terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Brasil : Pátria Educadora ???

      Por Eduardo Guerini
No início do ano legislativo, os professores sabem
que o ano letivo será movido a sangue, suor e
lágrimas, com perda de direitos e descaso dos
governantes com a educação nos diferentes níveis.

   O início de um mandato presidencial  sempre é carregado de surpresas. As mudanças ministeriais e na condução do plano governamental  - mesmo quando não existe,  são movidas por grandes slogans, típicos de uma nação que se acostumou a desconfiar daquilo que se promete na campanha e seu legado efetivo na gestão cotidiana de uma república.

   No caso brasileiro, o acirramento da campanha eleitoral, com vitória ajustada pela propaganda em larga escala, carregada de emoções e sentimentos, de disputas e fantasias ,  assim como, uma miríade de empulhações, se traduziu no legado do “estelionato eleitoral” e desencantamento em velocidade sideral. 

   Nossa governanta do Planalto Central, para aplacar os ânimos, diante de uma paralisia e silêncio sobre o futuro da nação,  toma posse  e lança mão de mais um slogan midiático : “BRASIL – PÁTRIA EDUCADORA”.

   No ajustado momento de transição da herança produzida pela própria criatura, os ministros  são chamados a defender  a bandeira governista. Eis  que,  no enredo da crise fiscal e na escandalosa lama que foi lançada a Petrobrás, por  sucessivas tramoias e estripulias corruptivas, os recursos do pré-sal são mais uma ficção que traduz a tragédia que a EDUCAÇÃO brasileira está submetida.

   Neste intrincado enredo de responsabilidades, quais foram as primeiras ações do Governo Federal para salvar a Educação brasileira da crise e caos que desencanta as esperanças de gerações – CORTE DE VERBAS, MUDANÇAS DE REGRAS, ATRASO NOS REPASSES .

   No plano federal, a situação é de desencantamento geral, visto que, notícias de atrasos de bolsas e recursos são cotidianos. Como os governantes são prodigiosos em falsear a realidade, ora negam, noutro momento desmentem, para finalmente admitir que ocorreu um redimensionamento no FLUXO.

   No plano estadual,  inúmeros governadores, não satisfeitos em se submeter a crise, tratam de ajustar as contas, usando como “BODE EXPIATÓRIO”, os miseráveis e esgualepados professores!!! As sucessivas greves e denúncias nos governos estaduais, por condições de trabalho deploráveis e salários irrisórios, colocam em xeque o slogan “BRASIL: PÁTRIA EDUCADORA”.

   Na atual conjuntura recessiva, o silêncio e cumplicidade dos brasileiros somado ao escárnio de governantes e legisladores,  traduzem o slogan real do legado educacional atual 

 - “BRASIL : PÁTRIA ENGANADORA”.

Um comentário:

Anônimo disse...

O silêncio e a cumplicidade dos brasileiros é justificável. 50%, ou mais, da polulação economicamente ativa tem, ou sofre, de uma grave enfermidade; TEM O RABO PRESO!