domingo, 24 de junho de 2012

Viagem a Quarai

    Realmente estava precisando dar uma recarregada nas baterias. Quando isso acontece, tenho que ¨descer¨ para o fronteira. Preciso encontrar meus amigos do uruguai, estar coma mãe, dar uma banda pelas barrancas do rio Quarai, enfim, me energizar nos lugares da minha infância, da minha adolescência.
    Surgiu a oportunidade, levar o carro novo da mãe que o meu irmão tinha comprado em Florianópolis. Sai da ilha por volta das 12 horas de sábado. Quando bateu 20h cravadas estava em Santana do Livramento (980km), na verdade no Uruguai, em frente ao belíssimo Rivera Cassino & Resort, recentemente inaugurado, ui direto para o cassino. O prédio foi totalmente remodelo mas mantiveram a fachada que é tombada historicamente. Não achei as interfaces das novas máquinas caça-níqueis amigáveis. Aliás, achei horriveis e estão pagando pouco. Joguei até 'as 11 horas e laguei para Quarai, mais 110km.

    Mas que friage!!!!!!
    A mãe, mesmo com o rio que fazia (mas que friage!!!) estava a minha espera. Ela e o meu irmão que já tinha ido de moto na frente.
Nos abraçamos e fomos tomar um café com ¨galleta¨ uruguaia, aquelas de gaitinha, uma delícia. Conversamos até tarde. Perguntei para a mãe quem estava vivo, só para não perguntar quem tinha morrido. Ela riu e respondeu que em Quaraí ninguém mais morre. 

- A prova viva disso sou eu meu filho, disse rindo às vésperas de completar seus 91 anos.

    Hoje de manhã lhe apresentamos o seu Peugeot preto que imediatamente foi batizado de ¨Negrinho¨, apelido carinhoso como  a mãe chamava o pai. Ela adorou o carro, mais depois que contei do desempenho do motor na estrada.

    O risoto da igreja
    Ao meio-dia fomos levar a mãe para almoçar na casa da nossa irmão, mas ela resolveu dar uma passadinha na igreja para pegar um risoto que é a grande iguraria do lugar no domingo. Chegamos e tinha uma fila imensa no salão proquial. Falei para ela que usasse a sua prerrogativa de idosa para ser atenida preferencialmente. Ela respondeu:

- Aqui só passa na frente quem tem mais de 99 anos.

    Tive que achar graça. Olhei a fila e realmente a maioria as pessoa eram idosas.

    Churra de motoqueiros
    Deixamos a mãe para almoçar e fomos para um churrasco de motoqueiros embaixo da ponte do lado uruguaio. Aliás, num parque maravilhoso com lago, praça de esportes, e várias churrasqueira espalhadas pelo bosque na beira do rio.
    Encontrei lá vários amigos que não via a muito tempo. O dia ajudou bastante, embora frio estava ensolarado.
    Encontrei lá o meu amigo Nelsi Baldassari que não via há muito. Nelsi é o dono da lendária Noiva da Morte, uma, BSA 250cc que fez sucesso nos anos 60 na fronteira. Nelci me falou que dentro de dois meses estará lançando o seu livro onde dedica dois capitulos ao nosso pai. Nelci estava com o pai em São Paulo quando o milicos deram o golpe de 1964. Leia a história aqui.

4 comentários:

Anônimo disse...

A gauchão!!!

ERNANI NEVES PIRES disse...

Caro Rubim,

Gostei do seu relato de viagem a Quaraí, aliás, a muito tempo atrás curti ler as tuas aventuras por Buenos Aires, assim como de falei lá na Assembléia antes da última eleição para governador... Como tu, naquela ocasião, tinha falando para eu comentar no Blog, estou fazendo também dessa vez. Desta vez impressionado com o vigor de tua mãe - que jóia! Eu também gosto muito de pegar a estrada "para recarregar as baterias" - como tu dizes.
Mas, desta vez também quero de parabenizar pela justiça que te foi feita finalmente... Fiquei sabendo na coluna do Moacir... E não te vi comentando nada no BLOG, porque?

Anistia aprova processos de Sérgio Rubin e Jurandir Camargo 22 de junho de 2012


Os jornalistas Sérgio Rubin(Canga) e Jurandir Pires de Camargo tiveram aprovados processos de indenização por prejuízos pessoais e profissionais sofridos durante o regime militar.
A decisão foi tomada pela Comissão de Anistia, que se reuniu na sede do Cesusc, em Florianópolis.
Perseguidos e presos durante a ditatura no Brasil, Uruguai e Argentina, tiveram um forte voto da relatora, ao aprovar os pedidos. Ambos sofreram violações sempre juntos como se fossem, segundo a relatora, irmãos siameses.
Solenemente, após a aprovação dos dois processos, o presidente da Comissão de Anistia pediu desculpas aos dois jornalistas em nome do povo brasileiro.

coluna do Moacir Pereira


Saudações,

ERNANI.

Anônimo disse...

Quero fazer uma dessas Canguita...pegar o carrinho e comer o asfalto...
abraço,
ateu capitalista

Anônimo disse...

Bonito o número da placa, já jogaste????