quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Minha Casa Minha Vida dazelites

   O programa "MINHA CASA, MINHA VIDA" do governo federal, aqui em Santa Catarina, já pode ser cancelado. 
   Só de "auxílio moradia", em 2015, foram distribuídos R$ 50 milhões de reais.

   É bem verdade que só para alguns!

   Matéria do Upiara Boshi, no DC de 3 de fevereiro, denuncia as instituições onde se entocam os marajás catarinenses que receberam, vergonhosamente, auxílio moradia.

Quanto pegaram em 2015:
Tribunal de Justiça - R$ 26.556.694,45
Ministério Público SC - R$ 20.087.886,81
Assembléia Legislativa - R$ 2.033.508,41
Tribunal de Contas SC - R$ 514.423,46
Min. Público de Contas - R$ 170.731,47

Infográfico/DC

 




5 comentários:

Anônimo disse...

É a "moral da cueca cagada"!
Aí como é que essa gente vai ter condições de julgar alguém, ou, legislar algo em benefício dos mais necessitados?
Estamos ultrapassando o fundo do posso!

bonaster, o causídico. disse...


Sem comentários... mas vamos lá.
Não creio existir um juiz ou promotor que não tenha algum tipo de investimento para fazer valer as sobras de seu pomposo salário, seja investimento em imóveis, em ações, fundos, entre tantas outras formas de multiplicar os pães. Moram em casas ou apartamentos enormes, bem estruturados, com todo conforto que seu alto salário pode pagar. Não quero aqui desmerecer a classe, a maioria trabalha muito pra dar conta do seu serviço, porém há exceções, magistrados e promotores que não gostam muito de dar expediente, que não aparecem todos os dias nos fóruns para trabalhar. Alguns tem outros afazeres particulares para resolver durante o expediente. Seja uma fazenda pra administrar, seja uma lancha pra preparar pro final de semana, seja um namorado(a) pra afagar. Enfim, muitos colocam seu mister particular à frente do seu dever jurisdicional, o que acaba muitas vezes em má prestação do serviço público, por desviar-se da função quando deveria estar dando expediente. Só aqui da comarca de São José, já flagrei magistrado, sexta feira no meio da tarde, no Veleiros da Ilha, já flagrei promotora de justiça, durante a semana, no meio da tarde, namorando na padaria, distante do seu local de trabalho. Enfim, enquanto essas pessoas não se flagrarem de que devem estar de segunda à sexta feira no seu local de trabalho, cumprindo com seu dever, honrando o salário que nós do povo pagamos com nosso suado imposto, o negócio não vai andar pra frente. É um desserviço que não tem tamanho.
Aceitar esse cala boca de auxílio moradia, é vergonhoso, "matar" serviço é vergonhoso, mas se pessoas altamente instruídas fazem isso, o que esperar do país da pátria educadora? Sou até um pouco otimista, mas sinto que poderíamos estar muito melhor, não fosse esse tipo de comportamento que presenciamos todos os dias nos mais diversos órgãos públicos espalhados por aí. Funcionários públicos contribuindo para que o Brasil retroceda cada vez mais.

Anônimo disse...


Canga,

é um país de hipócritas !
e num povo muito burro e acomodado.
veja na nossa imprensa, por exemplo.
COMPRADA E SILENTE, SEMPRE.

Parabéns meu velho guerreiro.

att, Rogério Porta Velha


Anônimo disse...



Senhor Jornalista,

O valor declarado para a ALESC, no auxílio moradia, está incorreto.
São R$ 20 milhões de reais e não R$ 2 bilhões, como informado.
Inclusive e principalmente porque o Edison Andrino qdo deputado abriu mão do benefício. E o João Amin repassa o valor para entidades carentes.
Aí está toda a diferença.
Favor corrigir.

SERVIÇO DE AUDITORIA DE IMPRENSA DOS PODERES LEGISLATIVOS DO BRASIL.

Anônimo disse...

Artur Nogueira diz:
A charge diz tudo e vc canga, foi na veia.
Tá aí o nosso patrimonialismo aliado ao socialismo moreno, vivendo da corrupção e conchavos políticos imorais.
Não dá prá dizer quem é mais imoral: eles (a zelite) ou o povão ou tudo junto e misturado.
Parabéns pela crítica.