segunda-feira, 23 de junho de 2014

"CONTESTADO: A Guerra Desconhecida"


                                                                                   
    O documentário “Contestado: A Guerra Desconhecida”, produzido em Santa Catarina na década de 80 e que ganhou o Prêmio Especial do Júri no 1º Festival Vídeo da Terra Unicamp/Mirad 1987, agora faz parte da Memória Inapagável do Acervo Videobrasil, o mais importante e duradouro festival de vídeo brasileiro.
   Para a produção catarinense de vídeo a escolha é representativa, pois apenas 18 trabalhos, de um acervo de 1.300 vídeos, foram escolhidos para fazer parte da Memória Inapagável dos 30 anos do Videobrasil. O documentário catarinense foi exibido na terceira edição do Festival, em 1985.
   “Contestado: A Guerra Desconhecida” foi produzido em 1984 e 1985 pela Irani Produções Ltda., produtora dos jornalistas Sérgio Rubim, Jurandir Camargo e Dario Prado Jr, equipe que foi acrescida de Enio Staub e Augusto Maria Sisson, experientes em cinema e vídeo. 
   Foram dois anos intensos de trabalho na região do Contestado, onde a equipe localizou e gravou depoimentos de sobreviventes da guerra que sacudiu o Sul do Brasil de 1912 a 1916, e causou mais de 20 mil mortes. 
   A produção também incluiu pesquisas em acervos particulares, fundações culturais, jornais da época, em bibliotecas do Paraná, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro; e na sede da antiga Lumber, em Três Barras, onde foram resgatados documentos orginais da maior madeireira da América Latina e principal estopim da Guerra do Contestato.
   O vídeo foi finalizado na BV Produtora, em São Paulo, e a trilha sonora produzida por consagrados músicos catarinenses como Luiz Meira, Jorge Ataíde, Masquinha, e Kaw Régis. 
   Agora, “Contestado: a Guerra Desconhecida” fará parte de projeto especial que integrará o circuito de exposições da 31 Bienal de São Paulo, de agosto a dezembro, e viajará em mostras itinerantes por vários países em 2015.
   Memória Inapagável Em 2013 o Videobrasil comemorou três décadas de história com a realização do 18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil.
   Nesses 30 anos reuniu um precioso acervo, uma ferramenta viva da trajetória do próprio Festival como da produção de artistas de diversas partes do mundo. Por esse motivo, este ano dá inicio a um projeto que acontecerá nos intervalos entre as edições do Festival, tendo como ponto de partida este grande universo de obras que compõem o Acervo Videobrasil.
   Este projeto consiste na realização de uma exposição especial a partir de uma nova proposta curatorial tendo como base o Acervo Videobrasil, convidando um curador de renome internacional e transformando-a em um projeto paralelo que integra o circuito de exposições ao redor da 31ª Bienal de São Paulo.
   Para essa ocasião, o curador convidado é o espanhol residente em Nova Iorque, Agustin Pérez Rubio, historiador, crítico de arte e curador. Diretor Artístico do Malba - Museu de Arte Latinoamericana de Buenos Aires, também foi diretor do Museo de Arte Contemporáneo de Castilla y León (MUSAC) até fevereiro de 2013. Graduado em História da Arte pela Universidade de Valência, Rubio, depois de uma longa investigação no acervo Videobrasil, propôs uma curadoria onde coloca em evidência os compromissos derivados dos estudos pós-coloniais na criação contemporânea. Faz uma primeira indagação sobre os aspectos relativos às ações oriundas do descobrimento da América e os conflitos que têm gerado em tantas regiões, tanto no Brasil como em outras. Toma a ideia do descobrimento como essa ação inicial aonde a violência do homem foi auto imposta para reger, governar e escravizar.
   A exposição, provisoriamente intitulada “Memórias Inapagáveis”, contará com 18 obras, entre vídeos e videoinstalações, que participaram da trajetória do festival. 
   O vídeo “Contestado, A Guerra Desconhecida”, produzido nos anos 1984 e 1985 por Irani Produções Ltda, de Florianópolis, foi selecionado como parte desta curadoria devido à sua pertinência ao tema e a sua relação com as demais obras participantes.
   Além da própria exposição montada no Galpão do SESC Pompéia, de agosto até dezembro de 2014, o projeto tem outra finalidade clara de ampliação do alcance e da difusão da produção artística em vídeo, e seguirá em itinerância para diversos países durante todo o ano de 2015, como Alemanha, Nigéria, Argentina, Senegal, entre outros.

   Leia mais sobre a A Guerra do Contestado AQUI. e no Jornal Bom Dia



Nenhum comentário: