terça-feira, 17 de maio de 2016

Meirelles e a nova equipe econômica


   do Laercio Melo Duarte
 
   A entrevista de Henrique Meirelles há pouco, para anunciar parte da nova equipe econômica, foi promissora, não pelos motivos alegados. Mas, por devolver à gestão pública da economia os três pilares básicos, abandonados nestes anos obscuros do lulo-petismo. DIAGNOSTICAR, ANALISAR E PROPOR.

    A leve tentativa de Dilma, logo após seu calote eleitoreiro, em se desviar do populismo fiscal simplista, foi boicotada tão fortemente pelo seu partido, o PT, que acabou por destruir seu governo e seu próprio mandato, visto que este movimento deixou claro aos demais apoiadores do governo que este seria sempre refém do PT e dos seus aparelhos, tais como a legião CUT-UNE-MST.

    O governo Temer possui a mesma base de sustentação, só mudou a cúpula. Também possui as mesmas contradições do governo Dilma. Seu sucesso vai depender do talento pessoal de cada ministro. Um bom começo foi a atitude do José Sarney Filho (PV-MA), ora veja, em negar a gestão ambiental de seus antecessores, tanto ao recusar-se a chancelar o "acordo de Mariana", como em questionar a política de licenciamentos patrocinadas pelo agro-negócio. Vai ter inimigos dentro do próprio governo? Claro que sim, a começar pelo ministro da agricultura, Blairo Maggi, irmão siamês político da ex ministra Kátia Abreu, a "amiga" de Dilma, uma das poucas que com ela ficou até o fim.


Meirelles confirma Ilan Goldfajn no comando do Banco Central

Um comentário:

Léo disse...

Mas só falam em aumentar impostos, tirar direitos dos trabalhadores. E as mordomias, indecentes auxílios, carros, mansões, aviltantes salários, cargos comissionados?
Primeiro cortem na carne, FUNDO, depois falem em "sacrifícios"....
Insistem na Previdência quebrada. A Previdência CONTRIBUTIVA é superavitária, mas é tanta bolsa, aposentadoria rural, militar, dos campeões de 1970, QUE NÃO CONTRIBUÍRAM PARA TAL, que não há Previdência que resista!