sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Juiz intima Gean Loureiro a dar explicações sobre "pacote de maldades"

Atendendo pedido do Ministério Público, o Juiz Federal Marcelo Kras Borges determinou que o novo prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, se apresente em 24h para dar explicações sobre o chamado "pacote de maldades" enviado para votação na Câmara de Vereadores, em regime de urgência.

   Tramita, desde 2015, ação na Justiça Federal na qual o Ministério Público Federal questiona os procedimentos adotados pela Prefeitura de Florianópolis na aprovação do Plano Diretor de Florianópolis.
    Em diversas decisões, o Juiz Federal Marcelo Kras Borges determinou a realização de audiências públicas para que a comunidade fosse ouvida e que a vontade popular fosse respeitada.
    Pois é, parece que o atual Prefeito, Gean Loureiro, pretende ignorar estas determinações.
    Consta no pacote enviado à Câmara de Vereadores a ser votado já na próxima semana, em regime de urgência, sete projetos de lei que guardam relação com o Plano Diretor. Sendo votados a toque de caixa como pretende Gean, nenhum debate com as comunidades será realizado.
    Com base nisso, os Vereadores Afranio Boppre, Lino Peres, Marquito, Pedrão e Renato Gesse, apresentaram representação ao Ministério Público Federal, o qual pediu na tarde de hoje a suspensão das votações.
    O Vereador Pedrão, também na tarde de hoje, protocolou uma petição ao Juiz Federal solicitando a suspensão da votação.
    O juiz, ao receber os pedidos, determinou que Gean se manifeste em 24 horas. O Oficial de Justiça deve bater na casa do Prefeito a qualquer momento.
    Segundo o Vereador Pedrão "o pacote de medidas além de conter inúmeras irregularidades apresenta-se de forma incompleta e distante dos anseios da população de Florianópolis. O prazo exíguo de tramitação corresponde a um risco eminente na decisão dos Parlamentares. A pressa é inimiga da perfeição”. E completa:
   "É um absurdo modificar o Plano Diretor, deixando-se construir mais, sem sequer ouvir a população, em desrespeito a legislação federal e ao povo."

Nenhum comentário: