segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Paralisações são reação à nova licitação do transporte, diz prefeito Cesar Junior

Novo modelo, que será lançado na próxima segunda, vai ser mais rigoroso com sindicatos em defesa dos usuários
   
   O prefeito Cesar Souza Júnior afirmou na manhã desta segunda-feira que a onda de paralisações-relâmpago do transporte coletivo é “uma reação ao processo licitatório que vai gerir o serviço de ônibus na Capital”.
   “Vai haver uma mudança no paradigma que existe há 30 anos. É um modelo podre, que tem de ser completamente reformulado. Essa licitação vem para resolver em definitivo o problema do transporte coletivo, inclusive colocando limites à atuação irresponsável dos sindicatos. Vai ser dura em relação às paralisações”, disse.
   A nova licitação, segundo ele, vai ser apresentada na próxima segunda-feira, em audiência pública no Tribunal de Contas do Estado. Cesar Souza Júnior anunciou que a “paralisação ilegal” dos ônibus da Transol, na manhã desta segunda-feira, custaria à empresa 400 novas multas (além das 200 já aplicadas) por descumprimento de horário – multas essas impostas pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana – além de uma outra autuação, no valor de R$ 1 milhão, aplicada pelo Procon por descumprimento do serviço de transporte coletivo.
   “Como prefeito e como cidadão, estou revoltado com mais essa afronta. Estão brincando com a sociedade. Se tivéssemos autorizado o aumento da passagem, estaria todo mundo satisfeito. Tenho a consciência tranquila de que, como poder concedente, fiz o que estava ao meu alcance para tentar evitar que a população fosse prejudicada”, acrescentou.
   Em conversa por telefone com o prefeito, o promotor de Justiça informou que vai determinar a instauração de inquérito civil para investigar as paralisações relâmpagos, que já foram consideradas ilegais pelo Ministério Público do Trabalho.

Nenhum comentário: