segunda-feira, 31 de março de 2014

Mandato tampão


   Em tempo de reforma ministerial, obra de um governo em crise institucional, política, econômica e social. Nossa silenciada governanta do Planalto Central , inexperiente na gestão institucional , desalojou dos cargos políticos todas as mulheres - paradoxal para as feministas , nomeando políticos-homens. 
   Sabemos que a questão de gênero - com a devida participação feminina em cargos significativos e representativos da república foi uma marca distintiva da era dilmista. Porém, nosso honorável ex-Presidente é pragmático e astuto - tratou de impor a substituição para estabelecer a ordem das alianças no "presidencialismo de cooptação" , obra "sui generis" do lulo-petismo em tempos de crise. 
   O desalojamento da ministra , da Secretaria das Relações Institucionais, e, por tabela, o rebaixamento no status ministerial , é o primeiro caso de criação de mandato-tampão para uma vaga no TCU - Tribunal de Constas da União, espaço institucional que deveria ser preenchido por servidores de carreira, e, replicado no âmbito estadual - se repete corriqueiramente a bolsa de apostas para uma indicação com grande valor para aposentadoria de figuras políticas carcomidas pela prática condenada e condenável de suas ações. 
   Eis o enredo da excrescência política que um partido político que outrora pregava ética produziu. A polivalência de políticos é assustadora - de professora-sindicalista à especialista em pesca, relações institucionais e direitos humanos . Realmente , a licenciatura em Física é uma graduação perfeita para os políticos que almejam frequentar o poder!!!
(Eduardo Guerini)
Leia também:

Nenhum comentário: