quinta-feira, 23 de abril de 2015

Ra_ imundícies Columbinas na Província Catarina Virginal


   Por Eduardo Guerini
Com seu baralho de tarô,
tentando adivinhar qual é o
futuro político do governador. 
Nem bolas de cristal, búzios ou
cartomantes conseguem decifrar
quem realmente governa
em Santa Catarina.

   O governador Raimundo Colombo concedeu entrevista a veículo de comunicação em Santa Catarina, no último domingo, fazendo uma análise da conjuntura política atual. Com ar simplório, este sujeito bonachão inaugurou um novo compêndio na sua dependência política diante das raposas que rondam seu galinheiro. Como bom lageano, nada parece lhe afetar, inclusive a crise de seu governo.

   Em primeiro lugar, se diz surpreendido pela crise que assola Estados e municípios. Mas afinal, ele na campanha não vendeu prosperidade tal como a governanta do Planalto Central??? Agora quer impor austeridade!!! Pois bem, acabe com o cabidário de políticos que usam o aparato do Estado para plataforma eleitoral futura. Seria uma economia e tanto.

   Em segundo lugar, sequer tocou na crise da Educação Catarinense, com uma greve prolongada pela negação do Secretário e Governador em cumprir o mínimo legal. Quer retirar gratificações de direito para cumprir aumento legal de fato.

   Em terceiro lugar, o caos da saúde, causado por constantes atrasos no pagamento de recursos devidos para hospitais e casas de saúde. O sistema em colapso, nossos governantes preocupados com os recursos enfartados pela baixa arrecadação. Essas são marcas corriqueiras da gestão columbina. Em fato recente, o SAMU não podia atender por falta de combustível. Em tom de deboche, o gestor da província catarinense disse ao repórter que teria que rever o contrato que apresenta preços muitos elevados. Quando sofreu com problemas cardíacos, nosso emérito comandante, foi despachado rapidamente para o Hospital Sírio-Libanês. Enquanto isso, os catarinenses que se acomodem no corredor ou nas macas. Afinal, somos um povo aguerrido e de fibra.

   Na segurança pública, a penúria de recursos para combustível, pagamento de plantões , horas extras e refeição, beira o ridículo. O sistema prisional, melhor nem comentar. Enquanto os corruptos atacam o ervanário público, não vemos nenhum deles frequentando as penitenciárias catarinense, promissoras em tortura e péssimas condições existenciais. A secretária de justiça e cidadania mantem um silêncio obsequioso. Para garantir seu futuro político, nada melhor que essa doce penitência.

   Na campanha eleitoral, com espectro amplo de partidos políticos, o audacioso marqueteiro permitiu vitória em primeiro turno, e, assim se fez o mostrengo governista, com secretários usando as devidas secretarias e autarquias para loteamento dos seus apaniguados.

   Tal como a governanta, nosso governante columbino na província catarina virginal, se porta na atualidade como não fosse responsável por este “Estado de coisas”. Afinal , a reeleição não foi uma vitória sua ou de seu estilo de governar, foi a vitória da mediocridade política que se instalou em Santa Catarina. Nessa circularidade de elites provincianas e seus testas de ferro, as raimundícies columbinas são a expressão nua e crua de como o catarinense é um sujeito pacato e simplório, submetido a lógica do clientelismo e dos favorecimentos que reproduzem essa classe no poder.

   Com seu jeito simplório, padrão bonachão e modo de falar clerical, melhor seria cuidar de um botequim de cidade interiorana. Decididamente, Santa Catarina não merecia tal desígnio.

   Enquanto as SDR´s florescem, saúde, educação e segurança padecem em Santa Catarina.

2 comentários:

Anônimo disse...

Resumiu a ópera!!

az disse...

Chamou nosso povo de burro no texto, falou pouco mas falou merda.