quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Havana 2004

   (...) Mal os coveiros acabaram de deslizar a lápide e se dedicaram a colocar sobre ela as coroas de flores que os amigos mantinham nas mãos , dei meia-volta e afastei-me, decidido a fugir de novos apertões no ombro e das descabidas condolências que nos sentimos sempre obrigados a dizer. Porque nesse momento todas as outras palavras do mundo eram demasiadas., só a fórmula habitual do pastor tinha um sentido e eu não queria perdê-la. Descanse em paz: o que Ana  tinha finalmente conseguido e do que eu também precisava.
   Quando me sentei dentro do Pontiac à espera de Daniel, percebi que estava à beira de um desmaio e convenci-me de que , se meu amigo não me afastasse do cemitério, eu seria incapaz de encontrar uma saída em direção à vida.

(Início da narrativa do cubano Leonardo Padura em seu romance O homem que amava os cachorros).

Nenhum comentário: