terça-feira, 4 de junho de 2013

Ex-agente da CIA seria o assassino de Neruda

    Chilenos têm suspeitos da morte de Pablo Neruda
O médico Sergio Draper, residente da clínica,
 e que esteve com Neruda momentos antes de sua morte,
 também menciona Townley (direita)
   Do Jornal GGN
Um misterioso personagem identficado como “Dr. Price” acompanhou, no dia 23 de setembro de 1973, o poeta chileno Pablo Neruda nos seus últimos momentos de vida, e aplicou uma injeção no estômago do vencedor do Prêmio Nobel de Literatura poucas horas antes da sua morte.   Essa injeção, segundo a imprensa noticiou na época, produziu uma parada cardíaca que levou Neruda à morte. O certificado de óbito, no entanto, afirma que a causa da morte foi um coma ocasionado pelo câncer de próstata que acometia o poeta, mas que estava sendo tratado.
   De acordo com o testemunho de enfermeiras e médicos que atenderam Neruda, o “Dr. Price” era um homem loiro, olhos azuis, com 1,80 metros de altura e, naquela época, aparentava ter de 27 a 30 anos.
   O tema voltou a ser analisado pela justiça chilena a pedido de Manuel Araya, ex-motorista de Neruda, e que entrou na justiça pedindo esclarecimentos sobre essa morte. A ação motivou a exumação do corpo no poeta. Na semana passada, pela primeira vez chegou-se a uma possível identificação do "Dr. Price" a partir de um retrato falado elaborada com ajuda dos testemunhos dos envolvidos à época. Michael Townley e Hartmut Hopp então foram identificados por Araya como os suspeitos mais prováveis de se aplicar a injeção em Neruda.
   Michael Townley, é um ex-agente da CIA que trabalhou com os serviços de repressão do Chile durante a ditadura militar. Townley foi condenado nos EUA pela morte do ex-chanceler do governo de Salvador Allende, Orlando Letelier, e de sua ajudante, Ronni Moffitt, em um atentado a bomba em Washingtong. O norte-americano confessou também à corte dos EUA que foi quem construiu, instalou e detonou a bomba que matou o general chileno Carlos Prats, ex-comandante do Exército do Chile, e sua esposa, na Argentina em setembro de 74. Michael Townley fez um acordo pela morte de Letelier e vive hoje sob o programa de proteção a testemunhas nos EUA. 
Hartmut Hopp

   Outro dos suspeitos de terem aplicado a injeção suspeita em Neruda é o médico alemão Hartmut Hopp. Condenado no Chile por crimes contra os Direitos Humanos em uma colônia alemã chamada Colonia Dignidad.
   As ligações dele com a ditadura foram reconhecidas por Townley, que declarou que lá era produzido o gás sarín utilizado para assassinar opositores à ditadura chilena durante o regime militar no chamado Projeto Andrea.
   Hopp fugiu da justiça chilena em 2011 e desde então vive em Krefeld (oeste de Alemanha), protegido pela legislação alemã que não permite sua extradição.

Nenhum comentário: