dupla ela aceitou. Visto que o diálogo com a professora não teve resultado, eu como acadêmico cursando produção, decidi tentar fazer a minha parte encaminhando aos responsáveis pelo atendimento ao acadêmico o e-mail que a professora nos enviou com o roteiro de minha turma. Pois bem, eu não tive resposta até hoje. A mim veio resposta somente após a publicação da matéria neste blog, resposta essa que o Coordenador Sr. Karkotli enviou a todos os acadêmicos.

A COORDENAÇÃO tirou o corpo fora, e jogou a bola da vez para os alunos.
    Na aula de hoje essa professora não aceitou os argumentos dos alunos para retirar do trabalho as vendas e o lucro a ser entregue. Continua afirmando que isso faz parte para o cumprimento do trabalho, para ele ser comprovadamente VENDÁVEL. Mas vamos por partes:
    1º Ela se defendeu dizendo que as duas últimas turmas (2008/2 e 2009/1) falaram com ela semana passada para dizer para onde vão doar. Disse inclusive que O DINHEIRO dessas turmas desde a entrega FICOU COM A COORDENAÇÃO até HOJE, que cada um podia ir lá conferir. Mas ela SAIO DA SALA HOJE COM UM ENVELOPE RECHEADO DE DINHEIRO (notas de alto valor - obs: nas doações o dinheiro era "pingado"). Por que continua não sendo TRANSPARENTE? Se o dinheiro estava com eles até hoje, como NÃO SABIAM DO OCORRIDO? Além de não defenderem o DIREITO DOS ALUNOS ainda estariam ACOBERTANDO a atitude dela?

2º Ela citou o nome de 2 alunos Leonardo (atual 7ªfase) e uma aluna da atual 8ª fase que não lembro qual nome, que na semana passada eles indicaram uma Instituição. Até onde eu sei essas turmas até então não foram comunicadas de nada e ela está usando isso como forma de defesa. Para se mostrar INOCENTE com uma INVERDADE.

3º Parece que esta prática não é de hoje. Ela alegou que esse trabalho já foi aplicado em outra Universidade. Será que ela não veio da Bahia por esse motivo?

4º Não houve comum acordo na aula, ela continua insistindo em cobrar dos alunos o lucro das vendas, usa de justificativa que para ele ser vendável e o trabalho ter suas etapas concluídas a venda é a prova de que o aluno realizou todas as etapas corretamente, e que por isso não há como retirar o lucro.
    Ela quer fazer um ACORDO e não aceita a reclamação DE TODOS OS ALUNOS que exigiram que o item venda e lucro seja retirado do trabalho. Não conseguimos entrar em acordo e ela disse que só dará uma posição daqui a duas semanas. Seria porque ela quer que CAIA NO ESQUECIMENTO DOS ALUNOS. Em duas semanas os ânimos estarão mais calmos.
    Ao que parece a Universidade está colocando panos quentes e encobrindo ela. Ninguém tomou uma atitude para parar os absurdos impostos por esta professora. Pelo visto a atenção dela nem foi chamada e seus erros não foram apontados pelos superiores. Ela continua acreditando que esta tendo a atitude mais correta e HONESTA do mundo.
O que é mais revoltante é que ela ainda usa as turmas anteriores que foram PREJUDICADAS para se inocentar sendo que o dinheiro ficou com ela até HOJE. Agora é que ele será encaminhado porque a bomba estourou, se não fosse essa matéria continuaria no esquecimento.
    Infelizmente ao que parece, mesmo com toda a repercussão nada mudará e quem será PENALIZADO pelo ato dela serão nós alunos. 


   Me sinto envergonhada de ser honesta diante dos acontecimentos na USJ. As palavras do Sr Dr Coordenador do Curso me deixam estarrecida. Nenhuma atitude é tomada pq não há registro em PROTOCOLO. Não é a toa que a Professora se sente tão a vontade dando aula hoje.. é a certeza da impunidade realmente. O Sr Coordenador deveria se informatizar já que pra ele só existe ainda o protocolo convencional. Diante de tantas declarações, diante do proprio roteiro da professora, diante do e-mail por ela enviado aos alunos e ele ainda está na Idade da Pedra esperando por um protocolo pra agir? Qual é a função dele?. Acorda Sr. Coordenador. Ou será q ele quer que os alunos façam a reclamação em protocolo pra que cada um seja expulso da universidade como disse uma garota num post aqui no blog, que foi expulsa por lutar pelos seus direitos? Eles esqueceram quem paga o salário deles na USJ.. Vou lhes lembrar quem paga é o POVO e o POVO merece uma resposta e respeito. Onde está o Reitor e Vice-Reitora? Eles não sabem do q está acontecendo não? Ou estão esperando o PROTOCOLO tb pra tomar uma atitude?

Marcelo Lemgruber - Fecha as portas que esse blog nessa matéria deu um tiro no pé! Não defendendo a professora ou ou alunos, mais as unicas respostas aprovadas são falando sobre o dinheiro e difamando ainda mais a INSTITUIÇÃO! SIM a USJ ESTA SENDO PREJUDICADA COM ESSE TIPO DE MATERIA SEM ANTES RECORRER AOS RESPONSAVEIS PELA DISCIPLINA! Pra variar vou ser mais uma vez censurado! Bom dia! 

L.A. - É muito simples resolver todo esse embrolho. Existem órgãos governamentais que podem interferir. Aqui no Estado existe o Conselho Estadual de Educação que funciona junto a Secretaria de Estado da Educação. Podem tb entrar em contato direto com o Ministério da Educação em Brasília através do formulário http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_wrapper&view=wrapper&Itemid=17 ou no facebook http://www.facebook.com/ministeriodaeducacao ou no twitter http://twitter.com/#!/mec_comunicacao ou telefone 0800 616161 . Outro órgão q pode interferir é o Ministério Público que é rápido e muito eficiente. Usem os recursos que dispomos. Lutem pelos seus direitos de cidadãos brasileiros. Não deixem o caso ser abafado. Se a universidade não resolver procurem outros órgãos que com certeza farão alguma coisa em prol dos alunos que comprovadamente se sintam prejudicados.
 
Valdete L. Briesemeister - Caros depois de ler todos os comentários, não consegui me abster de falar algumas palavras, não sou do curso de ADM, mas fiz estatística com a Luciana, e concordo em que não é fácil passar nas matérias lecionadas por ela, professora bastante exigente e muitas vezes confusa em relação matéria. No caso aqui publicado Produção, acompanhei as meninas Vanessa e Adriana, fiquei sabendo deste trabalho através delas e como são excelentes alunas, sei que aprenderam bastante com ele. E ao contrario do que o ANôNIMO diz Lucro faz parte sim do curso acadêmico, pois se não for assim a academia e o mercado falam línguas diferentes. A finalidade de uma empresa é LUcro, e não se enganem Administradores, se vocês não obtiverem lucros para a empresa, serão substituído por outro mais competente, e faz parte da competência de bom Administrador conhecer todo o ciclo operacional (produtivo), nisso com certeza o trabalho da Professora foi eficiente. Mas a questão na obrigação em obter lucro para ganhar nota...
 
Aluno da USJ - Todo mundo quer agita no facebook pra dizer que só tem acusação e nenhuma prova, tá faltando é vontade de ler. Só cada um ler esse roteiro que vai enxergar a obrigação em se doar e dar produto. É OBRIGATÓRIO, OBRIGATÓRIO!!!!!!!!!!!, está extremamente claro no texto que ela mesma fez, não sei qual a dificuldade dos desentendidos em perceber isso. Pra que prova mais contundente do que um arquivo enviado por ela mesma? A preguiça em se ler a matéria completa faz com que as pessoas não compreendam o ÓBVIO! Está claro e de fácil entendimento, que o não cumprimento das exigencias acarretará na nota ZERO. Não pagou, não ganhou nota, simples assim. 
Fernando M. - Escreve muito mal o coordenador. Deve ter outras dificuldades, entre elas, a incapacidade de convocar os alunos e levantar o problema em conjunto. Realmente, a educação no Brasil está nas últimas... 

Ana Carolina  - Prof. "Carcota", Assedio moral nós que estamos sofrendo quando a professora nos submete a situação constrangedora de vender produtos, entregar o lucro para ela e (talvez) obter 50% da nota necessária do trabalho, caso contrario ganharemos zero. O sr. considera uma atitude justa com os academicos? Sente num banco universitario apos trabalhar 8h por dia para no fim do mes receber R$600,00, investir esse dinheiro na produção de um produto, vende-lo e por no bolso de outra pessoa sem ao menos poder ficar com o dinheiro para cobrir as despesas que teve. Depois disso, vc me fala quem sofreu assedio moral ok? Nós tentamos contato com a faculdade para resolver esse perrengue, como sempre fomos ignorados, nao restando outra opção em recorrer as midias que atualmente são a maior força de voz que se tem no pais atualmente.
Carlos Neckel - Assedio moral me parece ser o que este professor está praticando com os alunos através destes escritos. Parece até ser doutor, mas não tem vergonha na cara para admitir um erro na pedagogia do curso. Se já sabia, pior ainda não ter feito nada senhor doutor!!!! "E-mail informal"???? conte-me mais sobre isto. Até onde sei, o e-mail é um canal formal de comunicação.
M.F. A verdade é q o Zacarias não quer se comprometer, se não podemos contar com o Coordenador do curso para nos defender como querem que os alunos primeiro denunciem a eles? Falam em ser comunicados primeiro mas quando são tem medo de tomar partido. As evidencias são claras e nada foi feito. Agora tudo será tratado de maneira informal, porque a Universidade não resolve de uma vez esse acontecimento. É revoltante o descaso que estão tratando esse acontecimento. É preciso documento formal pra comprovar alguma coisa? Tem o roteiro ali que prova mais do que qualquer palavra, ninguém inventou ou criou ele, a própria professora mandou para os emails de turma e está no xerox na pasta de arquivos dela. Tem prova maior que isso? Acho que já é o suficiente para a Universidade recolher de prova e abrir um processo administrativo. Parece que o Coordenador quer que alguém faça um pedido para tirar a responsabilidade das costas dele, agora UM aluno tem que levar a responsabilidade por todo corpo


Carlos - O cara quer dizer que tinham que seguir a cadeia hieráqruica, é? Deviam é fazer um BO na delegacia mais próxima, isso sim!

31 comentários:

Anônimo disse...

Virou a política do pão e circo. Tudo acabará em pizza pessoal! A professora agora é injustiçada e os alunos são os culpados, ainda não se pronunciou a respeito dos produtos recebidos e das doações em dinheiro. VERGONHA BRASIIIIL

J.L.Cibils disse...

Não sei a veracidade destes fatos, mas pelas escritas deste professor, ele ta querendo jogar para baixo do tapete e esta normas ditas "politicamente corretas" de que tem que seguir "protocolo", coisa de Burrocracia, isto ta parecendo só pra empurrar com a barriga, fica no esquecimento e dizer que colocar as claras um assunto "interno" (duvidoso) isto de "interno", aquilo lá é e sempre sera um orgão publico, esconder porque, pra que? Quem se beneficiaria diretamente ou indiretamente com isto?, creio que a população Josefense não, pois transparencia é a palavra da vez em nossa atualidade, ainda mais quando se fala de algo publico, é nós que pagamos aquilo lá para que exista, então nos devem explicações sim e muitas de como anda todo o desenrolar deste processo "interno" que é publico.
Duas das situações que esta enraizada na cultura do funcionalismo publico primeiro é o corporativismo,(Eu te protejo e voce me protege)
Outra situação é alguns acharem que detem propriedade como se fosse um feudo, só que o legitimo proprietário do (Feudo) é o povo que o sustenta.

Anônimo disse...

A COORDENAÇÃO tirou o corpo fora, e jogou a bola da vez para os alunos.

Na aula de hoje essa professora não aceitou os argumentos dos alunos para retirar do trabalho as vendas e o lucro a ser entregue. Continua afirmando que isso faz parte para o cumprimento do trabalho, para ele ser comprovadamente VENDÁVEL. Mas vamos por partes:

1º Ela se defendeu dizendo que as duas últimas turmas (2008/2 e 2009/1) falaram com ela semana passada para dizer para onde vão doar. Disse inclusive que O DINHEIRO dessas turmas desde a entrega FICOU COM A COORDENAÇÃO até HOJE, que cada um podia ir lá conferir. Mas ela SAIO DA SALA HOJE COM UM ENVELOPE RECHEADO DE DINHEIRO (notas de alto valor - obs: nas doações o dinheiro era "pingado"). Por que continua não sendo TRANSPARENTE? Se o dinheiro estava com eles até hoje, como NÃO SABIAM DO OCORRIDO? Além de não defenderem o DIREITO DOS ALUNOS ainda estariam ACOBERTANDO a atitude dela?

2º Ela citou o nome de 2 alunos Leonardo (atual 7ªfase) e uma aluna da atual 8ª fase que não lembro qual nome, que na semana passada eles indicaram uma Instituição. Até onde eu sei essas turmas até então não foram comunicadas de nada e ela está usando isso como forma de defesa. Para se mostrar INOCENTE com uma INVERDADE.

3º Parece que esta prática não é de hoje. Ela alegou que esse trabalho já foi aplicado em outra Universidade. Será que ela não veio da Bahia por esse motivo?

4º Não houve comum acordo na aula, ela continua insistindo em cobrar dos alunos o lucro das vendas, usa de justificativa que para ele ser vendável e o trabalho ter suas etapas concluídas a venda é a prova de que o aluno realizou todas as etapas corretamente, e que por isso não há como retirar o lucro.
Ela quer fazer um ACORDO e não aceita a reclamação DE TODOS OS ALUNOS que exigiram que o item venda e lucro seja retirado do trabalho. Não conseguimos entrar em acordo e ela disse que só dará uma posição daqui a duas semanas. Seria porque ela quer que CAIA NO ESQUECIMENTO DOS ALUNOS. Em duas semanas os ânimos estarão mais calmos.

Ao que parece a Universidade está colocando panos quentes e encobrindo ela. Ninguém tomou uma atitude para parar os absurdos impostos por esta professora. Pelo visto a atenção dela nem foi chamada e seus erros não foram apontados pelos superiores. Ela continua acreditando que esta tendo a atitude mais correta e HONESTA do mundo.
O que é mais revoltante é que ela ainda usa as turmas anteriores que foram PREJUDICADAS para se inocentar sendo que o dinheiro ficou com ela até HOJE. Agora é que ele será encaminhado porque a bomba estourou, se não fosse essa matéria continuaria no esquecimento.

Infelizmente ao que parece, mesmo com toda a repercussão nada mudará e quem será PENALIZADO pelo ato dela serão nós alunos.

Anônimo disse...

Complementando o comentário anterior:

6º No dia que ela passou esse roteiro uma turma da Pedagogia entrou na sala, para convidar os alunos a participarem de uma festa solidária com o intuito de arrecadar dinheiro da entrada p/ a cirurgia de um professor. Ela no momento falou "então vamos aproveitar a oportunidade para usar o dinheiro desse trabalho para ajudar o professor, você concordam?" (Ela praticamente impôs que esse seria o motivo da doação, ela perguntou impondo totalmente) e não teve como recusar mesmo muitos não concordando ninguém se manifestou para ela no momento porque ficaria uma situação constrangedora e porque essa cirurgia aconteceria no final do mês e a apresentação do trabalho no final do semestre, a cirurgia já foi paga, o dinheiro não teria mais serventia, pareceu só um PRETEXTO para se justificar a doação.

7º Ela falou mais ou menos assim "é até injusto eu dar nota só pelo trabalho escrito, assim com a venda fica mais fácil para julgar o trabalho porque mostra que o aluno se planejou para cumprir e por isso conseguiu vender, por isso ele terá uma boa nota" Nunca vi disso.

Revoltante é ver que a Universidade não tomou providencia nenhuma, nem exigiram a mudança na postura dela e na aplicação do trabalho.
Por que está totalmente se fingindo de cego para o que está acontecendo?

Anônimo disse...

Esse Marcelo Lemgruber nem do curso de Administração é, como quer tomar partido de uma coisa que não está acontecendo com a turma dele? Se fosse com você a história seria outra. É muito fácil defender quando se está de fora e não se sente ESFOLADO pela falta de caráter dos outros.

Pimenta no dos outros é REFRESCO!

Anônimo disse...

O Karkotli é um Advogado tão bom, que se diz ser adEvogado, entre outros assassinatos a lingua portuguesa. Sua falta de informação mostra a sua decorrente falta de conhecimento em resolver o caso. Se isso acontecesse em outras Universidades hoje o acontecido já estaria resolvido e não sendo abafado.

Anônimo disse...

Ela deve ter algum problema, o jeito que ela fala e olha para os alunos dá até medo, parece que os olhos vão saltar ou jogar fogo em quem está na frente. Eu tenho medo dela e por isso muitos outros alunos devem ter medo de expor sua opinião pra ela. A postura dela é ameaçadora e em seu discurso ela acredita que sua atitude está correta.

Anônimo disse...

Marcelo volta pra Contábeis e vai analisar balanço que é essa a tua função. Não teve aula com ela e mal sabe o que acontece, fica dando palpite ainda.

Anônimo disse...

Na aula ela falou que a coordenação ficou com o dinheiro das duas turmas desde o dia da apresentação, mas foi vista saindo da sala no intervalo de aula, com um envelope cheio de dinheiro. Se ela é inocente porque está inventando tanta história para se defender? Quem é inocente mostra os fatos reais e não se esconde atrás de mentiras.
E se a coordenação ficou com o dinheiro como dizem agora q ñ sabiam do trabalho?

Se fala em seguir a hierarquia p/ solicitar mudanças ou registrar reclamações, mas é tão verdade q isto ñ adianta, q ontem foi tentado negociar com ela e ela ñ quis entrar em comum acordo. O coordenador está ciente e não fez nada. Os academicos ñ tem com quem contar, essa é a realidade dessa Universidade.

Do q adianta ter um coordenador q ñ toma as providencias necessárias? Ñ vejo o pq dele ter essa função.

Anônimo disse...

Pelo discurso que ela deu ontem, deve ter sido orientada por algum adEvogado. Vergonhoso, ainda tentou usar alunos repetentes para defende-la - sem sucesso. Usa fatos mentirosos como q o dinheiro ficou na coordenadção apó doação dos alunos, q a turma atual escolheu doar p um professor q faria cirurgia (ela q impós, nós ñ escolhemos). Tudo baseado em histórias mal contadas por ela. Penso q qnd a pessoa diz a verdade ela ñ se contradiz, ela se contradiz o tempo td, inventa q um aluno deu cartão de uma casa de caridade para sugerir q fosse doado, disse q isso aconteceu na semana passada, mas esse aluno o Leonardo entregou o cartão pra ela no outro semestre.
ESTÁ TDO MAL CONTADO. Cade a VERDADE? Queremos uma explicação verdadeira.

Se o dinheiro doado ainda existe e estivesse na coordenação, pq ela não levou com o envelope de ontem a sacola das moedas de 1 real? Sinal q o dinheiro entregue ONTEM, ñ é o mesmo q os alunos entregaram. Se ela entregou ONTEM como q tava desde ano passado na coordenação. TEM QUE VER ISSO AÍ!!!!!!!!!!!1111111111!!!!!!!!

Anônimo disse...

O comentário anonimo do post anterior so pode ter sido da professora (AnônimoMay 2, 2012 04:40 AM).

Professora se ele precisa cursar Ensino Fundamental a Senhora deve voltar para o Ensino Superior, para reaprender como é que funciona uma didática correta, para não cometer mais esse tipo de absurdo. A professora além de ter que parar com esse trabalho (digo a parte de venda estipulada, lucro com obrigação de doar) deveria ser mais clara em seus enunciados. As questões que ela passa em sala, tem enunciados tão confusos que os alunos dão respostas e ela diz que faltou não sei quantos ítens pra especificar. Falta clareza não só nesse dinheiro que sumiu, mas em suas questões também. Podem recolher os arquivos com notas de alunos que vão ver a confusão que são as provas dela e a quantidade de nota baixa. Os que vão bem é porque conseguiram provas de alunos anteriores, SIM ELA USA A MESMA PROVA EM TODAS AS SALAS. Além de levar o lucro ela não faz o trabalho dela, que é elaborar uma prova que se preste. Na 1 prova dela só tem 4 questões com enunciados confusos, é bem pra ferrar com o aluno para ele ter a necessidade de auferir esse lucro todo na esperança de ter uma boa média final.
O que a galera não tá lembrando é que tem uma atividade que ela passa, que cada aluno tem que elaborar uma prova e colocar as respostas em outra folha e entregar para ela. Ela exige que as questões sejam com um alto grau de dificuldade, quem faz pra enxer linguiça ela reclama, que os alunos que fizerem corretamente irão ganhar ponto positivo na prova 2. Ela usa essas questões na prova 2 dela. Ou seja, ela ganha, cobra lucro de aluno e NEM UMA PROVA DECENTE ELA FAZ, USA QUESTÕES DE ALUNOS PARA ELABORAR PROVA. TEM MAIS VERGONHA QUE ISSO? Uma professora que não elabora nem as provas que aplica aos alunos. Está TUDO ERRADO nesse Curso, estou revoltado, esse tipo de coisa até desanima o acadêmico, ver a Coordenação APOIAR ESSE ABUSO.

Anônimo disse...

A professora diz que a gente deve doar dinheiro pra retribuir o que a comunidade faz pela gente, ela esqueceu que QUEM PAGA OS IMPOSTOS SÃO A NOSSA FAMÍLIA e nós CONTRIBUIMOS SIM. Quem quer doar que doe, eu não quero e não sou obrigado. É muita FALTA DE SACANAGEM obrigar aluno a doar.

Anônimo disse...

Se eu conseguisse ganhar dinheiro com criação de produto meu não tava aturando isso ai. Ia tá numa mansão rindo desse circo todo.
Como o aluno vai vender uma coisa sem ter dinheiro pra investir na sua produção. A professora podia pelo menos dar o investimento inicial $$$$$. O que acham? Ficaria um trabalho justo. Ela investe, a turma vende e doa.
Problema resolvido. hehe

Anônimo disse...

É por isso que não fiz e nunca farei graduação. Cair na mão dessa gente? Eu não!!

BV

Anônimo disse...

Essa Professora trabalhava na UNISUL-Campus de Imbituba em 2001-2007 antes de vir para USJ-São José.
Não dá pra entender essa didática dela. Disse que devolveu o dinheiro do semestre anterior à Coordenação do Curso e vai continuar vinculando dinheiro a nota? Se devolveu, admitiu que recebeu e não entregou à doação.
Essa é uma conduta incorreta, desonesta, ilegal e abusiva que se pode até chamar de Improbidade Administrativa.
Isso é IRRACIONAL, INADMISSIVEL.

Anônimo disse...

Como escreve bem essa gente toda que é dr, pós-graduada, graduanda et cum pagnis. Estou impressionado com a qualidade desse curso aí! Altamente vendável! Vou me matricular já na USJ!

Anônimo disse...

Não se sabe se é verdade, ela citou os alunos Leonardo q é 6 fase e Suelen q é 8 fase, mas não se sabe se ele deu cartao de instituiçao como ela falou e se os dois realmente procuraram ela na semana passada. Taalvez eles nem saibam q estao sendo envolvidos.

Anônimo disse...

O que esse idiota que começou tudo isso não entende é:

*FAZENDO ISSO ESTÁ ENVOLVENDO O NOME DA INSTITUIÇÃO USJ.
*Pode estar acabando com a carreira de um profissional.

Deve ser repetente da matéria e não se conforma em não ter a capacidade de desenvolver algo que seja útil ou não quer ter o trabalho de desenvolver o produto.

Anderson disse...

Concordo plenamente com o comentário do Marcelo!
Não precisa ser de ADM pra saber que essa palhaçada toda leva junto o nome da instituição.

Anônimo disse...

VOU SER BEM DIRETO!!!!

Sou aluno da USJ. No geral a universidade é muito boa. O curso que faço é ADM.
E para mim o problema não é a professora, e sim o coordenador de curso.
Tudo o que o Sr. Gilson Karkotli não poderia ser é coordenador de curso, muito menos de ADM.
Em seu histórico existe uma universidade que faliu devido a seu ótimo método de gestão.
Existe também um caso de uma empresa muito boa que quase faliu devido a sua gestão como administrador.
A empresa não faliu porque o dono demitiu o Sr. Gilson após perceber que sua maneira de Administrar estava levando a empresa para o buraco e causando uma desunião da equipe.
Talvez nos focalizando apenas na professora estamos colocando o Machado no galho e não na raiz do problema. Talvez com outro coordenador uma atitude já teria sido tomada. Na minha opinião ou o coordenador não tem bolas para tomar uma atitude ou também esta envolvido no esquema. Acredito que o negocio é procurar ajuda fora da USJ. A Atitude do coordenador é totalmente estúpida. Que palhaçada é essa de formal e informal, protocolo e o escambal. Para começar aprendemos na Administração que muita burocracia deixa qualquer empresa engessada. Segundo, o email é um meio formal de comunicação. Essa atitude esta parecendo a do diretor do filme mentes perigosas, que mandou um aluno embora de sua sala porque não bateu na porta. Por causa disso o aluno foi morto naquele dia. Outro ponto é sobre a imagem da USJ. Querem botar a culpa nos alunos, porém se o coordenador tivesse tomado uma atitude antes isso não teria acontecido. É claro que os alunos querem que a universidade tenha uma boa imagem, mas por ser boa. De que adianta ter uma boa imagem e ser podre por dentro? Acho que alguém tem que ensinar ao Sr. Karkotli a diferença entre reputação e caráter. Entre reputação e caráter o mais importante é o caráter. Pois a reputação é oque falam de você. Mas o caráter é oque você é. E o mesmo principio se aplica a instituições. Qual é o caráter da USJ hoje? E do curso de ADM? Os alunos tem toda a razão de tomar uma atitude. Pois esta certo buscar seus direitos. E nunca se esta errado quando se faz oque é certo. Não vamos engolir algo que não esta certo como se estivesse. Se o Cordenador acha que a USJ já foi prejudicada de mais, que tome uma atitude logo. Pois se eu tiver que tomar uma atitude não vai ser bom. Vou jogar bosta no ventilador e os alunos, a universidade, e principalmente o cordenador vão sair prejudicados. Se isso é uma ameaça ao Cordenador do curso de ADM da USJ caso não tome uma Atitude? Com certeza!!!
E para provar que tudo que disse até agora não é apenas especulação darei a uma previa para fundamentar minhas palavras. A empresa que Citei no inicio do texto no qual o Sr. Gilson foi demitido é uma empresa muito boa. Seu nome é Editora Conceito. Quem quiser conferir é só ligar para a empresa e perguntar a pessoa certa lá dentro. Não quero prejudicar ninguém, mas a partir do momento que ver que a coisa não foi resolvida de forma mais pacifica vou botar fogo no Circo. E ninguém vai sair ganhando com isso.
Espero que este texto seja o suficiente para fazer nosso Cordenador refletir. Caso ele queria algo mais formalizado é só me avisar por este blog ou email para os alunos que pedirei a meu advogado que providencie e lhe entregue pessoalmente. Tenha sabedoria Sr. Cordenador, pois parece que alunos Não faltam para montar uma ação conjunta. E o Sr. Que se diz advogado sabe muito bem até onde isso tudo pode chegar.

Willian Santos disse...

Caro Sr. Sérgio Rubim, com todo respeito a sua pessoa, vejo que infelizmente o tipo de serviço prestado por você com este presente blog não merece nenhum tipo de credibilidade, pois não há comprometimento com a verdade, não sei qual sua formação, se é de fato acadêmica ou não, bem, isso não importa, o que é notório é que se trata de mais um "engraçadinho" tentando chamar atenção e causar polêmica em um país cuja prática é tão apreciada quanto o futebol ou algum reality show idiota. A grande verdade é que infelizmente você deve desconhecer elemento importante inerente a sua profissão, algo que muitos jornalistas conhecem como: CÓDIGO DE ÉTICA. Obviamente, não estou aqui a ensiná-lo a fazer seu trabalho (mas caso queira, posso lhe indicar algumas pessoas que prestarão tal serviço com muita alegria), mas estou aqui para falar de algo que, obviamente não é correto e não pode continuar da maneira como se tem dado, ou seja, há sim um problema didático que precisa necessariamente ser revisto e corrigido, mas denegrir a imagem de uma cidadã, profissional e professora é algo muito mais sério, principalmente pelo fato das fontes utilizadas na informação não serem fidedignas e o modo como esta foi direcionada, o que claramente atesta a falta de comprometimento com a verdade por parte do Sr. Sérgio Rubim, o que é previsto no Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, cujo Artigo 4º do Capítulo II é bem direto: "O compromisso fundamental do jornalista é com a verdade no relato dos fatos, deve pautar seu trabalho na precisa apuração dos acontecimentos e na sua correta divulgação."

O que foi postado pelo Coordenador de Curso de Administração da USJ está perfeitamente correto, afinal não somos um "bando de desinformados e anti-sociais que não sabem se portar em um ambiente social, seja este acadêmico ou profissional", há caminhos e protocolos que devem sim serem seguidos e, não é jogando uma informação deturpada em um blog sem credibilidade que se faz uma sociedade melhor, não, nós realmente não precisamos desse tipo de atitude dentro de um ambiente cuja ética e ordem são elementos preponderantes para a construção de uma sociedade que sabe se portar, opinar e expressar suas opiniões e indignações de maneira ética e fundamentada.

Aos "PALHAÇOS" que tiveram a brilhante ideia de tomar tal atitude, o que tenho a lhes dizer é: Vocês não merecem o curso que fazem, são irresponsáveis, tanto como cidadãos, como acadêmicos. Se empreendessem toda essa vontade de fazer justiça em algo realmente útil e benéfico para todos, com toda certeza, seria de melhor proveito a todos. Infelizmente essas "crianças mimadas" fazem da imagem dos docentes e dicentes da USJ um "bando de trouxas".

Contudo, espero que a postura desses que tiveram tal ação seja revista, e possam apreender a serem agentes a favor da mudança e, não da bagunça e desordem e, claro, responsabilidade é algo muito importante, cultivem isso.

Ao Sr. Sérgio Rubim, bom... sem mais comentários, você é apenas incompetente como jornalista e deveria rever seu modo de trabalho, se é que o posso chamá-lo de tal maneira.

Tiago disse...

Caro colega MARCELO LENBRUGER,

Concordo com sua opinião em dizer que o correto seria solucionar este problema com a Universidade, porém posso apenas dizer que de minha parte eu tentei fazer isso e não obtive sucesso. Em sala, quando passado esse trabalho tentamos mostrar para a professora que não estava correto dar a nota pelo lucro, ela disse que o roteiro era aquele e não teria como mudar. A turma tentou diversas vezes entrar em acordo com ela mas nenhum pedido de mudança no roteiro foi aceito. Nem o pedido de fazer o trabalho em dupla ela aceitou.
Visto que o diálogo com a professora não teve resultado, eu como acadêmico cursando produção, decidi tentar fazer a minha parte encaminhando aos responsáveis pelo atendimento ao acadêmico o e-mail que a professora nos enviou com o roteiro de minha turma. Pois bem, eu não tive resposta até hoje. A mim veio resposta somente após a publicação da matéria neste blog, resposta essa que o Coordenador Sr. Karkotli enviou a todos os acadêmicos nessa semana.
O que quero explicar com esse comentário é que, conheço outros colegas que tentaram solucionar esse problema com a Universidade não tiveram o retorno esperado, portanto por esse motivo acredito que alguns alunos tenham decidido buscar ajuda nos meios de comunicação abertos a comunidade, meio este que não considero correto, no entanto parece que foi o único que funcionou. Acredito também que a intenção não era prejudicar a professora e que isso pode não ter sido pensado, mas que foi o caminho que encontraram num momento de "desespero", por se verem obrigados a cumprir uma séria de exigencias absurdas.

Acredito também que os alunos de turmas passadas, nunca tentaram resolver isso pelo fato de estarem expostos e por medo de serem "perseguidos" ou ficar "queimado" com a professora, já que teremos ainda produção II com ela e banca de TCC. Conheço muitos que preferiram pagar para não se incomodar com ela depois.
Quanto a Coordenação mesmo após o caso vir a público eles não solucionaram, pediram aos alunos para conversar com ela, o que mais uma vez mostrou que os meios que os acadêmicos tem para solicitar mudanças infelizmente não funcionam.
Os alunos então tentaram conversar com ela após essa confusão toda e ela não aceitou retirar a obrigação da entrega do lucro total e do produto.
O que relato é, muitos como eu (quero deixar claro que não concordo com isso), acharam errada a forma como foi exposta a público esse caso, porém o que vemos hoje é que realmente a Universidade não funcionou ao tentar solucionar o problema com eles.
Dessa forma, acredito que infelizmente isso (talvez) será resolvido porque virou um escandalo.

Anônimo disse...

No semestre passado a dupla que teve a maior nota (8,5) cumpriu todos os ítens, sinal de que nem você dando o lucro todo e vendendo a quantia estipulada, você tem a garantia de que terá uma nota alta ou que cumprindo todos os ítens tirará 10.

Anônimo disse...

Se ela prezasse tanto a carreira dela, não estaria obrigando os alunos a trabalharem para dar o lucro para ela fazer caridade.

Vocês só estão preocupados com o nome da Instituição porque acreditam que isso poderá acabar com ela, mas não percebem que se isso não for resolvido a cada semestre o lucro terá aumentos absurdos. Qualquer dia estará mais barato estudar numa universidade paga do que na USJ se depender dessa matéria de produção.

E a maioria que está tomando as dores, é de outro curso, então pensem se vocês tirariam grana do bolso de vocês para ir para só deus sabe onde.

Anônimo disse...

Perfeito meu caro(a) amigo(a), PERFEITO!!!!
Mas será que nosso ADEvogado irá se manifestar?rsrs.. Abraços

Anônimo disse...

ESSE E-MAIL TEM O PERFIL DO KARKOTLI !!!

Sabrina Almeida disse...

ESTOU DE SACO CHEIO JÁ !!

VAMOS COMEÇAR RESOLVER ALGUMA COISA DR. KARKOTLI !!

QUE VERGONHEIRA ISSO TUDO!!!

Anônimo disse...

Se a informação é deturpada e sem comprometimento com a verdade, porque todos estão interessados em comentar sobre ela? Se não fosse do interesse de todos seria melhor ignorar, quem comenta nos bastidores é que causa a maior polêmica.

Polêmicas são geradas por comentários e não por matérias. As matérias dão a informação, quem vai criando a polêmica são as próprias pessoas, que espalham a informação por ai.

Você sabe muito bem que a informação não está deturpada, você cursou essa matéria em 2011/1 não é mesmo? Faz parte dos alunos que não sabem se ocorreu doação e para onde. Então será que a sua própria postura não deveria ser revista? Afinal, você também está faltando com a verdade.

Muitos estão querendo fazer média em cima desse assunto, é FATO !!

Anônimo disse...

De todos os comentários foi o mais relevante. É notório que o problema do curso de ADM está no Coordenador. Esse não é o único problema que pode ser encontrado hoje no curso, muitos precisam ser mudados e não são pela falta de ação da Coordenação. Parece que estão querendo ver o circo pegar fogo, para então resolver algo.

Se fala na imagem da USJ, mas será que nada é feito por que querem justamente isso, que a imagem seja sujada? Vamos refletir...

Anônimo disse...

Todos nós que pagamos impostos em dia estamos de SACO CHEIO com essa situação.
Parece que não há interesse em resolver coisa alguma.
Onde estão nossos Vereadores, Deputados, Prefeito, Reitor, Vice-Reitor, Candidatos aos cargos políticos das próximas eleições? Não tem um que de apoio aos alunos injustiçados? O que foi denunciado aqui é indiscutívelmente um abuso contra os alunos. Tudo está muito claro. O próprio documento da professora é uma vergonha. Qualquer um que lê aquilo pode sentir o tom de ameaça dela.
Depois de tudo isso ela ainda tem a cara de pau de chorar, admitir que ficou com o dinheiro dos alunos, que foram forçados a entregarem à ela e ainda pior, continuar com a fixação em prosseguir com o mesmo procedimento ANTIDIDÁTICO,ILEGAL, IMORAL E INACEITÁVEL.
Como diz o Salum tá com pena? leva pra casa. Quando ela obrigou os alunos a darem dinheiro à ela, ela não chorou, ao contrário ria de felicidade em colocar a mão na grana do alheio. Não pensou na vida profissional dela.
E mais, não foi dar aulas aos alunos nesta segunda-feira e simplesmente envia EXERCÍCIOS por e-mail... pq? quer que esqueçam o caso? quer deixar morrer o assunto? Não vai encarar os alunos e resolver?
Recebe salário e não vai trabalhar? Meu dinheiro pago para impostos não é pra isso não. Não é pra pagar professor pra ficar dando instruções aos alunos por e-mail.
Senhores Dirigentes da USJ não estão vendo isso não?
O POVO que paga impostos quer uma resposta.

Anônimo disse...

O causidico referido acima encontrou uma forma mais honesta e sabia de solucionar tal problema, na data de ontem, circulou uma conversa "informal" com os alunos ventilada por email a respeito de uma situação em que alunas seriam processadas por caluniar um professor. O que ele esqueceu foi que nesse caso a respeitável e nobre professora de punho enviou um email colocando-se nessa infeliz situação. Ninguem está inventando nada. A professora que fala no email que 50% da nota está vinculada ao trabalho, isto é invenção? É calúnia? É difamação? Pobres alunos, cursam uma faculdade séria, com ensino de qualidade, municipal e tem que pagar para obter 50% da nota e além do mais ainda são ameaçados pela coordenadoria do curso que se levarem adiante, que se continuarem a correr atrás de seus direitos serão punidos. Ela deveria indenizar cada aluno pela situação constrangedora que está causando. E agora se preocupam com a imagem da professora? Se alguns se preocupassem tanto com a imagem da USJ no mínimo teria vergonha na cara de estudar lá tendo professores com tal caráter. Se vcs alunos, querem ensino de qualidade, faculdade com boa imagem, ajudem a limpar o quadro de mestres que vcs tem. Pq professor que toma uma atitude dessa, acobertado por um coordenador desse, só suja a imagem de quem se forma lá. O CAAD USJ deveria também tomar uma atitude séria e exigir dirigentes e mestres decentes.
Espero que vcs alunos que se dizem tão esclarecidos lendo clássicos, abram os olhosd ao que está acontecendo e se unam para ter o ensino que merecem. Ou vão continuar sendo humilhados, usurpados e ameaçados...