quinta-feira, 4 de junho de 2015

VIAGEM

                                                                                                         Foto: Sérgio Rubim - Berlim 2013
Por Emanuel Medeiros Vieira                          (Para Célia – que foi comigo)

No túmulo de Kafka, em Praga, eu pedi: “Orai, por nós”!
Foi súplica, imprecação.
Antes, agora. Sempre.

No cemitério “Père Lachaise”, em Paris, escrevi no (túmulo) de Proust: “Merci, Marcel”.
(Não, não fui apenas a cemitérios.)
E bati perna por Paris, fique contemplando o movimento nas escadeiras da “Opera”.
Ir e vir de gentes.
(No metrô – contemplando a mocinha com boina e meias  grandes – ela lia, não mexia  em
celular – pensei: não verei nunca mais esse rosto, nem os outros,  pessoas que vão e que vem.

Andar – e andar mais ainda – é um dos prazeres maiores que sinto em Paris.
(Mas em relação às viagens da década de 70 – na época, com escasso dinheiro e fugindo da ditadura brasileira –, havia agora turista demais  –chineses, japoneses, brasileiros etc., todo mundo querendo comprar e não VER. Os  lugares cheios de gente.
Registrar: não ver. O viajante vê – o turista registra.
E fugia dos locais mais turísticos – por exemplo, andando e andando pela beira do Sena.
Não, desta vez nada do Louvre, Palácio de Versalhes (só andei pela cidade e pelo seu mercado).

No Portão de Brandemburgo, em Berlim, “ouvia” o som de paradas – vi pedaços do Muro.
E revi, numa longa e iluminada conversa, o meu velho amigo Flávio Aguiar.
E lembrei que – num inverno europeu há tantos anos (1971) –, eu o atravessara, e passara um dia em Berlim Oriental, com o meu saudoso amigo Alberto Albuquerque e, à noite, Luiz Travassos nos esperava  para tomar um vinho.

Lembrança de tanto sangue derramado: mas havia também Beethoven e Goethe.
Violência e beleza.
Um concerto: era Mozart em Viena.
Em Bruges, senti mais beleza. Era uma cidade revisitada.
(Na primeira vez, década de 70, senti as pessoas menos estressadas e mais simpáticas, como aconteceu em Madri e Roma – no geral, elas –(em alguns países – estavam mais irritadas e antipáticas.)

Tantos outros lugares não citados: como Santiago de Compostela. O que dizer? Já disseram tanto. Restam-me qualificativos que são lugares-comuns: linda, impactante. Mais que isso: cheia de uma energia que não sei definir.

E revistei o Porto – cidade que muito amei, e fiquei na casa de um querido casal amigo, revendo a queria Manaíra, conhecendo o André – ambos tão sensíveis e cultos, além de dialogar de novo com o combativo e humanista Carlos Mota.

Como Lisboa – conhecendo o cotidiano da cidade, as pessoas, a vida real -, parando no apartamento alugado pelo querido Fábio, sobrinho sensível, preparado, tão amigo e generoso que lá estudava. Ele já está de volta a Porto Alegre
Queria “segurar” a vida. Um instante. Uma eternidade. O rio que flui.
Driblamos a morte, “esquecendo” que – sem prorrogação, sem recursos, sem embargos – ela, inelutavelmente, nos alcançará na soleira da morte.
(Eu sei: só capto fragmentos, andando às pressas, numa narrativa quebrada – sempre em busca intensa de uma verdade humana. Consigo captar algo, não a totalidade. É da humana lida.)

Viajamos para o esquecimento. Mas “precisamos” viajar.
Em Dresden, sentei num banco à beira do rio –, e parecia inacreditável que a bela cidade barroca alemã, tivesse sido completamente destruída na Segunda Guerra.
É preciso escutar um fado, e contemplo o Tejo.
Ah, Lisboa revisitada de Pessoa!

Viajamos para encontrar o que já sabemos?
Chovia muito em Veneza, e fazia frio.
Em Londres, caminhei por parques.
E “enxergar”, ir além é fundamental (navegar é preciso –: ver e aprender é sempre necessário – se você só está sempre a ocupado a em ensinar, nunca vai aprender.

Na Picadilyy Circus (junção de estrada e de espaço público da Londres’s West na cidade de Westminster), num sábado à noite (acho que nunca vi tanta gente junta e de tantas nacionalidades,  um casal indagou-me se sabia o endereço de certa rua.
Em Amsterdã andei por canais, contemplando tantas pessoas andando de bicicleta, e (re) visitei o Museu Van Gogh.

Em Pompéia, pensei novamente na História (será ele sempre um pesadelo?), na vida e em todos os impérios que sempre passarão – apesar de considerarem-se eternos.

Onde estou? No quintal da minha casa? Atravesso mares para descobrir o que um menino, lá atrás, já sabia – encanto, finitude, sangue, esperança. A vida como um breve sopro que precisa ser vivido, a cada dia, sempre. Até.

(Brasília, novembro de 2014, e Salvador, maio e junho de 2015)

Querido Emanuel
Grato por me ter permitido viajar na tua viagem
Nos so vivemos uma vez em vida e multiplas nas memorias de nossos queridos e ate nos desconhecidos que por ventura do destino cruzaram conosco em qualquer momento seja material ou espiritual.
Texto denso, geografico, cultural e pleno de sentimentos.
Ainda um quintal nos revera surpresas inimaginaveis sob qualquer arvore frutifera que nos proporciona o aroma e o sabor da vida.
Saudades
Sergio Zylbersztejn
Professor Assistente de Ortopedia e Traumatologia - UFCSPA
Universidade Federal de Ciencias da Saude de Porto Alegre
Curso de Medicina - Departamento de Cirurgia -

Um comentário:

Rafael disse...

Me identifiquei plenamente com o texto. Com cada palavra e cada sensação do viajante errante QUE VÊ, flanando ao largo da MANADA de turistas obtusos. Um abraço ao autor. Vida longa e muitas viagens!