segunda-feira, 13 de abril de 2015

Poesia de mensaleiro entrega traidor

   Em sua estada no Presídio da Papuda, onde cumpre pena por crime de corrupção, o ex-deputado João Paulo Cunha (PT), escreveu um livro de poesia. 
   
   O livro, segundo a crítica, é carregado de ódio e rancor. Em um dos seus poemas, João Paulo Cunha é implacável com a traição de um "cumpanheiro". Embora não revele o seu nome, deixa fácil a dedução de quem seria:



Um comentário:

Ademir disse...

Puxa, Sérgio, está tão difícil...deixa ver, ele estaria se referindo ao Sansão? Então seria Leonardo da Vinci? Dom Pedro I? Getúlio Vargas? Ah, já sei: FHC!!!