segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Uma Roma planetária


   Por Marcos Bayer

   Dois mil e quinhentos anos, pelo menos, e ela está lá. Centro do mundo num momento, berço do Senado, do Direito e de outros monumentos. Os cristãos inauguram um movimento, cuja pedra Mater, a Igreja, põe em funcionamento símbolos/entidades e define, politicamente, teorias e regras para seus seguidores.
   Uma Roma politeísta forjada sobre várias civilizações também politeístas, inundadas de espíritos, de Fobus a Junos, é surpreendida por uma nova voz que diz: Um Pai Criador, um Filho Sofredor e um Espírito Santo, formando a Santíssima Trindade. Um único espírito. A Santa Igreja estabelece o Criador sobre o qual pouco se sabe – a origem do Universo – estabelece um Sofredor Homem nosso semelhante, como exemplo de resistência e resignação, e um único Espírito, o Santo. Todos os outros foram capturados neste.
   Gladiadores de tórax musculosos são substituídos pelos atletas de academias multifuncionais, silicone moldando corpos, botox aumentando formas faciais. É a ciência, a tecnologia, é a busca da perfeição divina pela raça humana, “uma semana do trabalho de Deus” como cantou Gilberto Gil.
   A Igreja e seus Concílios definem, periodicamente, rumos e estratégias políticas.
   Só homens serão admitidos no clero. Haverá celibato. Assim fica resolvido o problema da procriação e da sucessão patrimonial. Mas, em razão disto, a homoafetividade se alastra. Cria embaraços globais. O Papa Francisco, elegante e carismático, diz que não é ele quem deve julgar tal comportamento. Nas entrelinhas, a Igreja aceitará mais este conflito cultural do comportamento humano.
   Por acaso, a Rede Globo, uma das maiores emissoras de televisão neste pequeno mundo, expõe e aceita os dramas do personagem Félix, membro da classe alta brasileira.
   Guerras Púnicas, conquistas em quase todo território europeu. Britania, Ibéria e Egito. A Pax Romana.
   A Primeira e a Segunda Guerra Mundiais. Nagasaki e Hiroshima. Afeganistão e Iraque. A Pax Americana.
   Bigas e cavalos potentes para tanques e aviões surpreendentes.
   Do latim para o inglês.
   Animula vagula blandula de Adriano (pequena alma terna flutuante).
   Stairway to heaven do Led Zeppelin – Oh, it makes me wonder.
   Oh, it makes me wonder…


Nenhum comentário: