sexta-feira, 8 de abril de 2011

Ativista ambiental do Farol de Santa Marta é ameaçada

FAROL DE SANTA MARTA
Ativista ambiental é ameaçada

Carolina Gomez da Siilva mostra ofício encaminhado ao governador Raimundo
Colombo e outras autoridades, pedindo audiência pública para discutir
asfaltamento na região do Farol de Santa Marta (Lagun a-SC).
Foto: Celso Martins

Carolina Gomez da Silva, 22 anos de idade, residente no Farol de Santa Marta, acaba de ser ameaçada e agredida por questionar a implantação de asfalto entre a Passagem da Barra (Laguna) e o Camacho (Jaguaruna). É a terceira vez que isso acontece nos últimos dois meses, segundo relata João Batista Andrade da ONG Rasgamar. Será feito um Boletim de Ocorrência do caso junto à Polícia Civil de Laguna.

A estrada a ser pavimentada fica entre o mar e as lagoas, passando por dunas e afloeramentos de lençóis freáticos. Por esse motivo moradores, pescadores e ativistas ambientais pedem a realização de uma audiência pública para a discussão do projeto.

Em ofício ao governador Raimundo Colombo e outras autoridades estaduais e federais a Rasgamar denuncia existência de interesses imobiliários em áreas preservação. Loteamento clandestinos estão sendo abertos e os lotes vendidos livremente.

Confira a seguir a íntegra do depoimento de Carolina sobre as agressões e ameaças sofridas e do referido ofício às autoridades. (Por Celso Martins)

Depoimento

Daqui a duzentos ou trezentos anos, ou mesmo mil anos – não se trata de exatidão – haverá uma vida nova. Nova e feliz. Não tomaremos parte nessa vida, é verdade.... Mas é para ela que estamos vivendo hoje. É para ela que trabalhamos e, se bem que soframos, nós a criamos. E nisso está o objetivo de nossa existência aqui”. (Tchekhov, Três irmãs)

Eu, Carolina Gomez da Silva, brasileira, filha do mecânico Luis Carlos da Silva e da dona de casa Lídia Graciêla Gomez da Silva, nasci no dia seis de agosto de mil novecentos e oitenta e oito na cidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul.

Venho por meio deste, a fim de declarar, denunciar e dar ciência, que no dia três de abril de dois mil e onze na localidade de Passagem da Barra, cidade de Laguna, Santa Catarina, tive minha integridade física ameaçada e fui moralmente agredida e expulsa por, na tentativa de exercer meu dever como cidadã brasileira, expressar minha manifestação em um ambiente público e por sua vez no regime de estado democrático de liberdade de expressão e defesa sócio ambiental.

Segue a declaração dos fatos: Beba na fonte.

Comentários:

Augusto J. Hoffmann deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Ativista ambiental do Farol de Santa Marta é ameaç...": A prática é recorrente, aqui no Sul. Lá para cima, matam. A expectativa do Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU,nossas Universidades, algumas com X Mestres outras, com Y PHDs, sinais positivos. No entanto, quando evidências das ações truculentes em prol dos negócios de ocasião, em detrimento do maior bem de uso comum, o meio ambiente, permanecemos com a certeza de que há muito chão pela frente.
De nada adianta brioches, faisões e vinho grancês à mesa se o vaso sanitário despeja no rio que dá água aos nossos vizinhos. E, pouca valia cultural, de progresso contabilizamos, a cada notícia dessa. Força moçada, se são verdes ou azuis, ecochatos ou cidadãos, já estaríamos no caos não fosse a ação de quem "Quem sabe faz a hora, não espera acontecer".

 
 Geraldo Silva Jardim deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Ativista ambiental do Farol de Santa Marta é ameaç...": Meu amigo Joao e Carolina que lutam sem parar por uma Natureza livre da depredaçao humana. Minha solidariedade ao tanto amor lutado por estes dois que conheci na Audiencia Pública contra a Fosfateira em Laguna e na qual discursamos juntos sobre os efeitos nefastos deste empreendimento.  

Olá Sergio,
Ari Quadros comentou seu link. "Minha solidariedade à ativista ambiental Carolina, caxiense, que está lá em Laguna, no Farol de Santa Marta, tentando salvar o que ainda resta do patrimônio natural local, por sinal de rara beleza. A especulação imobiliária, gananciosa e irreponsável, representa um verdadeiro desastre a todo o litoral brasileiro. Carolina, já que estás na batalha, procura a representação mais próxima da Procuradoria da República e denuncia esses agressores covardes. De qualquer forma, em Criciúma existe uma delegacia da Polícia Federal, que ali foi instalada por solicitação minha ao Ministério da Justiça, com o objetivo de atender toda essa região, inclusive ao litoral norte gaúcho. Carolina e demais companheiros da ONG, toquem em frente, não recuem, porque não é hora de recuar e sim avançar. Qualquer coisa, acionem meu e-mail: ari.quadros@bol.com.br. Ficarei atento e solidário. Um cordial abraço."

3 comentários:

Geraldo Silva Jardim disse...

Meu amigo Joao e Carolina que lutam sem parar por uma Natureza livre da depredaçao humana. Minha solidariedade ao tanto amor lutado por estes dois que conheci na Audiencia Pública contra a Fosfateira em Laguna e na qual discursamos juntos sobre os efeitos nefastos deste empreendimento.

Augusto J. Hoffmann disse...

A prática é recorrente, aqui no Sul. Lá para cima, matam. A expectativa do Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU,nossas Universidades, algumas com X Mestres outras, com Y PHDs, sinais positivos. No entanto, quando evidências das ações truculentes em prol dos negócios de ocasião, em detrimento do maior bem de uso comum, o meio ambiente, permanecemos com a certeza de que há muito chão pela frente.

De nada adianta brioches, faisões e vinho grancês à mesa se o vaso sanitário despeja no rio que dá água aos nossos vizinhos. E, pouca valia cultural, de progresso contabilizamos, a cada notícia dessa. Força moçada, se são verdes ou azuis, ecochatos ou cidadãos, já estaríamos no caos não fosse a ação de quem "Quem sabe faz a hora, não espera acontecer".

Anônimo disse...

Continuando o outro email (Rogério): aqui vai um link de um site que mostra em fotos que o problema do asfalto no Farol de Santa Marta é fichinha em comparação. O asfalto é necessário sim porque os moradores e pequenos comerciantes precisam duma estrada decente porque em dias de chuva fica intransitável e até ambulâncias, bombeiros e polícia não conseguem transitar por causa dos buracos e lamas. O progresso é sempre bem vindo, quando feito com RACIONALIDADE e DEBATE COM A SOCIEDADE LOCAL. Vejam as fotos:

http://sosfaroldesantamarta.blogspot.com/2011/04/progresso.html