quarta-feira, 26 de junho de 2013

Manifestações de Ruas e outros assuntos


  Por Laurita Mourão
   
  Querido Sergio, grande CANGA !
   
   Sei que também em Florianópolis há manifestações de rua, mas você, como grande Jornalista e Comunicador que é, adoraria estar aqui no Rio para ver e sentir na pele o clamor das ruas por um povo dito pacífico e cordato mas que graças aos abusos e desleixos dos governantes (os que mandam e fazem leis) não aguentou mais e jogou-se nas ruas como se suas casas estivessem incendiando-se ! Parece que não mas são reações naturais quando se está sendo abusado demais, escravizado demais, sem voz nem votos, e agora sem dinheiro porque a vida-de-todos-os-dias está caríssima, da carne aos vegetais, das frutas aos laticínios, dos produtos de higiene até os rolos de papel higiênico que a Venezuela do Chavez se viu obrigada a importar nada menos que 70 milhões de rolos. Aqui o que estamos por importar é muita vergonha na cara e pinceladas fortes de honestidade e bem gastar com o dinheiro público, “aquele” que nós fazemos o governo juntar pagando em dia os nossos extravagantes impostos !!!

   A nossa honra e os nossos problemas valem muito mais que R$ 0,20 e foi justamente essa pequena e quase desprezada moeda que nos fez reclamar os altíssimos preços das construções dos Estádios de Futebol, os gastos com a preparação da “Copa das Confederações” e as ciclópicas despesas com as obras para a realização das próximas Olimpíadas ... e ainda ver um aumento de um transporte antiquado, velho, barulhento, mal atendido e que ainda se dá ao luxo de não parar no locais previstos para levantar passageiros, idosos e crianças guiados por motoristas mal-alimentados, cansados, e que extrapolam tanto com a velocidade que mergulham no vazio das passagens aéreas matando passageiros indefesos !

   A imprensa publicou que a África do Sul fez obras parecidas e tão modernas quanto o momento para a Copa anterior e os custos foram 3 vezes menores que as nossas. Verdade ou não, o POVO se desespera porque 45 por cento do país acorda sentindo o fétido cheiro dos esgotos e pisa nele quando saem correndo para o trabalho depois de terem muito modestamente tomado seus banhos de chuveiro elétrico que gasta mais energia que uma recepção em palácio com todas as luzes acesas !

   E enquanto os novos aparelhinhos eletrônicos falam com o mundo inteiro de graça inclusive mostrando as caras dos que se comunicam, o pobre brasileiro continua pagando pelo telefone fixo uma barbaridade com mais de 30 por cento de impostos quando recebe a sua conta mensal ...

   Não pertenço a qualquer ONG ou Sociedade de Caráter Beneficente, estou velha e os 87 anos que venho vivendo me dão base para pensar em como era o mundo “antes” e tendo vivido durante cincuenta (50) anos fora do Brasil servindo-o, vi e vivi em muitos outros países onde a vida é muito mais cômoda para os que têm menos e os governos se dedicam – mesmo que tenham defeitos ou pratiquem fraudes – aos seus habitantes dando-lhes muito mais conforto, muito mais assistência médica, muito mais transportes públicos cômodos e aquecidos no inverno, rápidos e baratos e nem falemos nos estudos, primários e secundários, onde em todos os países a primeira parte é sempre gratis e ainda dão de presente aos alunos os livros e mantêm as crianças das 7 às 5 horas da tarde de segundas a sextas sob o ensinamento das letras e do comportamento social.

   Dias melhores virão.

   Aproveitando-me de sua nunca desmentida amabilidade, muito agradeceria pudesse me reenviar nome e e-mail de uma estudante, sua amiga, que desejou manter contato comigo por conta de um dos meus livros. Na minha casa-circo que eu amo de paixão e onde você e família têm um quarto com banho privado, esse seu e-mail deve estar no “ICLOUD” para aonde dizem que vão as mensagens e os arquivos virtuais ... Desde já fico-lhe grata.

   Que sua saúde seja boa e sua família com o prazer de tê-lo a seu lado desfrutando da sua inteligência, sou a amiga e admiradora,

Laurita (Linhares Mourão de Irazabal).

3 comentários:

Anônimo disse...

Li, gostei e compartilho !
TIRANÓPOLIS, O MARCO ZERO:
(SIC)

"(...)Marco zero das manifestações que tomaram o país, os recentes protestos do Movimento Passe Livre em São Paulo são fruto de uma experiência iniciada há 13 anos.

Começou com trotskistas do PT que, desiludidos com a política partidária e influenciados pelos movimentos antiglobalização, passaram a agir de forma autônoma.

O embrião, segundo militantes, surgiu em Florianópolis. Em 2000, esses petistas fizeram uma consulta nas escolas de ensino médio para definir uma "pauta de luta". A opção mais votada foi a do passe livre para estudantes.

"Essa campanha foi sendo tocada de maneira bem modesta", conta o jornalista catarinense Daniel Guimarães, que, aos 29 anos, é um veterano --milita há uma década. Nos primeiros passos, a opção foi impulsionar um projeto de lei na Câmara de de Florianópolis, sem sucesso.

A mudança na forma de atuação ocorreu em 2003, quando estudantes de ensino médio de Salvador bloquearam ruas da cidade durante vários dias contra o aumento da tarifa --episódio que ficou conhecido como a Revolta do Buzu.

A experiência, divulgada principalmente pelo site Centro de Mídia Independente (CMI), rendeu duas lições. (...)"
Pensando bem, faz muito sentido que onde os fantoches são todos e os manipuladores são poucos haja um colapso do poder.
O problema é se as massas perceberão que agora todos querem ser os donos do boi e da boiada, associar sua própria imagem ou tomar liderança de cima para baixo.
Carlos Eduardo

Anônimo disse...

Perguntaram-me:
Amigo,esta situação, por quê está como está?...
Eu, humildemente, tentei lhe dar uma resposta.
Se não uma resposta completa, mas uma luz para guiar a investigação ...

-O sistema todo de poder funciona em torno dos privilégios ou status, uma forma de tirania aonde o poder é legitimado por eleições livres mas o direcionamento do mesmo poder é traduzido em lobbys de empresas que não jogam limpo, nem aceitam as regras de mercado nem acatam a ordem constituída pela Constituição da República Federativa do Brasil.
Para ilustrar sugiro a leitura das obras:
- Os mandarins da República:anatomia dos escândalos na administração pública, 1968-84, de José Carlos de Assis, Ed. Paz e Terra
SIC:
"José Carlos de Assis é um publicista na antiga e honorável tradição do editorialista comprometido. É, além disso, um economista de reconhecida competência. Neste trabalho, resgata teses keynesianas, com frequência esquecidas, e enfatiza a necessidade de desatar o nó monetário.
Na moeda está o ponto inicial e terminal de um jogo perverso que destrói as esperanças e dissolve o futuro das sociedades que sacralizam o capital em sua expressão mais essencial e abstrata. Hoje, quando a ciência e a técnica apontam para a possibilidade de abundância e do aperfeiçoamento civilizatório, assiste-se a um culto enlouquecido a um bezerro de ouro que já foi desmaterializado. O ganho puramente contábil prevalece sobre o bem-estar social.
Assis é campeão na defesa de um equilíbrio entre a propriedade (como direito à riqueza) e o trabalho dignamente remunerado e protegido (como direito à cidadania). Alçada à condição de entidade soberana, a moeda impede o exercício desse direito fundamental. "
fonte:
http://www.contrapontoeditora.com.br/produtos/detalhe.php?id=114
NO MERCADO LIVRE..R$ 22,00
OS MANDARINS DA REPÚBLICA.
ANATOMIA DOS ESCÃNDALOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.
JOSE CARLOS DE ASSIS.
EDITORA PAZ E TERRA - 231 PAG - 1984.
SUBTÍTULOS:
A FEUDALIZAÇÃO DO ESTADO.
O ESTADO COMERCIANTE.
O ESTADO ESPECULADOR.
O ESTADO NORMATIZADOR.
O ESTADO DEGENERADO.
Carlos Eduardo

Anônimo disse...

Impressionante como Laurita Mourão conseguiu traduzir em poucas palavras todos os nossos sentimentos!
Aos 87 anos é de uma lucidez invejável! Parabéns!