sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

MEMÓRIA

      (Prosa Poética do Cotidiano)
                                  Por Emanuel Medeiros Vieira

                        “Querido Philip, uma alma muito, muito bonita.
 O barulho pode ser demais para os mais sensíveis entre nós”. 
(Jim Carrey, ator, sobre o também ator Philip Seymour Hoffman,
encontrado morto, aos 46 anos, em 2 de fevereiro de 2104)
                                 

                                  A memória me mantém à deriva?
                                  No epicentro do vulcão.
                                  Estou longe dessa “agitação”,
                                  Não são esses os meus “valores” (valores?).
                                  Para isso não fomos feitos.
                                  E ninguém vê (poucos enxergam?).     
                                  Ninguém?
                                  Rezar, lavar o rosto, escutar o canto de um pássaro, olhar a lua.
                                  Se for tudo magia, ainda valerá a pena.
                                  Valores? – indago novamente.       
                                  Todo mundo querendo ficar jovem o tempo todo.
                                  A vida mesmo fica longe disso tudo.
                                  Só agitação e individualismo?
                                  Sinto-me como um personagem de outra época –
                                  sobra arqueológica.
                                  (Não, não é autopiedade.)
                                  Os velhos descartados – como celular inútil.
                                  Mas um menino me contempla, olho o mar, lembro da mãe,
                                  pedaço de pão com gostinho de fraternidade, “eternidade” feita a
                                  cada dia – um dia igual e não igual, repetitivo e novo, e a outra
                                  margem do rio esperando-nos.
                                             
                                 E todos inelutavelmente finitos: os fúteis, os deslumbrados,
                                 os sábios.
                                 “Ela” estará sempre na soleira da porta.
                                 Enquanto dura: um boné, um cheiro de grama molhada,
                                 um menino correndo e sorrindo   –                
                                 esta vida, e vivê-la.
                                 (Brasília, fevereiro de 204)
                                
                                 
                                    
                        

                                   

Nenhum comentário: