quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Comunidade rejeita ampliação de esgoto

Audiência pede que a Casan suspenda obra de ampliação da ETE Canasvieras 
   Por Celso Martins
 
Polícia Federal abre inquérito para apurar crimes ambientais da Casan

    O sistema de coleta e tratamento de esgoto de Canasvieiras começou em 1995. Desde então, os problemas com a balneabilidade têm aumentado a cada ano. A situação chegou a tal ponto que na última temporada a famosa praia teve apenas sete dias própria para o banho. Nos dias restantes esteve imprópria.

    Este quadro foi traçado pelo representante da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (ACIF), Ricardo Sempre Bom, com base em dados da Fatma, durante a audiência pública da Assembléia Legislativa catarinense realizada na noite desta terça-feira (7.8), na sede social do Avante em Santo Antônio de Lisboa.
    “Saneamento é resultado”, destacou Sempre Bom. “E se isso não está acontecendo, como se vai aumentar a capacidade da ETE Canasvieiras com esta situação”, indagou. Mas ele não foi o único a mostrar o risco da ampliação da unidade, cujas obras estão em andamento. Saiba mais. Beba na fonte.

Um comentário:

Lucio disse...

A visão do advogado sócio ambientalista Edison da Silva Jardim coloca a tona e com muita propriedade o que muitas gente quer falar, tocar neste assunto e não tem coragem de expor.
O conteudo deste artigo, é extremamente realista no contexto do que um orgão e mais orgãos públicos que deveriam defender os interesses público e da coletividade e neste caso como destaca o advogado Edison o da Ponta do Coral é revelador e exemplar da maracutaia desde a venda da área, que era de fato pública em 1980 pelo governo do estado e que vem até os dias de hoje na mesma linha. Só que agora encontrou uma resistencia, e como bem salienta o autor deste artigo, é e há tempo de corrigir, bastando o poder público estadual agir com DIGNIDADE DEVOLVENDO ESTA NOBRE PONTA DO CORAL A CIDADE E AO SEU CIDADÃOS. Lúcio.