domingo, 2 de dezembro de 2012

Congresso Estadual de Magistrados

Comunicação eficiente e atuação firme vão ajudar o Poder Judiciário a resgatar sua credibilidade perante a sociedade, apontam especialistas no Congresso Estadual de Magistrados

Julgamento do mensalão foi apontado como um dos exemplos positivos de relacionamento da Justiça com a opinião pública
   
   Especialistas reunidos neste final de semana, no hotel Plaza Itapema, durante o Congresso Estadual de Magistrados, promovido pela Associação dos Magistrados Catarinenses (AMC), destacaram que a combinação entre comunicação eficiente, atuação firme contra a impunidade e proteção dos direitos do cidadão são as grandes chaves para resgatar a credibilidade do Poder Judiciário perante a opinião pública. Entre as novidades, uma pesquisa apresentada em primeira mão pelo cientista político Antônio Lavareda sobre o alto de grau de satisfação da sociedade com a atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) e o nível de aceitação a respeito de uma possível candidatura do ministro Joaquim Barbosa à presidência da República.
   O evento teve início na noite de sexta-feira, com palestra da ministra Fátima Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Antes, o presidente da AMC, juiz Sérgio Luiz Junkes, falou da importância do evento, justamente por tratar das intersecções entre Justiça e Sociedade, com enfoque na compreensão e aprimoramento deste relacionamento, tais como “Ativismo Judicial”; “Aprimoramento das relações entre Imprensa e Judiciário para o fortalecimento da cidadania”; e “os desafios advindos do relacionamento entre Justiça e Sociedade e a percepção desta em relação à Justiça”.
   De acordo com o presidente, a escolha dos temas levou em consideração o destaque nos meios de comunicação e a repercussão social que tiveram alguns julgamentos, principalmente os realizados pelo Supremo Tribunal Federal em âmbito nacional, como foi o caso do mensalão, que colocaram o Poder Judiciário no centro do debate. “Tão importante quanto dotarmos nossos juízes de conhecimentos técnicos é oferecer a eles a possibilidade de compreender quais são as imagens sociais construídas sobre a Justiça e a figura do juiz, e entender como uma comunicação mais transparente e efetiva pode ser benéfica para o entendimento entre Judiciário e Sociedade”, assinalou.
Jornalista Fabrício Severino
Assessor de Imprensa 

Um comentário:

Anônimo disse...

Mas este não é daqueles Congressos regados a muito luxo e bebidas importadas não é?

Não é uma Congresso bancado por grandes empresas e bancos, seria?

Pois tem uns congressinhos que acabam tumultuando os neuronios de alguns magistrados!

Muita facilidade e comida a vontade!