domingo, 15 de abril de 2012

Morte anunciada

Tudo o que falamos a respeito da irresponsabilidade dos políticos na ocupação de cargos públicos, objetivando apenas a consecução de seus objetivos pessoais, pelo jeito, vai efetivamente ocorrer.
    No DETER, o Presidente Sandro Silva,  Ex-Vereador de Joinville, que chegou  afirmando seu compromisso de ficar 4 anos e cumprir a missão, desmentindo as fofocas de que só estaria ocupando um espaço até a sua ida para a Assembléia, onde é suplente de deputado, e para a eleição municipal de Joinville, vai mesmo sair e ocupar a vaga do Deputado Altair Guidi, que sai apenas para possibilitar ao Sandro Silva se descompatibilizar do poder executivo e aguardar como deputado a sua confirmação como candidato a Vice Prefeito de Joinville.
    Não sendo confirmado como candidato a Vice Prefeito retorna para o DETER e o Deputado Altair Guidi reassume. Sendo confirmado como candidato, sai da Assembléia e vai para a eleição, com a certeza de que o cargo de Presidente do DETER está a sua espera em caso de derrota, pois estará ocupado pelo atual Diretor de Transportes, Senhor Ralf Benkendorf, também de Joinville e seu fiel escudeiro.
    Diante disso, confirmando-se esta situação, não resta outra qualificação para o Senhor Sandro Silva: no mínimo MENTIROSO.
    Só o que conta nessas tramoias são os objetivos pessoais de cada um desses verdadeiros criminosos no poder. O pior de tudo isso é que o Governador, aquele ungido pelo voto direto da maioria da sociedade e que poderia colocar um basta nesta situação, sob a alegação de que está costurando a governabilidade, aceita e nomeia os comissionados nessa tramoia, sendo o principal responsável ou irresponsável pela destruição da máquina pública e pelo caos que está se instalando em nosso Estado e aliás em todo o Brasil porque o modelo é o mesmo. É preciso um basta. A sociedade não pode mais ficar assistindo e fazendo graça com os assaltos aos cofres públicos realizados através da má gestão e dos desvios que diariamente são noticiados.
    É preciso profissionalizar o Governo. Se passou no concurso das urnas tem que honrar o cargo conquistado. Os cidadãos que votaram no político deveriam exigir isso ou pedir que o Ministério Público o faça.
    Quem, de sã consciência, que tivesse efetivamente o objetivo de sanear e organizar uma instituição, nomearia alguém sem aptidão e sem experiência e ainda para um período de apenas um ano ?  Se não me falha a memória, foram os políticos que lutaram pela possibilidade da re-eleição, pois julgavam que o período de 4 anos podia não ser suficiente para concluir um projeto de administração. Como podem eles aceitar então que dirigentes comissionados sejam nomeados para períodos até menores que um ano ?  Onde está a coerência ?

    Tudo que estamos experimentando atualmente em termos de descontinuidade, falta de planejamento e deterioração dos serviços públicos, tem como causa este modelo obsoleto de fazer política que o povo tem que desmontar. Não pode o sujeito eleito para fazer leis ocupar outra função que não seja legislar. O Brasil precisa mudar e a sociedade precisa acordar. ACORDA CIDADÃO.

 Comentário: Para mim, duas pequenas mudanças já seriam bem-vindas: 1ª) o ocupante de cargo eletivo deveria renunciar ao mandato para ocupar cargo de confiança - saiu, não volta; 2ª) os únicos cargos de confiança admitidos seriam os de agentes políticos (secretarias de estado, por exemplo) e seus assessores diretos (chefes de gabinete), fora isso, só deveriam existir funções de carreira. Mas será que nossos nobres legisladores estariam dispostos a abdicar dessa mamata?
Fernando S.

2 comentários:

Fernando S disse...

Para mim, duas pequenas mudanças já seriam bem-vindas: 1ª) o ocupante de cargo eletivo deveria renunciar ao mandato para ocupar cargo de confiança - saiu, não volta; 2ª) os únicos cargos de confiança admitidos seriam os de agentes políticos (secretarias de estado, por exemplo) e seus assessores diretos (chefes de gabinete), fora isso, só deveriam existir funções de carreira. Mas será que nossos nobres legisladores estariam dispostos a abdicar dessa mamata?

Anônimo disse...

Isso já existe só que não é cumprido.