segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Aula de trânsito em Barcelona.

A carinha de assustado do paki
  Creio que vou me estabeler em Barcelona. Tive uma sacada hoje quando descobri que existe, aqui, um mercado emergente a ser explorado. Instrutor de motoristas de táxi para paquistaneses.

   Quando saía da alucinógena Casa Batlló construída por Antonio Gaudí no Passeo de Gracia, atravessei a rua em busca de um táxi para retornar à Plaza Tetuán, onde Gogó y Nery nos esperavam para comer um ravióle (divino! Prato Nº 5 da Gogó).

   Eu já devia ter aprendido com uma situação que aconteceu certa vez em Roma. Quando a senhora que estava descendo do táxi me fez uma cara de desconfiada olhando de soslaio rapidamente para o motorista que lhe ntregava o troco. 

   Lembrei de Roma, mas já estava abrindo a porta e acabei entrando no carro. A sinaleira estava fechada e, atras do táxi, um grande ônibus esperava o sinal verde. Quando nos olhamos, eu e o motorista paquistanês, "paki" como dizem aqui, senti a tragédia. Falei rapidamente em espanhol perfeito fingindo-me de local: 

- Calle Diputació entre Passeo San Juan y Roger de Flor.

- Lo qué?, me perguntou com cara de extraterrestre.

   Abriu a sinaleira e tentou arrancar em terceira marcha. O carro engasgou. E apagou. Foi aquele festival de buzinas, o ônibus se agigantava no meu retrovisor e o paki me olhava desesperado como que pedindo que eu resolvesse o seu problema de primeiro dia como motorista de táxi em Barcelona, sem falar o idioma e sem saber dirigir!!!!!

- Tocá, tocá, dizia eu com medo de ser atropelado e linchado pelo público que do ponto de ônibus gritava e assoviava para o carro parado em pleno Passeo de Gracia atravancando o trânsito da cidade.

- Debria, debria, dizia eu em voz alta tentando engatar uma primeira enquanto o paki tentava ligar o carro.

- Eu vou descer, eu vou descer, dizia a Gisa em pânico no banco de trás.

- Niguém se mexe, vou resolver, dizia eu. 

   Começamos a andar, entramos na Gran Via e pegamos a velocidade do fluxo. Respiramos fundo, todos, e então peguei o GPS do táxi e coloquei o destino. Pronto, parecia que tudo daria certo dali para a frente. 

   Sinaleira vermelha, paramos e na arrancada o carro apagou de novo. 

- Essa primera tiene problkhjrmjfa!!!, falou a paki, agora rindo da situação.

   Engatei a marcha e andamos de novo. 

- Bate a segunda, dizia eu. Pronto, começamos a seguir a voz metálica daquela moça do GPS. Depois de várias avenida, ruas e buzinadas nas costas, chegamos ao nosso destino. Ufa!
   
   Quando perguntei quanto tinha dado a corrida percebemos que o paki não havia ligado o taxímetro. Rimos de novo, e quase cobrei a aula de trânsito que havia dado ao imigrante.

   Seis euros resolveu a parada e nos depedimos rindo. Cada um para o seu lado.

Nenhum comentário: