quarta-feira, 8 de junho de 2016

PADRE EDGAR



   Por Emanuel Medeiros Vieira

   Em memória do querido e sensível amigo, Padre Edgar de Oliveira – humanista integral, cuja obra ficará (para sempre).
   Já disseram que amigo é uma forma que Deus encontrou para nos proteger.
   Talvez alguém já tenha observado: Deus chama Mozart quando quer conversar com os anjos.
   Ou Bach? Não seria Beethoven?
   
   Perdemos o contato, Padre Edgar.
   A vida, mudanças de cidade, o “velho” em Tempo seguindo sua jornada. E vamos envelhecendo.
   Mas o  que seríamos sem MEMÓRIA?
   1964 não foi um ano bom para nós dois, querido Edgar.
   Para muitos? Sim. Houve uma espécie de “exílio interno” para ti e te visitei em São João Batista – tua terra natal.
   Depois, anos mais tarde, ele foi “concedido” (o tal exílio) a mim.
   Antes, na colônia dos padres jesuítas em Pinheiral (fazia o antigo Ginasial no Colégio Catarinense), aos 13 anos também fui te ver, com amigos, numa carroça (sim, todos nós enfiados numa carroça), e lembro que levei laranjas e tangerinas.
   Poderia falar muito.
   Um dos momentos mais pungentes e tocantes que pude presenciar foi  o teu discursos (tuas tão humanas palavras) no velório do meu saudoso irmão Luiz.
   Estavas tão comovido (era abril de 1986) que “abraçaste” o caixão e disseste: “Sei, amigo Luiz, que teus últimos tempos foram um  verdadeiro calvário”.
   E choraste. Choramos.
   Mas, evangelizador que eras – em tempo integral– , nunca desististe. E, com o teu espírito agregador, acolhias a todos: cristão, ateus, agnósticos.
   Tanto para contar.
   Perdoa homenagem tão superficial.
   Sei que teu nome e tua obra ficarão para sempre,  que o teu  “instante” não foi provisório – foi eterno.
   Escuto o “Réquiem de Mozart.
   Tua obra foi de uma generosidade imensa.
   Um ato de fé na vida.
   E como precisamos desta fé, em tempos tão doloridos, desencantados e mercantilizados.
“A arte de perder não é nenhum mistério”, escreveu a poeta Elizabeth Bishop.

   Só digo adeus, Padre Edgar.
   E OBRIGADO POR TUDO!                                          (Brasília, junho de 2016)

Nenhum comentário: