segunda-feira, 27 de julho de 2015

REMEDIADOS

Por Emanuel Medeiros Vieira
Os ricos enriquecem, os pobres empobrecem. E os outros, os remediados, vão ficando sem remédio(Mia Couto)
Para os “rapazes” de 1945 (do final da guerra) e para os que vieram depois (ou antes)

Não é viagem, mas clausura.
Não é mar – eis o cerrado.
Não é real – apenas um sonho.
O país dos anos jovens ficou na memória.
Claro: a juventude é um sopro – como a vida.
Há flores sim, e alguma risada.
Não é velhice?
Sim – é velhice.
Os ossos querem falar, gritar.

“Nós fomos, nós andamos, nós rimos, nós sonhamos, nos existimos um dia”.

Ninguém escuta.
Retiro fotos de alguns álbuns já amarelecidos.
Mas elas resistem: nos sonhos (contra o oblívio).

Quando atravessar a ponte – a Terceira Margem do Rio – queria que assim fosse: um sorriso de gratidão – como um abraço apertado entre dois amigos que não se vêem há muito tempo.

Dever cumprido?
Nunca saberei.
                                                                                           (Salvador, julho de 2015)

Nenhum comentário: