segunda-feira, 2 de novembro de 2015

O maravilhoso mundo colombino

Por Eduardo Guerini

Na falta de boas notícias,  mande o

marqueteiro do governo estadual fazer uma

bela imagem. Reproduza repetidas vezes na

mídia provinciana , dependente visceral de

verbas publicitárias. Enfim, o governo terá

a realidade perfeita na província catarinense.

image

A província catarinense realmente é o melhor lugar do mundo para se viver!!!

   As sucessivas estatísticas produzidas em Santa Catarina indicam que não somos imunes a crise. Alguém lembra daquelas vistosas propagandas do Governo catarinense - Cuidando das Pessoas, Cuidando do Futuro? E a propaganda institucional da Assembleia Legislativa de Santa Catarina – famosa por farras com recursos públicos, intitulada de “Gente que faz diferença”???

 

   A crise que as duas propagandas  publicitárias falaciosas negaram,  chegou com toda intensidade  na vida do “cidadão comum”. A realidade da economia brasileira e sua conjuntura recessiva proporcionou resultados importantes para desmistificar os dois poderes que se locupletam para mistificar a realidade provincial.

 

   Os servidores públicos estaduais catarinenses estão ansiosos por saber quando ocorrerá uma mudança na direção, afinal de contas, a queda na arrecadação anunciada já produziu efeitos para nenhum “pessimista de plantão” colocar defeito!!!

 

   O reajuste “tungado” do MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL na famosa descompactação da tabela , retirando a regência e incluindo como “reajuste”, e,  com aumento salarial igual a zero no ano de 2015, é pura fantasia dos professores adoentados pela maravilhosa condição das escolas públicas – algumas fechadas ou interditadas. Para um bom entendedor, esta tática é familiar – empurrar para o próximo gestor estadual quitar, leia-se 2017-2018, quando nosso sorridente e afável governante atual já estará disputando uma vaga ao Senado Federal.

 

   A SAÚDE PÚBLICA típica de uma republiqueta, sofre o “caos” da falta de recursos. Nosso Estado é reconhecido por uma tecnologia maravilhosa – a AMBULANCIOTERAPIA. Nem precisamos notar o estado de “terra arrasada” dos hospitais filantrópicos e dependentes de recursos estaduais e federais. É um efeito da gestão eficiente de nossos deputados-secretários, com “expertise” incomum para o cargo que foram nomeados.

 

   Na SEGURANÇA PÚBLICA, a falta de recursos é notória. Os policiais ganharam um reajuste na sua jornada de trabalho, evitando a nomeação de novos policiais e aumento do efetivo. Afinal, um governo que não tem recursos para “ostensividade” por falta de viaturas e combustíveis, para que contratar novos policiais?

 

   A INFRAESTRUTURA, cantada em prosa e verso, seja no saneamento básico e nas estradas, é algo irrepreensível. As estradas continuam esburacadas, as rodovias em estado lastimável, e, o esgotamento sanitário é digno de comparação com Estados nordestinos.

 

   Quanto a geração de empregos, nosso afável e servil amigo de Dilma Rousseff, conseguiu reproduzir idêntica estratégia da governanta do Planalto Central. Pena que, as estatísticas do CAGED desmentem qualquer analista da mídia provinciana. Seguimos o caminho da economia nacional, estamos em situação de desemprego estrutural e conjuntural. A indústria, a construção civil e setor de serviços já dispensaram aproximadamente 37.000 trabalhadores em 2015.

 

   A questão crucial do mundo maravilhoso de Raimundo Colombo, é operar as alianças políticas,  para garantir a estabilidade na profissão mais estável no republiqueta do pixuleco – a de político profissional. Para nosso simpático e bonachão governador, tanto faz o local onde tergiversar politicamente -  no Poder Executivo ou Poder Legislativo.  

 

   No balanço de tal profissão, renda média alta, recursos alheios para usufruir, benefícios continuados e ascendentes, segurança privativa, saúde nos melhores hospitais, deslocamento por terra e ar sem ônus e engarrafamento, uma gama de serviçais para as tarefas diárias, e, aposentadoria vitalícia garantida.

 

   E por falar em Previdência, os funcionários públicos serão chamados a contribuir com uma “parcela extra”, sem qualquer resistência de nossos operosos deputados da base governista – que vez ou outra, assumem secretárias  - na famosa dança de favores e cadeiras. O importante será garantir  recursos para as aposentadorias vitalícias e regalias de poucos.

 

   Como se observa, a realidade catarinense é uma construção fantástica no mundo colombino. Fica a pergunta: CRISE, que CRISE??? Em Santa Catarina nada importa,  nossos governantes fazem mais e melhor!!!

2 comentários:

Anônimo disse...


Parabéns...
E tem mais coisas por vir...
Mais enganação...

att, Tonho Tonteira

Anônimo disse...

Olha, enquanto tivermos essa mídia comprada da RBS, fazendo o marketing deste bonachão safado, como se fosse o melhor governador da história de SC, que vai salvar a Ponte HL e por aí vai, teremos que aguardar para saber dos bastidores quando tudo isso já for apenas História. Aí saberemos como que essa coligação malandra se perpetuou durante mais de 15 anos. Enquanto isso temos que assistir a atuação de jornalistas independentes como você Canga e grupos de denúncia como esse: http://opestradao.co.nf/ querendo em vão mostrar ao povo o chefe que têm.