quarta-feira, 8 de outubro de 2014

ATROPELADOS

Ilustração cangablog
  Por José Casado (O Glogo)

   Um sentimento de perplexidade prevalece na cúpula do Partido dos Trabalhadores desde a noite de domingo. Em Brasília, por exemplo, os convidados para a celebração do triunfo de Dilma Rousseff (com 43,2 milhões de votos) acabaram figurantes de um pálido festejo.

Rouca, a presidente-candidata anunciou o plano de campanha para os próximos 20 dias: “O povo dirá que não quer os fantasmas do passado, como recessão, arrocho, desemprego (...) Não queremos de volta os que trouxeram o racionamento de energia, que tentaram incluir no processo de privatização a Petrobras, as empresas do setor elétrico, como Furnas, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica.”
É a renovada aposta num antigo receituário da política: qualquer coisa pode virar uma verdade, desde que mais de uma pessoa acredite.

Reflete a drástica mudança no humor petista depois de 12 anos no poder. Dissipou-se o tom de leveza e autojúbilo, permeado pela soberba da crença de que só ao PT cabe o papel de condutor da “mudança do Brasil”.

A raiz dessa comoção vai além da recuperação de Aécio Neves (34,9 milhões de votos), num esforço tão exuberante quanto solitário. Ou mesmo da resiliência de Marina Silva (22,1 milhões de votos) em sete semanas com dois minutos de propaganda no rádio e televisão, sob forte bombardeio em outros 15 minutos. O abalo petista tem mais a ver com o comportamento do eleitorado no Sudeste, especialmente em São Paulo, onde Lula surgiu, criou e consolidou o mais organizado partido político brasileiro.

Um mês atrás, na madrugada de sábado 6 de setembro, Lula mandou acordar dirigentes do PT. Na reunião improvisada, Lula desabafou seu “desentendimento” sobre o rumo da eleição. Fora a um comício em São José dos Campos, na hora de saída dos trabalhadores, e só encontrou meia praça cheia. Em outro, na porta 35 da Ford, em São Bernardo do Campo, a plateia não somou uma centena de pessoas.

“As pessoas podem, e devemos admitir, que não concordem com a gente ideologicamente”, disse. “O que não podemos aceitar é sermos tratados como segunda classe. Porque foi a partir do nosso partido que começou a mudar a história da administração pública nesse país.”
Acrescentou: “Vamos ter que fazer procissão, suar a camisa e discutir com aquelas pessoas que ousam duvidar da gente.” Wagner Freitas, presidente da CUT, emendou: “Não é possível, depois de 12 anos de trabalho exitoso, não ter resposta a essa direita ultrapassada.”

O mapa de votação de Dilma Rousseff mostra que o PT acabou atropelado no seu núcleo, o “cinturão” operário. Perdeu na capital (com 20,6% dos votos), em Santo André (27,6%), São Bernardo (32,7%), São Caetano (14,9%), São José (21,4%), Santos (20,1%), Campinas (25,7%) e Ribeirão Preto (20,7%).

Lula, Dilma e o PT assustaram-se porque 57 milhões “ousaram duvidar” de suas propostas, preferindo as de Aécio e Marina. Porém, o eleitorado que dizimou a bancada petista em Pernambuco, os premiou com os governos de Minas e Bahia, maioria de até 70% no Nordeste e a liderança na chegada ao segundo turno.

Agora, na encruzilhada, precisam optar entre a reinvenção da presidente-candidata e o velho receituário, que estabelece como missão a reforma do país sob critérios exclusivos do PT, não importando os desejos do eleitorado. 

2 comentários:

I.A.S. disse...

Como disse o jornal el pais, o Alecio representa interesses conservadores, ao que acrescento que sob o governo da elite petista muitos setores conservadores/capitalistas ganharam vantagens enormes (bancos, montadoras de automóveis, grande mídia, fabricantes de eletrodomésticos, etc...), em nada diferindo o Pt do Psdb.

I.A.S. disse...

Canga
A quantas anda o processo do mensalao mineiro, onde se imputa apropriação de dinheiro de estatais por gente do psdb?
Os processos contra o pessoal ligado à cúpula do pt estão "bombando" na rede.
E aquele outro, envolvendo parceiros do Aecio, por que anda "esquecido"?