quarta-feira, 4 de março de 2015

Operação "Entrevero" investiga Festa do Pinhão

GAECO cumpre mandados e investiga processo licitatório da Festa do Pinhão.
Proibidas de contratar com o poder público, empresas criaram falsas sociedades de fachada para conseguir fraudar licitação. O entrevero, comida típica da região serrana, a base de pinhão, virou prato indigesto para vigaristas. 

Na manhã desta terça-feira (03/03), o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) deflagrou a operação batizada “Entrevero”, dando cumprimento a mandados de busca e apreensão nos municípios de Lages, Chapecó, São Miguel do Oeste e Florianópolis. O GAECO de Lages investiga supostos crimes contra a administração pública, associação criminosa e fraude no processo licitatório que outorgou a concessão para realizar, organizar e explorar a Festa Nacional do Pinhão no município de Lages/SC. A operação teve desdobramentos ainda na cidade de Novo Hamburgo/RS, sede da Gaby Produções Ltda., empresa licitante que se sagrou vencedora do certame sob suspeita. O GAECO é uma força-tarefa composta pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), Polícias Civil e Militar e Secretaria Estadual da Fazenda.

A trama investigada perpassa pelo conluio e ações previamente ajustadas entre empresas do ramo de eventos e de publicidade, com destaque para a GDO Produções Ltda. Para driblar a proibição de contratar com o poder público, as investigadas utilizaram empresa de fachada a fim de dar aparência de legalidade ao processo licitatório, passando a operar de forma colaborativa entre si.

Ao todo, foram expedidos pela Justiça de Santa Catarina onze mandados de busca e apreensão, que estão sendo cumpridos em empresas, órgãos públicos e residências pelos policiais dos GAECOS de Lages, Capital, Itajaí e Chapecó, com o apoio, ainda, do GAECO de Porto Alegre e do Instituto Geral de Perícias (IGP).

O nome da operação teve inspiração no prato típico da gastronomia serrana - o entrevero - servido na Festa Nacional do Pinhão que retrata a confusão de empresas que exploraram de forma ilegítima o citado evento.

Um comentário:

Anônimo disse...

E os administradores que sabem da maracutaia e asinam embaixo.