quarta-feira, 8 de março de 2017

MULHERES (Prosa Poética)



 por Emanuel Medeiros Vieira                                                 
                      para Célia, Clarice e Miriam

Emanuel, Célia e Martha Mansinho
E eras luz – morena, negra, loira (sempre mulher), eras tantas.
Afago, doçura, ânsia, inquietude, espera, lágrima – e olhavas o mar num dia de outono.
Eu queria te entender.
Eras muitas, e na multiplicidade eu queria encontrar – em ti – o paraíso (finito).
Paixões, dores de cada dia, o rosto liso na juventude – e o tempo escoando, passando por cima de todos nós, invernos, verões, outonos, primaveras – sempre em frente, até a Terceira Margem do Rio.
Serenamente bela na maturidade.
Antes, muito te procurara.
E encontrara labirintos, pedaços de enigmas.
Carregamos dúvidas, como pianos pesados.
Onde estás?
E lembrava-me de Jean Anouilh (1910–1987):
Há o amor, claro. E há a vida, sua inimiga (...).
No mais pleno exílio interior, não estava em Paris,
E sim no Brasil, “com uma luneta virada para o Atlântico.”

Freud perguntou: “O que querem as mulheres?”
O querem todos os seres humanos.
Amor para todos.
(Eis a minha terrestre reivindicação.)
Eis que posso proclamar: Viva o teu dia!
E repito o bardo inglês: “E por amor de ti, em guerra o tempo enfrento: Quanto ele te em ti suprime,  é quanto te acrescento”.
(Salvador, fevereiro e março de 2017)

Nenhum comentário: