domingo, 3 de fevereiro de 2013

Aceitar como?

   Por Armando José d’Acampora*
   Complicado, e cada vez mais, fica entender a política nacional.
   Mais simples se torna entender os desvarios políticos, quando se percebe que a Lei que é mais utilizada nos meios políticos brasileiros é a Lei do Gerson, aquela de levar vantagem sempre.   Chama a atenção a falta de bom senso, sem que haja necessidade de nenhuma outra alternativa legal. Bastaria bom senso, aquilo que a natureza distribuiu de forma equânime, mas e infelizmente, poucos são aqueles que se utilizam desta dádiva natural.   Infelizmente, isto não é uma prerrogativa dos políticos, ter um pouquinho de bom senso.   Hoje foi eleito para a Presidência do Senado, um cidadão que, para não ser cassado por estar envolvido em várias maracutaias, renunciou.   Ontem tínhamos um condenado pela mais alta corte do país, assumindo uma vaga de deputado federal.   Sem pensar que temos um monte de políticos exercendo o seu mandato, e já condenados por ações impróprias para um cidadão comum, imagine para um representante do povo que o elegeu.   E querem que o povo acredite na política e nos políticos?
   E ainda por cima acham que se deve acreditar nos partidos políticos?
   Lamento, mas nem com reza braba. Não dá. Simplesmente é impossível.
   Primeiro por que não há nenhuma ideologia partidária, pois os camaradas trocam de partido político como eu troco de camisa, todos os dias, e se fizer muito calor, umas duas vezes ao dia, após um banho e isso é uma coisa que eu acho que os políticos não fazem, tomar banho.   Se fizessem, quem sabe as impurezas conseguiriam sair pelo ralo, se é que o banheiro deles tem ralo, pois é bem capaz que não tenham ralo para que próprio político, o usuário, não se possa esvair por ali, pelo ralo.   Mas dai vem o outro lado da moeda. Que povo é esse que elege um sujeito que renunciou por estar envolvido em coisas não legais?   Deve ser um povo vassalo, que não se insurge contra nada, que aceita tudo o que vier, pois esse é o seu papel: aceitar o que vem.   Absurdo um povo que não tem identidade própria, que aceita tudo e todos.

   Mas como já antes disseram, cada povo tem o governo que merece.

* Médico, Cirurgião, Professor Universitário

2 comentários:

Anônimo disse...

É, ele está lá com o voto de 840 mil alagoanos, que tinham outras opções. Assim como estão lá, com o voto do povo, todos os que votaram nele. Então não dá para dizer que a "culpa" é exclusiva do Senado. Faltou bom senso, então, para todos os que votaram nessa corja toda.

ORRAIO disse...

De uns tempos prá cá todo dia aparece um para tentar desvalorizar o voto. Parece que depois que a oposição perdeu a capacidade de angariar (enganar) votos, estes não valem mais nada. Até mesmo os ministros do STF passaram a pensar deste modo, legislando contra a Constituição e contra o Congresso.