quinta-feira, 8 de agosto de 2013

É sempre tempo


   Por Jaison Barreto
   A recuperação da cantora Beth Carvalho me levou a adiar o prometido, escrever sobre J.G. de Araújo Jorge. Foi merecida a homenagem prestada pelo Fantástico a uma das melhores figuras humanas que eu tive a honra de conhecer e admirar.
   É um dever de cada um de nós, dar a dimensão toda das personalidades que, seja na vida pessoal, na música, nas artes, no exercício da cidadania, ajudaram este país a ser melhor.
   Beth Carvalho foi uma delas.
   Em 1982, seu hino à rebeldia foi a música que usamos na campanha: “TA NA HORA DA VIRADA”.
   O movimento das ruas de hoje, tem o mesmo significado: mudanças verdadeiras acima, por fora e por dentro dos partidos políticos e da administração pública.
   Beth Carvalho, com todo respeito, não era marqueteira, nem mercenária.
   Sonhou como eu sei sonha ainda, que cantando e poetando nós todos podemos prestar serviços.
   Recuperada de tanto sofrimento pelo qual passou, merece um abraço amigo, simplório mas verdadeiro de quem aprendeu com ela, exemplos de dignidade e de bem servir.
   Minha homenagem simples se traduz na publicação do “TA NA HORA DA VIRADA”, e na letra poética de Arlindo Cruz, Sombra e Sombrinha, “AINDA É TEMPO DE SER FELIZ”.

Vamos lá rapaziada,
Saudações democráticas,
TA NA HORA DA VIRADA
O que adianta eu trabalhar demais, se o que eu ganho é pouco,
se cada dia eu vou mais pra trás, nessa vida levando soco,
e quem tem muito tá querendo mais, e quem não tem tá no sufoco,
vamos lá rapaziada, tá na hora da virada vamos dar o troco.
Vamos botar lenha nesse fogo, vamos virar esse jogo que é jogo de carta marcada
o nosso time não está no degredo vamos à luta sem medo que é hora do tudo ou nada.

AINDA É TEMPO DE SER FELIZ
Me cansei de ficar mudo
Sem tentar
Sem falar
Mas não posso deixar tudo
Como está
Como está, você?


Tô vivendo por viver
Tô cansada de chorar
Não sei mais o que fazer
Você tem que me ajudar
Tá difícil esquecer
Impossível não lembrar você
E você, como está?
Com o fim do nosso amor

Eu também tô por aí
Eu não sei pra onde eu vou
Quantas noites sem dormir
Alivia a minha dor
E me faça, por favor
Sorrir

Vem pros meus braços
Meu amor, meu acalanto
Leva esse pranto pra bem longe
de nós dois
Não deixe nada pra depois
É a saudade que me diz
Que ainda é tempo pra viver feliz

Nenhum comentário: