sábado, 1 de dezembro de 2012

Sem políticos...

   Por Marcos Bayer
   O prefeito eleito da capital, César Souza Junior, vinha muito bem enquanto calado...   
   Aí declarou que na sua administração não haverá políticos. Só técnicos - gente focada - explicou ele.   
   É compreensível a ojeriza do jovem prefeito pela classe política. A sua classe, aliás.   
   Primeiro não viveu momentos da grandeza política de Santa Catarina.
   Talvez pouco se interesse sobre a política mundial. Ao invés da Disneylândia poderia ter ido a Westminster. Só para visitar...
   Segundo, ele é fruto de uma escola de animadores de auditório de televisão, onde a desgraça humana era amainada por pernas de prótese ou cadeiras de rodas em frente à sofrida, explorada e enganada população catarinense. Um gesto até compreensível, não fossem os carnets de pagamento da felicidade da casa própria, no melhor estilo Silvio Santos.   
   A política, na sua cabeça, deve ser uma atividade muito estranha... Quase perdulária.   
   Depois como secretário de turismo, esporte e cultura, passou a ser um liberador de verbas governamentais para eventos variados... Aí teve outro choque: liberar dinheiro em troca do que?   
    Pegou um rabo de foguete de seu antecessor, foi obrigado a terminar obras de estruturas duvidosas e entregou ao povo um complexo cultural pra lá de superfaturado. De novo, assustou-se com a política...
   Depois, como tem curso superior, pensou: meu partido é o PSD, que foi DEM, que foi PFL, que foi PDS, que foi Arena, que foi UDN...
   
   Agora, vamos apoiar a Dilma do PT. Fomos criados para isto...
   Aí, o prefeito pira com a política e tenta se afastar dela e dos políticos.
   Seria mais produtivo, correto e saneador, considerando sua juventude, dizer: Vou me cercar de bons políticos e restaurar a política...   
   Seu primeiro teste, técnico e focado, será a Ponta do Coral.
   A escolha entre um Parque da Cidade ou um aterro que será doado aos proprietários para a construção de um hotel. Um presente da prefeitura que valerá R$ 70 milhões em terra nova ou acréscimos de marinha.   Nesta decisão saberemos se a cidade tem um político à sua altura ou apenas o tecnocrata focado nos interesses privados de terceiros...

13 comentários:

gafanhoto disse...

espero que eu não me arrependa do meu voto...vou cobrar!

Anônimo disse...

Discordo completamente do autor.
Para mim, lugar de político é na assembléia, câmara e senado. Pode sentar-se na cadeira de prefeito, governador etc.
Para administrar as secretarias e compor as diretorias de todos os órgãos públicos deve-se garantir a competência técnica. Atributo dos profissionais de áreas afins.
Se for para encabidar políticos de 1ª, 2ª, 3ª, vai se esperar o quê além do notório fisiologismo e a busca de interesses partidários - que geralmente nada tem que ver com os interesses da população que paga os seus salários.
Se político fosse bom administrador, as empresas os contratariam para os seus cargos de gestão. Mas não é assim, né.
Ainda sobre a nota, a "sofrida, explorada e enganada população catarinense", recorreu ao programa do Cesar pai como último recurso - e recebeu a ajuda há muito desejada, já que a máquina pública, inchada e totalmente corroída pelos cupins do momento não possui competência e capacidade para atender aos seus apelos.
Afirmo que o novo prefeito vai de encontro aos anseios dos florianopolitanos. Ele não precisa agradar nem mesmo aos vereadores, fazer a maioria, como sempre se compra, digo, busca. A última eleição já mostrou que o que ele precisa fazer é mandar bons projetos e dar visibilidade a eles para que os eleitores cobrem dos vereadores o voto favorável aos interesses da cidade. Só precisa de maioria quem quer empurrar projetos cujos interesses não se pode nominar.
O povo já mostrou que está informado. A TV já não é o grande fazedor de cabeças de antigamente. Temos a WEB. E se o vereador, qualquer um, fizer merda, vai se juntar aos outros já mandados para a lixeira da história política de Florianópolis.
Sorte ao novo prefeito! Precisamos.

Anônimo disse...

O que o novo prefeito deveria fazer é cobrar do novo secretário de estado do turismo alguma atitude a respeito do monstrengo do norte da ilha, já que o secretário antigo não fez nada...

Mané Estrangeiro disse...

O prefeito eleito vinha muito bem enquanto calado. Aí declarou que na sua administração não haverá políticos, só técnicos, e assim vem melhor ainda Sr. Bayer.
Até parece que Sr. esqueceu os males que as constantes farras dos políticos tem feito às administrações públicas. Nao quer dizer que político nao sirva pra nada (embora os exemplos de politicos decentes sejam raríssimos), mas o Sr. Berger ainda está aí como belo exemplo de "administração política". Até parece que o Sr. já está sentindo saudade...
Fiquei surpreso com sua posição. E concordo plenamente com o anônimo das 23:56 aí acima.

Anônimo disse...

E ainda pega no pé do cara porque levou a filha prá Disney. Tem cada um...

JORGE LOEFFLER .'. disse...

Qual técnico ou não que não é político? Podem ser apartidários, mas políticos são todos os seres humanos enquanto vivos. Convém que esse Prefeito deixe de assistir o lixo que a rede bunda suja joga nos lares tanto aí quanto aqui no Rio Grande do Sul e leia um pouco sobre antropologia para não voltar a dizer uma besteira de tal dimensão.

Marisa disse...

A julgar pelo que fez como Secretário de Estado teremos uma prefeitura que será a continuidade do atual.
As cabeças que o cercam são de pessoas de duvidosa racinalidade e de conhecido mau carátismo, nada tem a oferecer à cidade do que mais do mesmo que ai está.
Diria para esperarem Nada, pois que é isso que teremos.

Anônimo disse...

Por isso entendo cada vez mais a opção do Muska! Não há mais "saídas"!

BV

Márcia disse...

Acho que o Jr. ainda não tem idéia do que seja administrar uma cidade onde quem manda é os empresários (de fora) e a RBS.
Veja bem segundo,entrevista do prefeito eleito, o hotem empreendimento da Ponta do Coral, Não será aprovado se não mudar o projeto, ou seja será aprovada com certeza!

Rodrigo Freitas disse...

Marcos, a cidade não é só a Ponta do Coral. Seu tamanho representa 0,30% de Floripa. Porque você não um texto cobrando algo para a saúde, educação ou segurança ??

Anônimo disse...

O Marcos está cada vez melhor; a pena afiada, lisa e certeira. E o pior é que é tudo verdade.

Roberto Scalabrin disse...

Concordo com o anônimo lá de cima. Lugar de político é no plenário da câmara. Chega desta história do Prefeito ficar refém dos vereadores.

Anônimo disse...

Rodrigo Freitas: A Ponta do Coral será significativa. Mostrará como é o jogo. Saúde, Educação e Segurança são óbvios. Basta contratar, treinar e remunerar adequadamente. O que não pode é deixar os pit boys na posição de xerifes...

Marcos Bayer.