quarta-feira, 29 de março de 2017

LOBO (E ANJO)



       por Emanuel Medeiros Vieira

“A forma como as pessoas nos tratam é o karma  delas.
 A forma como reagimos é o nosso”
       (Dalai Lama)
Resistes.
Bravamente?
É da humana lida resistir
O lobo te ataca ferozmente – o Tumor
Já é longa essa batalha

(O anjo na soleira da porta te adverte para o vitimismo e a autocomiseração)

A ferocidade é a dor
Suspendes a leitura, o texto que escrevias, suas, e a cama soluciona

Não mais aquele tipo, meu velho, dos 25 anos de idade, da ditadura plena, da tortura, da OBAN e do DOPS – com coragem, crenças, utopias.

Jayme Ovalle disse que o câncer é a tristeza das células...
E lembrei-me dos versos de Carlos Drummond de Andrade:
“Quando nasci, um anjo torto/Desses que vivem na sombra/Disse: Vai Carlos! Ser gauche na vida”. (...) “Poema de Sete Faces”

E o moço espiritualizado – com um anjo torto, com um anjo bom
Apela: Não Me Abandones, Pai
Nesta secreta paisagem da noite,
E Concede-me Serenidade e Paz,
Quando chegar a hora da Travessia.

(Salvador, março de 2017)

Um comentário:

Rafael disse...

Força, caro Emanuel. FORÇA!