segunda-feira, 6 de outubro de 2014

O que mostrou o resultado das eleições

Por Armando José d’Acampora *

Numa democracia, o que vale é a vontade do povo. Em última análise, o voto. É a grande responsabilidade do povo como conjunto: escolher com serenidade seus representantes.
Alguns não levam a sério o voto e votam em qualquer um que lhes acene com alguma promessa, mesmo que seja vã. E eleição tem mais promessa que dia de Santo Antonio, aquele que o povo diz casadoiro.
Aos esperançosos de que as promessas sejam rigorosamente cumpridas, os meus parabéns, pois por mais otimista que eu seja, o ano vindouro, 2015, independentemente de quem seja o governante, federal, estadual ou municipal, será um ano amargo. A conta da energia já está mostrando, após uma primeira alteração, que ajustes não realizados serão necessários, assim como na gasolina, álcool e diesel abrindo a cascata dos reajustes dos transportes e consequentemente, dos alimentos e tudo o mais. Há uma demanda de preços reprimida durante todo esse ano eleitoral. Agora virá a cobrança, com os juros de mora e a óbvia correção da inflação que continua avançando, e quem paga são os democratas, na decorrência de um ato praticado pelo voto de quatro anos antes.
O povo catarinense espera, certamente, que no natal do ano que vem, surja no Senado Federal uma grande árvore de Natal. Só não sabe ainda, quem será contratado para cantar. Quem sabe o amigo italiano volte para, finalmente, encantar por aqui.
O candidato ao governo foi mais experto que o povo. Acho que há ali, no governador, alguma ancestralidade mineira. Ficou mocosado e assim permaneceu. Em lugar de se aproximar do governo federal, se afastou, sabedor que esta legenda não se cria com muita facilidade neste estado. Tanto é assim que a bancada do Partido dos vermelhos, diminuiu de tamanho.
A maior parte da nossa população é azul, do Amin e do Aécio e as urnas demonstram que cor queremos.
  

* Médico, Cirurgião, Professor Universitário

Nenhum comentário: