segunda-feira, 1 de setembro de 2014

A volta do Tio Bruda, maconha, Mujica e agronegócio

- Alô, alô, tio Canga!!!!

- Quem está falando, por favor? (putz, ligação internacional à cobrar!!!!)

- É o tio Bruda, tio Canga!!!!!!!! Aqui do Uruguay!!!!!

- Mas não é possível, véio! Depois de tanto tempo sumido, liga agora da Banda Oriental...e a cobrar ainda!

- Pois é, Tio Canga, a coisa tá meia encardida lá pela Serra. A situação ficou mais quente que frigideira sem cabo.

- Pois eu fiquei sabendo que ouve um entrevero brabo aí pela serra com o senhor. Andei até preocupado mas ninguém sabia do seu paradeiro, Tio Bruda!

- Olha, Tio Canga, o causo é meio complicado pra explicar. Mas pra encurtar a história vou lhe dizer que envolve uma chinoca lindaça, daquelas de apresentá prá mãe. Andei passando a linguiça na farinheira e a china já tinha dono. E pior, o elemento não era de brincadeira! Fui buscar lã e saí tosquedo!

- Sim, e aí te baldiaste pro Uruguay, Tio Bruda?

- Tio Canga, resolvi tirar uma temporada longe do ocorrido. Como quem joga e anda em égua nunca se aperta, resolvi visitar o meu cumpadre Mujica aqui no Uruguay.

- Mas de onde essa amizade, Tio Bruda?

- Mas isso vem de longe, Tio Canga. Desde quando o cumpadre Mujica era Tupamaro e vivia entocado nas tatuzeiras pelo campos do Uruguay. Uma vez me apareceu lá em Lages, mais ou menos na mesma situação que estou hoje. Só que ele fugia dos milicos daqui do Uruguay. Tava tão magro de fome, que a coaieira enrolava no espinhaço, pobre Mujica!

- Mas que coisa, Tio Bruda!!!!!!

- Tio Canga, recebi o paisano, dei pouso e bóia farta pro home e fizemos uma grande amizade. Se aquerenciou pela Serra, e foi ficando até a poeira baixar aqui no Uruguay. Quando se foi, quase me levou junto prá ajudá a derrubá aqueles milicos sanguinolentos. 

- E o senhor não foi "pelear" no Uruguay, Tio Bruda?

- Não, tio Canga. Na época eu tava encambixado com uma pinguanxa linda e cheia do tutú, ali da Coxilha Rica. E depois, como guaipeca não se mete m briga de cachorro grande, resolvi levar o amigo até Quaraí, na fronteira com o Uruguay e voltei correndo prá Lages. Mas prometi que um dia ia visitar o cumpadre no seu país.

- Tô começando a entender o sumiço, Tio Bruda! Foi pagar a promessa que fez para o Mujica. Mas não foi visitar quando ele estava na cadeia. Agora que o home é presidente fica mais fácil, né véio?

- Tio Canga, a formiga sabe a erva que corta. Agora eu pude chegar em Montevidéo com toda a segurança e conforto. O Mujica, mesmo como presidente, mantém aquela sua simplicidade que mostrou lá em Lages, só tá um pouco mais gordito. 

- Mas como foi o encontro, Tio Bruda?

- O Mujica foi me pegar na redoviária Tres Cruces. Tava de sandália de padre nos pé, e com aquele fusquinha azulzinho dele. Me levô prá casa e me fez um mocotó daqueles de colá os beiço!  Me apresentou até a Manoela, a sua cadelina de três patasQue home simples, Tio Canga!

- Tá, mas algum interesse comercial ou tá só fugido mesmo, Tio Bruda?

- Olha, Tio Canga, eu andei escutando essa conversa de liberação da maconha que o Pepe táva fazendo aqui no Uruguay e me interessei... pela parte do agronegócio. 
- Já imaginei até os campos da Coxilha Rica coalhado de erva do fuminho. O problema é o perfume, Tio Canga, não sei a vizinhança - que tu conhece - ia gostar!

- Mas, Tio Bruda, tá ficando louco, né? O senhor tá pensando em plantar maconha nas redodendezas das terra do governador Colombo e do Dário Berger? Isso não vai dar certo, Véio!!!!

- Tio Canga, macaco véio não põe a mão mão em cumbuca! Primeiro eu fui me informar do plantio, dos agrotóxicos, da seleção de semente e do mercado. Passei uma tarde inteira com os técnicos do Ministério da Agricultura, dentro Palácio Estévez, me inteirando bem do assunto. Tinha até umas amostras da tal marijuana. Me disseram que aquelas amostras eram da parteleira de cima! Coisa de luxo!

- Ah! Tio Bruda! Não vai me dizer que experimentaste maconha dentro do palácio!!!!!

- Tio Canga, eu táva lá prá conhece tudo! Aí me disseram "pode tomar mate que os micróbios são de casa", me atraquei! Achei que era que nem os paiêiro que a gente fuma no galpão e dei uma baita tragada de causá inveja naqueles castianos. E eles só me olhando!

- Mas e aí véio, que tal a maconha dos uruguaios?

- Tio Canga de Deus, prá encurtar a conversa, entrei num estado tal que nem avaliar a qualidade da coisa eu conseguia. Me deu vontade de tomar um ar fresco lá fora e fui saindo naquele passito de quem não quer peidar! Foi uma coisa de lôco, Tio Canga! Aprendi que o barato sai caro!

- Mas como o senhor vai plantar maconha aqui, se é proibido no Brasil, tio Bruda?

- Mas aí são outros quinhentos, Tio Canga! Esse negócio vai cair tão bem que nem chuva e roça de milho! Tô de olho na eleição da Marina. Imagina os Povos da Floresta, a Marina, o Paulinho Bornhausen e até o Gabeira, no poder, logo, logo o agronegócio vai entrar com tudo nesse mercado. As pessoas são que nem os indivíduo!

- Tio Bruda, o senhor vai ser eleito o Homem de Visão do Ano! Estou surpreso com o seu tino empresarial. Meus parabéns!

- Olha, Tio Canga, tô chegando por esses dias e já vou procurar o Raimundo. Vou adiantar o assunto prá ele. Pois, boi lerdo bebe água suja!

- Tá bom, Tio Bruda. Que bom falar com o senhor. Já estava com saudades. Volte logo e me traga uma provinha do produto do teu cumpadre Mujica. Vou desligar, se não tu vai me quebrar com essa ligação internacional a cobrar.

- Tu...tu...tu...tuuu!


Nenhum comentário: