sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Justiça derruba "armação" de Luiz Henrique da Silveira

Caiu por terra a grande armação de extorção montada pelo governo de Luiz Henrique da Silveira contra o empresário Ivonei Raul da Silva proprietário da Revista Metrópole.

Leia o livro proibido. Clique aqui.
   Acusado de extorsão quando cobrava dívidas do governo do PMDB com a revista Metrópole, Nei Silva acabou preso pelo DEIC no dia 2 de junho de 2008, ficando "enjaulado" durante 18 dias. 
   Na tarde de ontem a 4º Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de SC, manteve a decisão da juíza Denise Helena Schild de Oliveira onde afirma que não houve a extorção de que Nei era acusado e sim a cobrança dos serviços prestados pela revista ao governo do estado. 
   Na briga com o governo Luiz Henrique, além da prisão por extorção, Nei Silva teve o livro A Descentralização no Banco dos Réus censurado pela justiça. A inconstitucional censura  que permanece, inexplicavelmente, até hoje.

   Aloprados de Luiz Henrique
   A coisa não anda nada boa para a turma do ex-governador Luiz Henrique da Silveira. Além da ré que tomaram ontem no caso da falsa extorsão, no último dia 19 de novembro, o juiz Luiz Antônio Zanini Fornerolli da 1º Vara da Fazenda Pública da Capital, decidiu aceitar denúncia do Ministério Público por improbidade administrativa contra os conhecidos "aloprados do LHS": Armando Cesar Hess de Souza, Ivo Carminatti, Casildo João Maldaner, Gentil Dory da Luz, José Ari Véqui, Ivonei Raul da Siolva, Danilo Prestes Gomes e Editora Metrópole Ltda.
    Todos esses personagens estvam envolvidos na viabilização financeira da publicação da Revista Metrópole que enaltecia o sucesso da descentralização de LHS. 
   
   O livro censurado 
   A Descentralização no Banco dos Réus, mostra parte dos bastidores do escandaloso governo de Luiz Henrique da Silveira, com nomes, sobrenomes, fotos, números e dinheiro de corrupção, muito dinheiro. O governador Luiz Henrique da Silveira, à época, aumentou a participação do TJSC no bolo de arrecadação, que era pouco mais de 6% para quase 10%. O TJSC ficou amarrado e agradecido a LHS. 
   O escândalo estourou no período pré-eleitoral quando Luiz Henrique se lançava a reeleição. Quase perdeu seu mandato em um julgamento no TSE quando já tinha três votos pela cassação. Numa manobra nada republicana, o TSE mudou a jurisprudência na última hora para salvar o governador.
   O fato ficou conhecido no meio político como "A vitória envergonhada". Nem Luiz Henrique e nem os seus asseclas jamais comentaram sobre essa vitória!
   O preço do salvamento José Sarney e Leonel Pavan sabem muito bem quanto foi!


   Prisão de Nei foi tiro no pé (publicado em 2008)
   A entrevista de Márgara Hadlich, para o jornal Diarinho vem colocar mais gasolina na fogueira do escândalo das relações do governador Luiz Henrique com a Revista Metrópole. Todos os depoimentos públicos dos "laranjas" do governador vão caindo por terra dia-a-dia. Com a divulgação do diálogo do secretário Ivo Carminatti com Nei Silva pela RBS TV a coisa "garrou velocidade". Na verdade, sem a prisão do Nei Silva por extorsão, acredito que a RBS teria calado. Acabou tendo de divulgar a "armação" e aí a solução de gênio elaborada pelos aspones do governo virou um tiro no pé. A coisa está cada dia mais quente. Pelo que diz Márgara fica claro que a relação do governador com a revista é uma realidade. Os detalhes da reunião do secretariado em Itá e de outras reuniões das quais ela participou deixa claro o envolvimento de todo o governo Luiz Henrique. É, agora estão como rato em guampa: quanto mais corre mais se aperta.
   

Um comentário:

FELIPE disse...

CANGA, SE ME LEMBRO BEM, FOI O SUPER MEGA HIPER JOAQUIM BARBOSA QUEM DEU O 1º VOTO AFAVOR DO LULU, CARREGANDO OS OUTROS 3. ESTOU CERTO?