terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Florianópolis: A decadência do Centro Histórico

   Na rua Vitor Meirelles, no centro Histórico de Florianópolis, encontramos esta cena bizarra - para dizer o mínimo - do abandono a que esta relegada esta parte da cidade.


   Um casal de moradores de rua instalou seu "lar" na entrada do abandonado prédio da Escola Básica Antonieta de Barros. Sem nenhuma cerimônia, arrancaram uma caixa de eletricidade de alta tensão do poste do outro lado da rua, fizeram uma ligação clandestina - gato - e atravessaram o fio pelo calçadão até iluminar um dos "cômodos" do novo habitat.



   Tudo isso está ali, ao vivo e a cores para ser apreciado por todos que passeiam pelo Centro Histórico na frente do Museu Vitor Meirelles e ao lado do Museu da Escola Catarinense da UDESC, a cem metros da Praça XV e da Catedral Metropolitana.
   A Escola Antonieta de Barros foi uma das quatro fechadas pelo governo desde 2007. Atendia basicamente crianças dos morro das proximidades do centro da cidade.
  Destinada a ser almoxarifado da Secretaria de Educação, o prédio está depredado, com vidros quebrados, com as paredes pichadas e a sua parte externa virou abrigo de moradores de rua que ali fazem suas necessidades, tomam banho, trocam de roupa e fazem sexo em público.
   Assim  como o abandono dos prédios públicos e históricos no centro, os moradores de rua também não são problemas de ninguém. Nenhuma instituição pública se responsabiliza por eles. 
   Essa parte da cidade, abandonada pela prefeitura e pelo estado, virou um verdadeiro caos. Terra ninguém! 

The Home


5 comentários:

Abdiel Cruz disse...

Um verdadeiro descaso com a nossa bela e saudosa Floripa.
Cenário triste e perigoso.

Abdiel Cruz disse...

Um verdadeiro descaso com a nossa bela e saudosa Floripa.
Cenário triste e perigoso.

Anônimo disse...

E viva o Soisa!!!!!
Floripa a capital dos pixulecos...

Kézia Lenderly disse...

Corrigindo - Museu da Escola Catarinense/ UDESC -

Anônimo disse...

No Brasil quem é vítima tem sempre alguma culpa por seu destino.

Andre d'Aquino