sexta-feira, 20 de setembro de 2013

O Jogador...

  Este pequeno e divertido relato faço mais para meus dois parceiros de jogo. Sim, parceiros, eu os tenho. Não são adversário, são parceiros, jogam emparceirados comigo contra a "banca", sempre. A vida de jogador tem alguma indiosincrasias bem peculiares que, somentes os habitantes do "meio" conseguem perceber.
    Não é bem o caso do acontecido esta noite de sexta-feira no corredor do quarto andar do Sheraton Firenzi Hotel. De qualquer forma o relato é mais dirigido aos parceiros. Entenderão melhor e darão boas gargalhadas pois a situação é tão ridícula e engraçada que consegue reunir - em um pensamento rápido e descontrolado, indominado pelo vino - Aléxis Ivanovitch, personagem principal de Fiódor Dostoiévski em seu livro O Jogador, e uma máquina de água e refrigerante que o Sheraton disponibiliza em cada andar do prédio.
    Depois de uma viagem maravilhosa no trem rápido, Roma/Firenzi, cheguei ao hotel ladeado por uma autopista, nas cercanias de Florença. A primeira coisa que perguntei foi se existia, por ali, máquinas caça-níqueis. Diante da negativa, torci o nariz e subi ao quarto númeo 4074 (pavão na zooteca). 
   Enchi a banheira com água quente e mergulhei meus pés  massacrados de tantas andanças nos últimos dias em Roma. Claro que o bálsamo reparador foi acompanhado de um Santedame 2009, um Chianti Clássico. Vinho com a certificação do Galo Nero, como aconselha meu sogro, mestre dos vinhos, Walmor Belz.
   Vinho bom desce rápido. A água do frigobar escasseou e tive que recorrer àquela máquina caça-níquel, fria, de alumínio e vidro que poderia resolver o meu problema de haver ultrapassado o limiar de perda dos 0,5% do meu peso em água. É quando surge a sede.
    Me dirigi à máquina com várias moedas de 1 e 2 euros na mão. Queria resolver o problema e voltar rapidamente ao quarto. Como cada garrafa de água custava 1,5 euros, coloquei quatro moedas de 2 euros na máquina na esperança de conseguir 5 garrafas de água e receber troco de 33 cents.
    Engolidas as moedas, imediatamente a máquina começou a funcionar, emitiu uns ruidos estranhos, de máquinas, e devolveu apenas uma garrafa d'água! Fiquei esperando pelas outras quatro e, aí vem a parte interessante, não caiu mais nenhum. Em vez de garrafas a máquina começou a vomitar moedas, que caiam em quantidade e faziam aquele som clássico das maquinetas dos cassinos quando pagam um bom premio, o do níquel pesado batendo no alumínio fino. 
    Na hora encarnei Aléxis Ivanovitch no seu pensamento de atingir o objetivo final, quebrar a banca!
    Não era nada disso. A máquina aceita uma moeda de cada vez, engole moedas de 1 e 2 euros e devolve sempre em moedas de 25 cents, ou seja, a cada moeda de 2 euros, se ela fizer devolução, vai devolver quatro moedas de 25 cents. Foi isso que aconteceu. O barulho do níquel com o alumínio dava um sensação de quantidade e eu, por um momento, achei que estava diante de mais uma daquelas máquinas descontroladas que volta e meia aparecem nas nossas estradas.
   Não foi desta vez!

Nenhum comentário: