terça-feira, 28 de outubro de 2014

A morte do Janer Cristaldo

Perdi ontem um dos meus grandes amigos. Estou triste. Não lembro de ter ficado tão triste assim em outra ocasião na vida.

   Éramos amigos ao longe. Pessoalmente nos encontramos poucas vezes, sempre na Kibelândia. Quando morou em Florianópolis - foi professor na UFSC - e quando quando, já em São Paulo, vinha visitar a cidade.

   Mesmo sem encontros presenciais, conseguimos desenvolver uma amizade profunda e duradoura. O que fez desses encontros uma grande amizades foi uma das coisas que mais prezo no ser humano: a confiança.

   Janer participou e colaborou com todos os projetos jornalísticos que tive. Foram cinco jornais, sempre de oposição ao poder instalado e de denúncias de corrupção. Tê-lo como colaborador em minhas publicações era uma honra e também sentia como se fosse um apoio aos meus projetos. Sempre esteve presente. Mesmo quando eu e o jornalista Jurandir Pires de Camargo, durante três anos, tivemos um jornal no Uruguay, Janer nos encontrou e nos mandava seus artigos ácidos por correio. Infalível!

   Jornalista, escritor e intelectual primoroso não transigia com a ignorância. Era implacável com as religões e tecia suas críticas sempre calçado em um profundo conhecimento das "sagradas" escrituras que havia devorado em todos as suas edições e idiomas com sua visão crítica e independente.

   Gaúcho do Ponche Verde (Dom Pedrito), era acusado pela esquerda de direitista e pela direita de comunista. Respondia às tentativas de classificações com seu texto poderoso, crítico, claro e mordaz. Tinha desprezo pelo classificadores.

   Não era nada, só detinha todo o conhecimento do mundo!

   Paraíso Sexual Democrático, seu primeiro livro, sobre o mito sexual por excelência das "adoráveis loiras nórdicas", foi meu primeiro livro também. Jamais imaginei que o autor daqueles escritos que embalaram e estimularam a minha produção de testosterona juvenil fosse um dia meu parceiro e amigo por tantos anos.

Estou triste! Perdi um amigo que realmente valia à pena!


Abaixo um texto de Janer Cristaldo sobre seu primeiro livro. Uma delícia de texto:

ONDE ME DESCOBRI TRADUTOR

A vida é uma caixinha de surpresas. Em meus dias de piá no Ponche Verde, jamais imaginaria que um dia seria tradutor. E muito menos que minha primeira tradução seria do sueco. (As traduções do francês e do espanhol viriam mais adiante). Aliás, naqueles dias, nem imaginava que a Suécia existia. E que iria me atrair poderosamente, a ponto de um outro dia, bem mais tarde, fazer minhas malas e ir morar no paraíso dos Sveas.

Só mesmo sendo jovem para fazer a loucura que fiz. Deixei em Madri, chorando, a mulher que adorava, e rumei ao norte. Ela, também chorando, rumava ao sul. Tenho certeza que hoje não teria forças para repetir tal insanidade. Eu conhecera Estocolmo há uns vinte dias. Caí lá em dezembro, em plena noite nórdica. Quatro horas da tarde, noite profunda. Me senti em Plutão e era em Plutão que queria aterrissar. Eu fugia do Brasil e do Terceiro Mundo, do carnaval e do futebol, da miséria e do subdesenvolvimento. Henry Miller dizia que os verdadeiros problemas humanos só surgem depois de resolvidos os problemas do estômago. Queria conhecer aquela sociedade onde os problemas do estômago já haviam sido resolvidos.

Fui para não voltar. Estava irritado com o Brasil e desejoso de paraíso. Não que pretendesse abandonar a mulher que adorava. Pensava em levá-la para lá mais tarde, onde viveríamos juntos os verdadeiros problemas da condição humana. Mal cheguei, minha primeira providência foi encontrar um curso de sueco. Verdade que todo sueco fala inglês. Mas meu inglês era escasso. E eu queria falar a língua local.

Mas as razões que nos impelem a viajar nem sempre são as que alegamos como motivo de partida. Conscientemente, eu fugia de um continente militarizado, do Brasil, do samba e da miséria. As gaúchas recém começavam a libertar-se dos preconceitos de Roma, e eu tinha pressa. Sem falar que, na época, o mito sexual por excelência eram as “adoráveis louras nórdicas”. Quando o sol cai por trás dos fiordes, dizia uma atriz, só nos resta ir para casa e fazer amor. É para lá que eu vou, pensou este ingênuo que vos escreve.

Sim, ingênuo. Pois as suecas eram bem mais inacessíveis do que insinuavam os pacotes turísticos. Tanto que minha primeira “sueca”, de sueca nada tinha. Era uma brava cidadã soviética, de Ashkhabad, no Turcomenistão.

Tinha pômulos asiáticos e deles muito se orgulhava. Como língua comum tínhamos o sueco, do qual conhecíamos umas dez palavras. “Jag, vacker” — me confessava Gysel, indicando seu rosto. “Eu, bonita”. Acontece que eu partira em busca das louras vikings. “Du vacker i Ashkhabad”, respondi. “Tu bonita em Ashkhabad”. “Jag, mycket exotisk”, insistia a camarada. “Eu, muito exótica”. Em suma, acabei partilhando do gosto dos Sveas — que assim se chama aquela tribo que erigiu a Suécia — pelos rostos orientais. Gysel casou-se com um sueco. Não que lhe agradassem os branquelas do Norte. Ocorre que faria qualquer sacrifício para jamais voltar a seu universo soviético.

A adorável loura nórdica surgiu bem mais tarde, afinal elas não dão em cachos à beira da estrada, como imaginam os latinos. Encontrei-a em uma festa, num daqueles verões em que o sol jamais se põe e os suecos correm desvairados pelos florestas. A noite não caía, o dia não amanhecia e o vinho jamais findava. Olhando de hoje, vejo tudo como sonho. Naquela noite, corri nu atrás de uma sueca nua, numa noite branca como o dia, pelos bosques dos hiperbóreos. Deve ter sido sonho mesmo. Ou não. Afinal a ela está dedicado este livro.

Se bem me lembro, naquela noite que não era noite, ensinei os nórdicos a dançar samba, logo eu que detesto samba, o que deve dar uma vaga idéia de meu estado etílico. Summa av kardemuma, como dizem os suecos: acabamos coincidindo na mesma cama. Amor? Nada disso, era puro porre. Em todo caso, daquela coincidência — como direi? — quase geográfica, resultou uma cálida amizade que embalou meus dias junto ao Ártico. Lena, a quem eu chamava de Lena Lena — lena significa doce em sueco — iniciou-me nos melhores autores suecos, e a ela devo minha descoberta de Karin Boye e a tradução deKalocain ao brasileiro.

Há viagens e viagens. Conheço não pouca gente que gosta de conhecer culturas primitivas, bugres em estado selvagem. São em geral pessoas que vivem em países civilizados, ou que imitam as que vivem em países civilizados. De minha parte, prefiro a civilização. Não vejo maior encanto em tais viagens. Até já fiz uma. Em dezembro de 1975, estive no Saara argelino, mais precisamente em El Hoggar, onde vaguei por quinze dias pelo deserto, guiado por tuaregues e harratines.

Foi uma viagem fascinante, devo confessar. Nas noites ao relento nas montanhas, tomei um porre de estrelas e quase fiquei surdo com o zumbido estridente do silêncio. Ouvir os tuaregues contando histórias em torno à fogueira, em meio a uma noite gélida, é também algo que não se esquece. Diria que as viagens que mais me encantaram foram esta e mais duas navegando pelos fiordes noruegueses. Mas do Assekrem só me restaram o silêncio das noites geladas, os vultos embuçados dos tuaregues e as silhuetas das montanhas. Nada trouxe da cultura tuaregue, muito menos de sua língua, o tamahak, que já nem a falam.

Quando viajamos à civilização, o legado é outro. Da Suécia, junto om as paisagens nevadas e as noites brancas, trouxe uma língua, trouxe uma cultura distinta, mais um pouco da literatura dos Sveas. Lá, me descobri como escritor. Eu havia lido pelo menos uns quinze livros sobre o país antes de partir. Mal comecei a juntar palavra com palavra com palavra, fui descobrindo um país que não me fora mostrado pelos autores que havia lido.

São estranhos os fatores que nos levam para lá ou para cá. Meus desejos de deserto começaram lá perto do Círculo Polar Ártico. Em um exercício de vocabulário de uma aula de sueco, soube que tinha como colega uma författarina. Isto é, uma escritora. Era uma suissesse elegante e charmosa, e chamava-se Federica de Cesco. (Em 2008, saiu um filme sobre sua vida, Der rote Seidenschal). Quantos livros havia escrito? Ah — me respondeu com certo enfado — mais de cinqüenta.

Fiquei com um pé atrás. Era bastante jovem, mais de cinqüenta livros me parecia um exagero. Nunca havia visto umaförfattarina de perto, muito menos uma que tivesse escrito meia centena de livros. Passei no apartamento dela. Em uns dois metros de estante, ela tinha algumas das traduções de alguns de seus cinqüenta livros. Meu ceticismo caiu por terra. Perguntei qual considerava o mais importante deles.

— Ah! Só escrevo best-sellers. Nada de importante. Mas gosto muito deste aqui.

Passou-me um livro sobre El Hoggar, o país dos homens azuis. Falava da geografia dos tuaregues e harratines que habitam o extremo sul da Argélia. Havia na obra um certo deslumbramento de europeu em visita ao Terceiro Mundo. Mesmo assim, o livro incitava à viagem. O que me espantou naquele momento foi encontrar alguém que vivia de escrever, escrevia muito e não dava importância alguma ao que escrevia. Estava em Estocolmo paga por sua editora, para criar uma novela ambientada em aeroportos internacionais. Federica me deixava pasmo. A ela devo minha opção pela escritura. Se esta moça — pensei com meus botões — escreveu mais de cinqüenta livros e acha que só escreve bobagens, vou escrever pelo menos um, que não considero bobagem. Assim surgiu O Paraíso Sexual Democrata.

Assim surgiu também o tradutor. Para preservar — e testar — meu sueco, mergulhei na tradução de Kallocain, editada pela eBooksBrasil, do infatigável difusor da boa literatura, o Teotonio Simões. O livro havia sido publicado em papel em 74, no Rio de Janeiro, pela Cia. Editora Americana. Mas a edição esgotou rapidamente e hoje a obra de Boye só pode ser encontrada em sebos, e olhe lá! Naquela tarde em que me despedi de Lena Lena em Arlanda, mais uma vez chorando, ela nem desconfiava que estava exportando Karin Boye para o Brasil.

O Paraíso decorre de uma estada em Estocolmo nos anos 71 e 72. Ou seja: do alto deste livro, quatro décadas vos contemplam. A Suécia é um país pequeno, mas dinâmico. Muda rapidamente. Quando lá vivi, as prostitutas eram vistas como uma espécie de assistente social e beber álcool nos bares era proibido. Hoje, quem busca uma prostituta pode ser preso. E o álcool, embora permaneça proibido nos supermercados, é servido em qualquer bar. Estocolmo ficou mais alegre.

O Brasil também mudou. Naqueles anos, até livrinho sueco dava cana cá entre nós. Daí minha insistência em mostrar a pornografia, que era livre na Suécia, e a nonchalance com que os jornais tratavam a temática sexual. Hoje, nestes dias de Internet, até a pornografia decaiu no Brasil.

O livro envelheceu. Mas permanece como uma foto do passado daquela nação boreal.


Janer Cristaldo

Agosto, 2012

  Para ler O Paraiso Sexual Democrático clique!

5 comentários:

Anônimo disse...

Insubstituível! Que Ponche Verde saiba perpetuar às futuras gerações o nome deste corajoso e honrado filho que, finalmente,reecontrou sua amada.

Anônimo disse...

Olá Canga,

Uma pena este post sobre o Janer.
O conheci através de um link que você mantinha em seu blog.
Todos os dias em que lia você, por consequência ia até o Cristaldo.
Desde 04 de set/2014 ele não postava mais.
Fiquei preocupado, pois ele já até vinha falando sobre sua doença.
Parou em "A ARMADILHA DOS DOUTORADOS", assunto que ele sempre combateu.
Confesso que a inteligência e acidez dele por vezes me deixava sem entendimento, mas na maioria das vezes concordava, e assim, não me sentia o único a pensar daquela forma.
Perdemos mais uma das boas leituras.

Forte abraço
De seu assíduo leitor tímido

Anônimo disse...

Salve, Federica!

Anônimo disse...

Tio Canga,
Onde podemos encontrar o referido livro.
Abs

Anônimo disse...

Janer foi um dos únicos, SE NÃO O ÚNICO, homem da imprensa contemporânea autêntico e franco em seus posicionamentos.
Destacava-se de pronto, à primeira leitura que se fizesse de um texto de sua autoria, dessa matilha de repetidores de notícias em conservas e de adulões dos poderosos de platão.
Dono de invejável cultura formal, não havia descuidado de amealhar conhecimentos práticos pelo bom viver.
Finalmente, obedecendo ao vício que contraíra há tempos, foi viajar novamente.
Finalmente vai encontra-se, não só a sua baixinha amada mas, também com o Canário e a Clotilde.

A nós, que seguimos dentre esta mediocridade gerenciada pela Gilma, só resta reproduzir a ultima besteira dita pelo Supremo Apedeuta refente às denúncias sobre a PetrobráS: DOIS CUMPANHÊROS RESOLVERAM FAZER UMA TAL DE FELAÇÃO PREMIADA......