sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Empresa de comunicação lança o TravecCheck

  Maior empresa de comunicação do sul do país lança o TravecCheck para seus funcionários. O lançamento será neste final de semana durante a Parada da Diversidade que acontece em Florianópolis.
   
Imprensa local investe
em mercado promissor
   A inclusão do benefício deve-se ao lamentável fato ocorrido no dia de ontem quando um jornalista, funcionário do grupo, acabou na 1ºDP da Capital aos tapas, sem beijos, com o conhecido travesti "Laika", que trabalha na Pça. Celso Ramos na Beira Mar Norte.
   O quebra-quebra e bate-boca aconteceu na madrugada de quinta-feira porque o jornalista se recusou a pagar os serviços prestados pelo(a) profissional. O gritedo foi tanto que acordou os moradores da região que acionaram imediatamente a polícia. 
   Com a grande publicidade do grupo jornalístico sobre Florianópolis como o principal destino LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros) do país, a empresa está preocupada com a relação de seus funcionários com este mercado que cresce a cada ano. Por isso está, através da sua Fundação, implantando um curso de bom relacionamento e cumprimento de compromissos pecuniários para seus funcionários. Afinal, dar calote em fornecedor não é uma coisa bem vista na sociedade. No caso da empresa jornalística, quando algum anunciante não paga o reclame publicado em jornais, TVs, rádios e outras mídias do grupo, o destino é a justiça. Cobrança judicial.
   No caso de "Laika", os meios de cobrança são um pouco diferentes, são feitos através das
Profisional investiu no produto
vias de fato. A vingança social se dá através de prejuízos materiais e físicos ao caloteiro com a quebra do automóvel e alguns tapas no jornalista. 

   Este blog, por uma questão de corporativismo, não vai publicar aqui o nome do colega jornalista mas deixa um conselho: Pague a Laika e outros traficantes do prazer que você usufruir. No caso da profissional podemos ver através das fotos publicadas em sites e jornais que ela fez um grande investimento no visual colocando silicone nos seios e outros babados mais. Portanto merece ser paga regiamente pelos serviços prestado.
   

2 comentários:

Anônimo disse...

Pô, Canga, achei que tu irias dar o furo nessa história... Revela o nome do sujeito! Mas, cá entre nós, furo mesmo quem deu foi o nobre coleguinha de hábitos pouco ortodoxos.

Anônimo disse...

Será que a culpa é daquela empresa de comunicação que remunera muito mal seus jornalistas. kkkk