sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O efeito Marina


   Por Leal Roubão*

   A entrada de Marina Silva no cenário garante duas coisas, de cara: Os Silva continuam representados na política nacional: Luiz Inácio da Silva, Arthur da Costa e Silva e a Marina Silva.
   Silva pode ser relativo a silvestre. As primeiras "encrencas" da nova composição da chapa do PSB são aceitáveis. Mudou a candidata, mudam os assessores mais próximos. Questão de confiança, apenas. Também, no fundo, o agronegócio, base da economia brasileira e fundamental para a alimentação dos sete bilhões de humanos. O que vamos assistir, se a Marina for bem sucedida nos debates é a plataforma alimentar que queremos no Brasil. Transformar florestas em campos de soja e milho para fazer a ração dos suínos, aves e bovinos e assim produzir as carnes (proteína animal) ou diversificar a produção de comida.    Queremos mais agro-tóxicos ou mais orgânicos? Queremos energia solar no Nordeste?     Queremos mais etanol ou gasolina na frota nacional de veículos?
   Estas questões seriam enfrentadas também com o Eduardo Campos. Só que mais à frente. Numa análise local, vejo dois senhores representando este dilema.
   Num lado o candidato ao senado, Paulinho Bornhausen do PSB e no outro o candidato a deputado estadual, Mauro Beal do Partido Ecológico Nacional e possível futuro embaixador do Brasil em Roma.


Nenhum comentário: