terça-feira, 16 de setembro de 2014

Encontrei O Barbeiro de Sevilha

Manolo Melado, o Barbeiro de Sevilha.
    Era por volta das 10 e meia da manhã quando, após sair do hotel, decidi cortar o cabelo. Já estava virando lobisomem, barba e cabelos grandes. Desci a rua Amor de Dios, onde fica o hotel, em direção à famosa Alameda de Hércules, até o número 45. Logo avistei a pequena placa Melado Peluqueros. Parei na frente e, através da vidraça, avistei dois barbeiros em atividade. Local pequeno, duas cadeiras e muitas fotografias na parede. Achei simpático. Entrei.
- Buenos dias! A resposta veio tranquila em uníssono. 

- Buenos dias!

- Cortar el pelo? perguntou o mais moço. Respondi que sim e fui sentando na cadeira. Bem ao meu lado, em uma pequena caixa de som, Billie Holiday debulhava Don't Explain naquele seu lamento melodioso que emprestava um certo ar intimista ao ambiente deixando-o mais agradável.    
Com Antonio Melado
   A minha conversa com Antonio entrou pelo jazz. Sabia tudo e gostava de música. Aliás com um gosto bastante apurado. Curtia as grandes divas do jazz americano e versava sobre as Big Bands, os musicais da Broadway, George e Ira Gershwin. 

   Fiquei maravilhado! A conversa corria solta e era ouvida com simpatia por Manolo Melado, pai de Antonio, enquanto cortava o cabelo de um vizinho ao lado.

   Logo fiquei sabendo que a Melado Peluqueros vem de uma tradição familiar desde 1927 que começou em San Julian por seu avô, bem antes da Guerra Civil Espanhola. Quando Manolo aprendeu o ofício com seu pai, a Melado Peluqueros já estava em Los Azahares.

   Manolo Melado mantém a tradição do avô e do pai. Seus três filhos trabalham todos "con la tijera en la mano". Ainda tem a honra de ser o único a figurar no prestigioso guia francês Geoplaneta e em guias da Aemanha e Itália como O Barbeiro de Sevilha, encarnando o personagem da ópera de Rossini.
Antonio Melado em trabalho promocional da apresentação

da ópera O Barbeiro de Sevilha, em Londres.


   Além de peluquero é escritor com vários livros de prosa erótica, poesia e de anedotas sobre personalidades sevilhanas publicados e tem mais de 300 letras de músicas compostas. Foi, durante 17 anos, locutor do Betis, um dos grandes times do futebol sevilhano.

   Hoje divide o salão com Antonio, seu filho, que além de barbeiro fala vários idiomas e serve de tradutor dos pedidos dos mais variados clientes extrangeiros que vem a Sevilha para conhecer este grande personagem.

   Eu, bem...saí mais leve da barbearia. Leve por estar com menos cabelo e por ter passado momentos mágicos escutando boa música e ouvindo sobre a vida de personagem tão interessante. 

   Grande Fígaro!


Três gerações de peluqueros: Antonio, seu pai Manolo e o avô
Antonio Mel deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Encontrei O Barbeiro de Sevilha": 
Muito obrigado Sergio, por este magnífico y afectivo artículo sobre nuestra casa. Lo bueno de compartir historias cuando se viaja, es encontrar de manera inesperada la sorpresa, algo para recordar, otra anécdota que contar, más aún cuando son agradables. Ha sido un placer poder atenderle. 
Antonio Melado. 

Um comentário:

Antonio Mel disse...

Muito obrigado Sergio, por este magnífico y afectivo artículo sobre nuestra casa. Lo bueno de compartir historias cuando se viaja, es encontrar de manera inesperada la sorpresa, algo para recordar, otra anécdota que contar, más aún cuando son agradables. Ha sido un placer poder atenderle.
Antonio Melado.