segunda-feira, 15 de junho de 2015

DRUMMONDIANA (Deserto)

   Por Emanuel Medeiros Vieira
(...) “Caminho todas as tardes por estes quarteirões desertos, é certo/Mas nunca tenho certeza se estou percorrendo o quarteirão deserto/Ou algum deserto em mim”
(Manoel de Barros, “Miudezas”)

Chacinas, propinas, rimas (ruins, é certo).
Não é uma solução – não é Drummond?
Havia sim uma pedra no meio do caminho.
Outra e mais outra.
Um anjo torto pousou em mim, na minha ilha, no meu país?
E recebi a bênção de um milagre cotidiano: uma criança, o coqueiro, o mar.
(Este “instante eterno” legitima a jornada.)
Uma enfermidade – a consciência da “brevidade infinita” desta vida.
“Compreender que a gramática é um instrumento, e não uma lei”.
(Fernando Pessoa, “Livro do Desassossego”)
Clamo por Deus – estou Buscando-O em todo caminho – sempre.
E Ele Desaparece/Reaparece.
E um anjo bom sorri.

(Salvador, junho de 2015)

Um comentário:

Eduardo Luchini Vieira disse...


Muito bom, querido Tadeu!

Como escreveu: "este 'instante eterno' legitima a jornada!"
Concordo, e por isto reforço aquela velha (nova?) frase: sejamos intensos, verdadeiros, honestos com as nossas essências (é o que realmente somos!) em todos os momentos, pois a Vida é breve e não sabemos quando partiremos...
Ou seja, como afirmava Osho, sejamos TOTAIS!

Forte abraço, grande Humanista!