terça-feira, 7 de julho de 2015

"A NOITE...”

Por Emanuel Medeiros Vieira

(...) “Descobri que minha arma é o que a memória guarda.” (...)
(Milton Nascimento e Fernando Brant, “Saudades dos Aviões da Panair”)

A noite te persegue?
Apenas fechas os olhos.
Morcegos? Corujas?
“Produza algo edificante”, exige um Juiz.
“Não escreves poemas: no máximo, prosa poética”, define outro Magistrado (um deus?).
“És sempre monotemático: falas obsessivamente no Tempo e numa Ilha que acabou há muito tempo”, reitera uma Voz Interior.
“Por favor: sê mais otimista” – reivindica outro crítico.
Aspiras a desconexão com real, o império da paz – talvez o esquecimento.
A memória está sempre aqui, ali, sempre – ela é o núcleo das tuas narrativas..
Virá o pó, mas não agora – esquece.
E todos os sonhos de tantas vidas?
Exorcizarás os males – acreditas.
Irão embora os Espíritos de Obsessão.
Irão?
Será a noite uma ânsia sem nome?
Do caos seria feita a luz.
Aspiramos Arcanjos. Sombras somos?
Também claridade.
“Desejo-te mil anjos” – escrevo para um destinatário desconhecido – mas que amo (pois só ele, o amor, poderá nos salvar).
Que eles te cubram sempre, te blindem, te protejam contra o Mal.
Engana-se a voz Interior (lembrada acima): a Ilha Mítica estará sempre no teu coração (ela é que importa).

Salvador, julho de 2015

Nenhum comentário: