quinta-feira, 21 de maio de 2015

INSTANTE

Por Emanuel Medeiros Vieira
Para três queridas irmãs 
(Lourdes, Adélia e Gracinha),
 “encantadas” em tão curto
 espaço de tempo

“Qualquer destino, por mais longo e complicado que seja, consiste em um único instante: o momento em que o homem sabe para sempre quem é”
(Jorge Luis Borges)
O instante: outrora–agora.
Imanência do passado no presente: um presépio, pai, trapiche, mar, mãe, pedaço de pão feito em casa, outro menino/velho enrugado.

O homem saberá para sempre quem é.
Quando (insisto)?
Foi ontem.
Ainda não aconteceu?

Ou já estava escrito na maternidade – ou antes: na barriga da mãe.
No grupo escolar, naquele beijo tão longínquo.
A memória de uma passeata em que o mundo seria mudado.

Uma enfermidade: ali ficou enraizada – tão bem colada na pele – a certeza da transitoriedade.
Apenas passamos: breve sopro.

Mas testemunho: houve uma celebração – olhando aquele bar que já não existe mais (o 
“Miramar”. E nesta manhã (que pensei que não iria viver), contemplo o Farol da Barra.
Tudo foi aterrado – resta um pedaço de memória.

(Ela não é velharia inútil: pedaços de carne, olhos que sonharam com terras distantes, pés que pisaram neste quarto, bigodes, rostos, uma máquina de escrever,  álbuns de fotografias que revisitamos em tardes chuvosas, e um guarda-chuva ao lado do guarda-roupa. E tanto mais.)

Outra memória: aquela fuga na boca da noite, o exílio.
E continuo (até quando?).

Já sei quem sou/já não sei.
Soube sempre: outrora/agora.
(Salvador, maio de 2015)

Nenhum comentário: