quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

NAS MÃOS DO ALGORITMO

   Horas fundamentais para o futuro andamento da operação Lava Jato. Não que seja 8 ou 80 a escolha de um relator específico pelo misterioso sistema de algoritmos usado pelo STF para fazer a distribuição de processos entre ministros. Mas é um elemento que poderá desencadear outros passos e decisões que têm o poder minar ou impulsionar a operação no futuro próximo. Edson Fachin está confirmado dentro do sorteio a ser realizado amanhã, depois de ter dado início ao plano já combinado com Cármen Lúcia de se transferir para a Segunda Turma. Rafael Moraes Moura, no Estadão, resume bem o aleatório de tudo (como a fatalidade que tirou a vida de Teori Zavascki): “um funcionário da Secretaria Judiciária do STF […] apertará o botão “redistribuir” e será informado em tempo real sobre o novo relator”. No Globo, Carolina Brígido e Merval Pereira chamam a atenção para o fato de que um cidadão já tentou ter acesso ao código-fonte do algoritmo, por meio da Lei de Acesso à Informação, mas o pedido foi negado — embora isso não fosse um problema do ponto de vista técnico ou de segurança do sistema e, mais que isso, o regimento previsse que o acesso aos dados do sistema é público. (Do Brio)

Um comentário:

Anônimo disse...

Se alguém conhece do algoritmo conseguiria protocolar os pedidos ou recursos em momento ou ordem que seria possível "escolher" o julgador. E justamente por isso acredito que se mantenha o sigilo do algoritmo. Mais justo seria uma auditoria sobre o sistema, sem que seja quebrado esse sigilo que garante o sorteio sem ordem definida.