segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Se Deus uniu, não será Jaques Wagner que iria separar...

É uma história exemplar dos privilégios e desvios de conduta dos ocupantes do andar de cima, sejam quais forem eles

    Ideli Salvatti e o marido Jefferson da Silva Figueiredo (Foto: Beto Barata / Estadão)

Ideli Salvatti e o marido Jefferson da Silva Figueiredo (Foto: Beto Barata / Estadão)

   Por Ricardo Noblat

   O alvoroço provocado por uma meia sola ministerial que pouco mexe com a vida do cidadão comum acabou por conspirar, na semana passada, contra a repercussão que deveria ter merecido a história da nomeação do marido da ex-ministra Ideli Salvatti (PT-SC), contada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

    É uma história exemplar dos privilégios e desvios de conduta dos ocupantes do andar de cima, sejam quais forem eles.

    Fundadora do PT e da CUT em Santa Catarina, ex-deputada e ex-senadora, Ideli concorreu e ficou em terceiro lugar na eleição para governar seu Estado em 2010, ano em que Dilma se elegeu presidente. O que poderia ter condenado Ideli ao ostracismo, temporário ou definitivo, abriu-lhe as portas da República.

    Primeiro ela foi nomeada por Dilma ministra da Pesca e Aquicultura. Ali permaneceu até junho de 2011. Foi promovida para ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, responsável pela coordenação política do governo e por suas relações com o Congresso e os partidos. Bateu no teto. Depois disso só fez cair.

   Leia matéria completa. Beba na fonte.

2 comentários:

Anônimo disse...

http://www.oantagonista.com/posts/tcu-quer-discutir-a-relacao

A nomeação entrou na mira do TCU.

Júlio Cézar Sampaio Teixeira disse...

Ideli não é catarinense nata. Ela é paulista e veio para SC para fundar o PT e fazer greves no meio educacional. Uma praga que foi embora já um pouco tarde. Não fará falta nenhuma.